Como chegar a terceira base

Como segurar um corredor na terceira base Corredores na terceira base só tem 90 pés deixaram de marcar uma corrida. Quando batedores bater na bola - a menos que seja um pop-up , bola voar raso ou um grounder para o lado esquerdo do campo interno - corredores em terceiro , muitas vezes, tentar marcar . Rome2rio facilita as viagens de Base Aérea das Lajes a Angra do Heroísmo. Rome2rio é uma ferramenta de informações de viagem porta a porta e reservas que ajuda você a ir de e para qualquer lugar do mundo. Encontre todas as opções de transporte para sua viagem de Base Aérea das Lajes para Angra do Heroísmo bem aqui. Aprenda o vocabulário correto para problemas de exponenciação. Toda potência, como por exemplo , apresenta duas partes.O número inferior (2 nesse exemplo) é chamado de base.O número sobrescrito à direita (3 nesse exemplo) é chamado de expoente ou potência.Podemos ler a potência como dois elevado a três ou dois elevado à terceira potência. Chegar à Terceira é como ser recebido em casa dos melhores amigos e essa metáfora pode ser comprovada se procurar o Café do Roberto. Um restaurante situado na Freguesia de Posto Santo, no interior, onde, para além de todos os pratos com que se pode deliciar, tem uma excelente carta de vinhos ao seu dispor e é recebido com o carinho que o ... Para se chegar a pena final em um processo criminal é necessário observar o critério trifásico da dosimetria, sendo a pena-base a primeira, as atenuantes e agravantes a segunda e as causas de diminuição e aumento de pena a terceira fase. O que comer e onde comer na Ilha Terceira O prato oficial da Ilha Terceira é a famosa Alcatra, cuja base tanto pode ser de carne como de peixe.A confeção lenta num pote de barro e o molho espesso feito de cebola, louro, toucinho, alho, louro, pimenta e vinho, são o que marca este prato, cujos sabores intensos não se esquecem tão cedo. É normalmente acompanhado por pão ou bolo de massa ... Como chegar para qualquer cidade do Brasil. A maior parte do tempo antes de sair unidade É interessante saber como vamos encontrar ao longo do caminho. Em comollegar.com tentar facilitar essa tarefa, uma vez que não apenas mostrar-lhe o caminho a seguir, mas também mostrar o radar, você encontrará ao longo do caminho, passando sobre como combustível para veículos, as pessoas que vão ... A conhecida e ainda hoje operante Base das Lajes traz novas influências aos habitantes locais. Ciosa do passado histórico repleto de grandes feitos, a Terceira mantém-se actualmente uma ilha dinâmica no contexto do arquipélago, tendo o centro histórico angrense sido reconhecido, em 1983, como Património Mundial da Humanidade, pela UNESCO. A Ilha Terceira é a terceira maior ilha das nove dos Açores e a segunda mais ilha mais habitada, localiza-se no chamado “Grupo Central”. Como chegar. Existem voos da Ryanair, da TAP e da Açores Airlines para Angra do Heroísmo. Eu consegui um voo ida e volta por 39,98€ de Lisboa – Angra do Heroísmo pela Ryanair. Como visitar Éfeso usando Izmir como base. Se você chegar em Izmir de avião e não quiser usar o táxi para ir do aeroporto até a cidade, pode usar o transporte público. O que vai até o aeroporto é o trem, mas ele é conectado ao metrô.

FGO: Sealed Ends of the Four Seas: Okeanos - AD.1573

2020.09.06 20:00 YatoToshiro FGO: Sealed Ends of the Four Seas: Okeanos - AD.1573


https://preview.redd.it/2hnlfutmbkl51.png?width=1024&format=png&auto=webp&s=67f909182d235687dd8cff5577bb9a61b4c05e58
​Ritsuka e Mash chegam em Singularity em um navio pirata e, posteriormente, derrotam a tripulação de ataque. Um membro da tripulação explica que seu navio apareceu de repente no oceano, com seus mapas e bússolas inúteis. Ele sugere que eles vão para uma ilha pirata próxima para reabastecer seus suprimentos e obter pistas sobre toda a situação. Depois de subjugar os piratas que os atacaram quando eles desembarcaram, os dois são conduzidos ao esconderijo secreto de Francis Drake. Ela concorda em falar com eles, mas apenas se eles a derrotarem em combate. Depois que ela é derrotada, Drake se junta a Ritsuka e Mash ao lado de sua tripulação e dá um banquete para comemorar. Durante a celebração, ela explica que o oceano é infinito e contém ilhas de climas totalmente diferentes. Os ventos bizarros e as correntes também tornam a navegação muito difícil. Drake revela que ela estava planejando navegar para encontrar uma base para ela e sua tripulação amanhã, antes que Ritsuka e Mash chegassem. Mash percebe que ela tem um Santo Graal, usado anteriormente para criar comida e bebida sem fim, quando Drake oferece uma bebida a Ritsuka em amizade. Um membro da tripulação lembra que Drake o recebeu ao derrotar Poseidon na Atlântida no final de uma viagem de sete dias. Mash percebe que o Graal escolheu Drake como seu dono quando ela impediu Poseidon de inundar o mundo e destruir a civilização. Depois de derrotar alguns piratas turbulentos, Drake dá o Graal a Mash. A Singularidade permanece sem solução, no entanto, Romani Archaman percebe que o Graal que receberam é o verdadeiro Graal existente na época. Ele também deduz que o oceano sem fim resultou da contenda entre o Graal colocado para perturbar a era e a real. Ritsuka e Mash pedem a ajuda de Drake para receber o outro Graal e restaurar a era. Devolvido o Graal, Drake é convencido por Leonardo da Vinci e Romani a ajudar.
No dia seguinte, o grupo parte quando é atacado por piratas, que na verdade são apenas seres conceituais do pirata comum. Eles finalmente pousam em uma ilha onde lutam contra mais piratas e Eric Bloodaxe enquanto exploram sua selva. Depois de derrotá-lo, Drake logo encontra um navio viking. Dentro, ela encontra o mapa marítimo do navio, que detalha a ilha e as vizinhas. Retornando ao navio, o grupo navegou para uma ilha no noroeste de acordo com a carta.
Chegando ao seu destino, o grupo segue para uma linha ley e estabelece um círculo de convocação lá. Romani tenta relatar suas descobertas sobre a bandeira pirata que eles recuperaram antes, mas as comunicações são rapidamente cortadas. Preocupado com seu navio, o Golden Hind, após um terremoto, Drake e os outros voltam para a costa para ver como ele está. Um membro da tripulação diz a ela que o navio não se moverá. Ritsuka e Mash suspeitam que um campo delimitado ao redor da ilha seja o responsável. O grupo, então, busca a origem do campo delimitado para removê-lo para que possam navegar novamente. Eventualmente, eles encontram e entram em um labirinto onde lutam com Asterios. No entanto, quando Drake se prepara para acabar com ele, uma Serva implora para que ela poupe sua vida. Revelando-se como Euryale, ela acreditava que o grupo estava tentando capturá-la. Após Mash contar a ela sobre sua situação, Eurayle revela que Asterios configurou o campo delimitado para impedir a entrada de inimigos externos. Concordando em removê-lo, ela e Asterios se juntam ao grupo.
Depois que Asterios remove o Campo Delimitado, o grupo deixa a ilha. Enquanto navegava, Euryale revela que um servo pirata pervertido está atrás dela. O grupo eventualmente encontra o navio do Barba Negra, Queen Anne’s Revenge, que está perseguindo o navio de Drake. Enquanto os dois navios se chocam, Barba Negra ordena que Eric apreenda o Graal de Drake enquanto ele captura Euryale. O Golden Hind não pode penetrar na armadura da Rainha Anne. Barba Negra e Eric embarcam no navio de Drake. Revelado para ser um servo de Barba Negra, Eric tenta capturar Euryale, mas é derrotado por Ritsuka e Mash. Depois que ele desaparece, Mash bloqueia um ataque de outro Servo destinado a Ritsuka. O grupo então recua após Drake atirar nas cordas que prendem os dois navios. Infelizmente, Anne Bonny abre um buraco no navio, mas Asterios o carrega, apesar de seus ferimentos.
Carregado para uma ilha próxima, o grupo dirige-se a uma floresta para conseguir madeira para consertar o navio. Enquanto viaja para lá, Romani suspeita que a Vingança da Rainha Anne, é o Fantasma Nobre do Barba Negra por causa da leitura em massa de energia mágica. Ele também diz que o Golden Hind mostrou a mesma leitura, embora ele atribua isso ao Graal. Ele percebe que a nave do Barba Negra é seu Fantasma Nobre, que se fortalece dependendo do tamanho da tripulação. Ele também revela a energia mágica da nave enfraquecida quando Eric foi morto. O grupo resolve matar o resto da criação do Barba Negra para enfraquecer ainda mais seu navio. Depois de matar alguns wyverns, Mash teve a ideia de usar suas escamas para consertar o Hind de Ouro. Da Vinci informa que eles vão precisar de mais trinta wyverns, então o grupo sai para encontrar um ninho. Enquanto procuram por um ninho, eles ouvem alguém sendo atacado por wyverns e saem para resgatá-los. Depois de matar os wyverns, o grupo encontra um pequeno e estranho urso junto com uma serva furiosa. Assim que ela se acalma, Ritsuka e Mash contam a ela e à criatura urso sobre a missão da Caldéia e a natureza da Singularidade. Ela revela ser Artemis e que a criatura urso é Orion. A dupla então ajuda o grupo a invadir um ninho de wyvern, onde finalmente recuperam escamas suficientes para consertar a nave.
Depois de consertar o navio e equipá-lo com um aríete, o grupo zarpou, acompanhado por Artemis e Orion. Enquanto eles entram em águas desconhecidas, o grupo discute como lidar com a Vingança da Rainha Anne. Drake sugere atacá-los enquanto Euryale sugere atacá-los com flechas. Artemis sugere que alguém possa embarcar no navio e causar o caos antes que os navios colidam. Ela revela que, uma vez que foi tecnicamente convocada como Órion, ela pode usar seu poder de caminhar sobre a água, pois ele é filho de Poseidon. O grupo eventualmente confronta a nave do Barba Negra e executa sua estratégia. Enquanto o navio avança em direção ao seu navio, Euryale atira na tripulação do Barba Negra com suas flechas enquanto Ritsuka e Mash lidam com os abordadores. Artemis embarca em seu navio e luta contra a tripulação enquanto Orion sabota seu suprimento de munição. Depois que o suprimento de munição de sua nave é destruído, Barba Negra tenta recuar quando o Golden Hind bate em sua nave. [9] Embarcar em seu navio, o grupo derrota Anne Bonny e Mary Read. Depois que Barba Negra é derrotado, Hector trai e o fere mortalmente, e rouba o Graal dele. Ele expressa sua frustração por Drake interromper seus planos de destruir a era, dando o Graal a um idiota. O grupo tenta pegá-lo, mas ele embarca no Golden Hind para sequestrar Euryale. Asterios tenta salvá-la, mas ele é ferido na batalha. Depois que Barba Negra não consegue atirar nele, Hector embarca em outro navio com Euryale. Com o Graal desaparecido, a tripulação do Barba Negra desaparece, com Barba Negra e seu navio seguindo logo em seguida.
Enquanto perseguem Hector, o grupo discute seus planos para Euryale e o Graal quando encontram uma tempestade. Usando seu vento de cauda, eles finalmente alcançam Hector depois de lidar com um navio fantasma. Ritsuka, Mash e Asterios então embarcam em seu navio para resgatar Euryale. Enquanto eles continuam a batalha, outro navio se move em direção a sua posição. Drake dispara seus canhões contra ele, mas eles são todos desviados. Hector foge para o outro navio e Artemis o reconhece como o Argo. Jason exige que o grupo entregue Euryale para ele, caso contrário, ele enviará Hércules para atacá-los. Eles se recusam, então ele envia Medea e Hércules para matá-los e roubar Euriale. Medea envia ondas de Dragon Tooth Warriors para atacar o grupo, mais tarde juntando-se à luta. Suas habilidades de combate estão abaixo da média, então ela troca com Hércules. O grupo é incapaz de derrotá-lo por causa de seu Nobre Fantasma, Mão de Deus. Ele de repente ataca Euryale, cuja morte frustraria o plano de Jason, mas Asterios a protege. Enquanto isso está acontecendo, Jason ordena que Medeia recupere Eurayle, mas Drake e Mash a protegem. Hector então liberta Durindana Pilum, empalando Asterios e Hércules. Jason ordena que Héracles traga Euríale até ele, mas Asterios joga ele e ele no oceano depois de agradecer ao grupo. Eles usam esta oportunidade para se retirarem do Argo.
Depois de recuar, o grupo discute a Arca que Jason mencionou anteriormente. Romani explica que continha os Dez Mandamentos que Moisés recebeu de Deus. Ele está confuso com os motivos de Jason, já que pune todos os que o abrem. Ele explica ainda que a punição divina desencadeada pela abertura da Arca também destruirá a área circundante. Apesar disso, o grupo vai encontrar a Arca antes de Jason. Enquanto procuram ilha após ilha pela Arca, o grupo recebe uma mensagem anexada a uma flecha de alguém que Artemis conhece. Eles pousam em uma ilha próxima para encontrar o remetente da carta. Depois de matar alguns monstros, o remetente pergunta ao grupo se eles são amigos ou inimigos de Jason. Para seu deleite, Ritsuka responde que eles são inimigos, então ela se revela. Mash a reconhece como Atalanta e a apresenta aos outros. Atalanta revela que a Arca é um Fantasma Nobre e seu dono foi o primeiro Servo convocado na Singularidade. Outro Servo então chega, e Atalanta o apresenta como Davi, o dono da Arca.
Depois de matar alguns monstros com o grupo, David chama que a Arca é um Fantasma Nobre de terceira categoria que mata apenas quem a toca. Ele explica que é convocado independente dele e revela que permanecerá no mundo depois que ele se for, se alguém o possuir. Ele revela que ouviu falar da busca de Jason pela Arca em Atalanta, e eles esperaram juntos pela chegada de aliados. Atalanta explica que ela foi convocada como parte dos Argonautas, mas ela não se juntou à busca de Jason pela Arca, algo que ele acredita que o tornará um verdadeiro rei. Davi então revela que se Eurayle, um Espírito Divino, fosse sacrificado à Arca, isso destruiria a era. Ele continua sacrificando um deus para a Arca que normalmente só destruiria a área circundante. No entanto, essa destruição aumentaria dentro da Singularidade, destruindo um dos Fundamentos da Humanidade sem esperar que ele desabasse. Depois de questionar as razões de Jason, a discussão em grupo sobre como derrotar Hércules. Davi sugere que eles enganem Hércules para que toque na Arca para destruí-lo. O problema que vem com esse plano, entretanto, é que mesmo um Berserker evitaria tocar em um Nobre Fantasma tão perigoso. Como seria desvantajoso lutar contra os três, Mash sugere que eles atraiam Hércules para longe de Heitor e Medéia. Orion sugere que eles aguentam em algum lugar, mas Atalanta diz que nenhuma estrutura na ilha pode resistir a Hércules. Ritsuka então apresenta seu plano de como derrotar Heracles, com o qual todos concordam, apesar dos riscos.
Seguindo o plano de Ritsuka, os arqueiros aliados lançam seus Nobres Phantasms em Jason, que tinha acabado de chegar à ilha. Jason ordena que Hector o proteja e Heracles para matar os arqueiros. No entanto, Heracles torna a morte de Eurayle uma prioridade, então ela e Ritsuka fogem dele enquanto seus aliados os protegem ao longo do caminho. Eles eventualmente o atraem para onde a Arca está sendo mantida, mas ele mantém distância dela. Felizmente, os outros chegam e o derrotam na batalha. Eles então empurram Hércules para a Arca, drenando-o de sua energia mágica até a morte. Com a partida de Heracles, o grupo, agora acompanhado por Atalanta e David, embarca no Golden Hind para perseguir Jason.
Enquanto o grupo persegue Jason, os Arqueiros aliados atiram em Argon enquanto Drakes dispara canhões. Quando eles finalmente o alcançam, Jason usa o Graal para invocar um Shadow Servant para atacar o grupo. Depois de ser derrotado, Jason ordena que Heitor mate o grupo enquanto Medeia o protege. Depois que ele é derrotado, Hector tenta matar Eurayle, mas ela acaba com ele com Eye of the Euryale como vingança para Asterios. David pergunta a Jason quem lhe deu a ideia de sacrificar Eurayle à Arca, já que isso destruiria o mundo. Ele pergunta a ele se Heitor ou Medeia o convenceram de que sacrificar um Espírito Divino lhe concederia um poder infinito. Confuso com isso, Jason pergunta a Medeia se Davi está mentindo, dizendo que alguém lhe disse que sacrificar um Espírito Divino à Arca lhe daria poder e invencibilidade. Medeia responde que a destruição do mundo o tornaria tecnicamente invencível. Irritado por ter sido enganado, Jason afirma como ele poderia finalmente criar uma nação ideal, uma verdadeira utopia. Medéia refuta suas intenções e diz que ele nunca será um rei ideal porque sua alma está irremediavelmente distorcida. Enfurecido com as palavras dela, Jason exige saber como ele não está qualificado para ser rei, uma vez que construiu o Argo e reuniu uma tripulação de heróis. Medéia então usa o Graal para encarná-lo em Forneus, reivindicando-o como sua forma de protegê-lo. Enquanto os outros duvidam de sua vitória, Drake os inspira a lutar enquanto comanda sua tripulação a se esconder nas cabines.
Depois que Forneus e Medea são derrotados, Jason retorna ao normal e exige que Medeia o cure. No entanto, ela não pode curá-lo porque ela própria morrerá em breve. Medeia revela que possui memórias dele a enganando e traindo, apesar de sua adoração. Ela o chama de cruel e inocente e afirma que, apesar de ser fraco, ele atrai outros para servi-lo lealmente. Ela continua que, como ele trai muito rápido, seria melhor que ele afundasse com o mundo para evitar qualquer traição. Depois que Jason desaparece furioso, Medeia lamenta não ser capaz de protegê-lo de alguém. Enquanto ela desaparece, Medeia se recusa a responder à pergunta de Ritsuka sobre o cérebro por trás da incineração da humanidade, já que um mago maior do que ela a derrotou. Ela ainda diz a eles para se prepararem contra o mago e para reunir mais aliados. Depois que Medeia desaparece, Mash recupera o Graal. Conforme a Singularidade entra em colapso, os servos aliados de Ritsuka e Mash se despedem antes de desaparecer. No entanto, antes de David desaparecer, Mash pergunta a ele se Forneus era realmente um Deus Demônio, já que Romani afirma que eles não existem. Davi pergunta a Romani sobre seu raciocínio, e Romani responde que Salomão não poderia invocar criaturas tão horríveis. Ele se pergunta em voz alta como um mago tão poderoso como Salomão poderia comandar tais monstros ou mesmo conspirar para destruir a humanidade. David chama seu filho de um imprestável cruel e vulgar que planejaria a destruição da humanidade. Ele se desculpa por suas palavras e admite que tem pouco a ver com seu filho. Ele afirma que Salomão não consideraria honestamente a destruição da humanidade, a menos que sofresse uma grande traição antes de desaparecer. Romani está desapontado por não poderem obter mais informações sobre os Deuses Demônios e saber que Salomão está envolvido com a Incineração da Humanidade. Depois que Romani agradece, Drake fica desapontado por ela perder suas memórias de Ritsuka e Mash assim que a história for corrigida. Ela diz a Mash que todos os humanos têm um sonho ou desejo que seja realizado, dizendo que todos os humanos realizam boas e más ações para alcançar seus desejos, mesmo que não saibam disso. Ela continua a dizer que é melhor não saber seu próprio desejo, pois ela saberá no final. Depois de expressar sua abordagem libertária à vida, Drake se despede de Ritsuka e Mash antes de voltarem para a Caldéia.
____________________________________________________________________
Incrível o como esse jogo a cada Singularidade só melhora.
Esse até agora foi o melhor de Lostbelt 1. Comparando com Orleans e Septem. Esse foi o mais divertido e a historia foi bem legal.
submitted by YatoToshiro to Fate_GensokyoBR [link] [comments]


2020.08.29 04:41 futebolstats Confederação convoca seleção sub-15 de skate, uma iniciativa inédita

O skate é um esporte no qual crianças, adolescentes e adultos dividem as mesmas pistas e competem lado a lado. Não à toa, a seleção brasileira reúne de Letícia Bufoni (27 anos) e Pedro Barros (25) a Isadora Pacheco (15) e Rayssa Leal (12). Até por isso, a convocação de uma seleção sub-15 da modalidade chama atenção. Segundo a Confederação Brasileira de Skate (CBSk), o projeto é inédito no mundo.
“Na verdade, não existe a categoria internacionalmente. Criamos o critério do sub-15, muito mais por entender que é quem podemos ajudar mais nesse momento de crescimento e evolução do skate. Acho que saímos na frente, sem dúvidas”, diz o presidente da entidade, Eduardo Musa.
Em julho, o dirigente comentou sobre a tendência de se categorizar as competições de skate após a estreia olímpica da modalidade, nos Jogos de Tóquio (Japão), em 2021: “Acho que isso vai acontecer, mas é muito mais pelas gerações que vêm com essa cabeça [de ser skatista de competição], e é natural que aconteça, porque o skate está ganhando um ambiente competitivo. A grande maioria dos que você vê na seleção, talvez 100%, não começaram no skate para competir, mas por diversão”.

Ver essa foto no Instagram
A CBSk anuncia a relação de convocados para a formação da primeira Seleção Brasileira de Skate Sub-15 da história! No total, o selecionado inédito no mundo do skate oferece 16 vagas – 8 por modalidade (Park/Street), sendo 4 por categoria (Feminino/Masculino). Entre Park e Street, a Seleção Sub-15 conta com nomes das 5 regiões do Brasil. Confira os nomes do Street! Feminino • Carla Karolina (Maceió-AL) – 13ª Feminino Open_STU 2019 • Giovana Moreira (Niterói-RJ) – 7ª Feminino 1_Campeonato Brasileiro 2019 • Thais Ávila (Rio de Janeiro-RJ) – 5ª Feminino 2_Campeonato Brasileiro 2019 • Daniela Vitoria (Manaus-AM) – Índice Técnico Masculino • Matheus Teixeira (Passo Fundo-RS) – 1º Iniciante_Campeonato Brasileiro 2019 • Kalani Konig (Florianópolis-SC) – 3º Iniciante_Campeonato Brasileiro 2019 • Guilherme Sato (Ponta Porã-MS) – 7º Iniciante_Campeonato Brasileiro 2019 • Filipe Mota (Pato de Minas-MG) – Índice Técnico Critérios de convocação Respeitado o limite de idade (15 anos até dezembro do ano corrente), as 2 primeiras vagas foram preenchidas pelos melhores do ranking do Circuito Brasileiro Open (Oi STU QS 2019). Nos casos em que os integrantes desse ranking não atenderam o requisito de idade, ou já integram a Seleção principal, a escolha dos nomes passou a seguir como base o ranking brasileiro da categoria Amador / Feminino 1 e, na sequência, Iniciante / Feminino 2. A 3ª vaga teve como base o ranking brasileiro da categoria Amador / Feminino 1. Nos casos em que o critério de idade impediu a escolha por esse ranking, a referência adotada foi o ranking Iniciante / Feminino 2. A 4ª vaga foi preenchida com base em análise de índice técnico realizada pela Comissão Técnica. #CBSk #SomosTodosCBSk #SeleçãoBrasileiradeSkate #SkateBrasileiro #Skateboard
Uma publicação compartilhada por Confederação Brasileira Skate (@cbskskate) em 27 de Ago, 2020 às 2:32 PDT
Segundo a confederação, os convocados para a seleção sub-15 terão suporte médico, fisioterápico e psicológico. “A diferença do trabalho com crianças é que temos que ajustar as intervenções à fase de desenvolvimento delas. Isso envolve a escolha dos objetivos e a linguagem. Além disso, a psicologia do esporte com crianças envolve uma intervenção direta com os pais”, diz a psicóloga da entidade, Juliane Fechio.
“Ter um trabalho [psicológico] de base é muito positivo, pois, ao mesmo tempo em que as crianças poderão evoluir como atletas, poderemos começar desde cedo a desenvolver habilidades importantes para o sucesso esportivo e preservar o prazer pela modalidade. Para uma criança se manter no esporte e chegar a um alto desempenho, ela precisa se divertir”, completa Juliane.
A seleção sub-15 abarca os dois estilos olímpicas do skate: street(praticado em obstáculos de rua, como escadarias ou corrimões) e park(cuja pista tem um formato similar a de uma piscina, com paredes e elementos de rua), com oito vagas por estilo, sendo quatro no masculino e quatro no feminino. A primeira convocação, divulgada na última quinta (27) à noite, tem 15 atletas. O catarinense Kalani Konig, de 11 anos, integra as equipes de street_e _park.

Ver essa foto no Instagram
A CBSk anuncia a relação de convocados para a formação da primeira Seleção Brasileira de Skate Sub-15 da história! No total, o selecionado inédito no mundo do skate oferece 16 vagas – 8 por modalidade (Park/Street), sendo 4 por categoria (Feminino/Masculino). Entre Park e Street, a Seleção Sub-15 conta com nomes das 5 regiões do Brasil. Confira os nomes do Park! Feminino • Erica Leguizamon (Garopaba-SC) – 6ª Feminino Open_STU 2019 • Isabelle Cury (Garopaba-SC) – 12ª Feminino Open_STU 2019 • Raicca Ventura (Santo André-SP) – 1ª Feminino 1_Campeonato Brasileiro 2019 • Marina Brauner (Pelotas-RS) – Índice Técnico Masculino • Pedro Carvalho (Florianópolis-SC) – 5º Masculino Open_STU 2019 • Vicenzo Damasio (Garopaba-SC) – 11º Masculino Open_STU 2019 • Victor Ikeda (São Paulo-SP) – 3º Amador_Campeonato Brasileiro 2019 • Kalani Konig (Florianópolis-SC) – Índice Técnico Critérios de convocação Respeitado o limite de idade (15 anos até dezembro do ano corrente), as 2 primeiras vagas foram preenchidas pelos melhores do ranking do Circuito Brasileiro Open (Oi STU QS 2019). Nos casos em que os integrantes desse ranking não atenderam o requisito de idade, ou já integram a Seleção principal, a escolha dos nomes passou a seguir como base o ranking brasileiro da categoria Amador / Feminino 1 e, na sequência, Iniciante / Feminino 2. A 3ª vaga teve como base o ranking brasileiro da categoria Amador / Feminino 1. Nos casos em que o critério de idade impediu a escolha por esse ranking, a referência adotada foi o ranking Iniciante / Feminino 2. A 4ª vaga foi preenchida com base em análise de índice técnico realizada pela Comissão Técnica. #CBSk #SomosTodosCBSk #SeleçãoBrasileiradeSkate #SkateBrasileiro #Skateboard
Uma publicação compartilhada por Confederação Brasileira Skate (@cbskskate) em 27 de Ago, 2020 às 2:28 PDT
Conforme a CBSk, as duas primeiras vagas de cada vertente são dos melhores colocados nos rankings do circuito nacional, com idade até 15 anos (completados no ano corrente) e que não integrem a seleção principal. A terceira leva em conta os rankings brasileiros amadofeminino 1 e iniciante/feminino 2. Já a quarta e última vaga será decidida por índice técnico.
Os estilos terão consultores técnicos diferentes. No street, o escolhido foi o skatista Fábio Castilho "Fiz bacharelado em Educação Física, então, tenho toda uma bagagem de periodizar o atleta. Já venho trabalhando com aulas para a base, com a criançada. Vai ter que ser um comprometimento de todos, uma soma de forças. Durante esses 28 anos que ando de skate, me senti como se estivesse pisado no skate pela primeira vez", destaca.
Já no park, o consultor será o também skatista Allan Mesquita, que dá nome à pista pública da cidade de Cabo Frio (RJ), onde nasceu. "Faço esse trabalho com a molecada há muito tempo. Então, nada mais é do que pegar toda a nossa bagagem, adquirida nesses anos de muito suor e dificuldade de se manter no skate e passar isso de uma forma suave. Não exigir muito nesse sentido de competição, mas, trabalhar e desenvolver o potencial no máximo que a gente puder de cada um", conclui.
O post Confederação convoca seleção sub-15 de skate, uma iniciativa inédita apareceu primeiro em Futebol Stats.
from Futebol Stats https://bit.ly/32y3wbj
via IFTTT
submitted by futebolstats to SiteFutebolStats [link] [comments]


2020.08.03 03:41 thinwhitedune Overdose de Brasileiros nas pistas esta semana. A semana dos brasileiros (Semana 05)

A semana que teve o seu ponto alto nas duas últimas voltas do modorrento Grande Premio da Grã-Bretanha, salvo pelos diversos pneus estourados, viu muitos brasileiros nas pistas. Tivemos poles, vitórias e boas performances em várias categorias. Vejam os brasileiros que correram este final de semana.
Caminho para a F1
Fórmula 2 - Siverstone
Na categoria de acesso à F1, nossa joias da coroa continua sendo Felipe Drugovich. O piloto Paranaense foi muito bem este final de semana, mostrando que tem braço para correr entre os ponteiros se tiver uma equipe melhor. Drugovich foi pole position em Silverstone, chegando em sétimo e sexto nas duas corridas deste final de semana. Esse não é um resultado ruim, pelo contrário, a MP não é uma equipe que anda entre os primeiros lugares, e Drugovich conseguiu se segurar bem contra adversário mais rápidos, o Paranaense terminou na frente de seu companheiro em ambas corridas e está 36 pontos na frente de Matsushita.
Pena que não podemos falar o mesmo de Piquet e Samaia. Ambos possuem o inglório status de terem terminado todas as corridas e não terem conseguido nenhum ponto ainda. Piquet chegou em décimo primeiro na corrida principal, mas longe do seu companheiro Délatraz que pontuou nas duas corridas, chegando em terceiro na corrida Sprint. Samaia nem na transmissão aparece, estamos ficando acostumados a ver ele chegar em último nas corridas, ainda um pouco fora de ritmo. Ainda é cedo para criticar os rapazes, eles são inexperientes na categoria e isso tem que ser levado em consideração. Esperamos que 2021 seja melhor para ambos.
Fórmula 3 - Silverstone
Se nós temos pilotos que se destacam na F2, para a F3 nós precisamos ter calma e analisar nossos pilotos mais friamente. Ambos tiveram mais um final de semana tímido, sem conquistar pontos em nenhuma corrida. Se Fittipaldi se gabou de conquistar muitas posições na Áustria e na Hungria, Silverstone não foi o melhor circuito para ele este final de semana, sendo ostracisado pelos companheiros, Hughes e Doohan, o primeiro conseguindo pontos nas duas corridas e o segundo continuando sua maré de azar.
Igor Fraga é um caso diferente. Apesar de ainda não ter pontuado na temporada, Fraga mostra tem um bom ritmo, frequentemente chegando a frente de seus companheiros, neste final de semana o piloto não teve sorte e seu carro quebrou na corrida 2, enquanto fazia uma boa etapa. Ainda não sabemos se seus companheiros são fracos ou se o carro não deixa chegar aos pontos, mas creio que o piloto patrocinado pelo Gran Turismo, seja muito melhor que seus dados mostrem.
FREC - Misano
Existe um brasileiro que ainda é pouco comentado, mas que parece ter um bom potencial e que eu queria ver, este é Gianluca Petecof.
Petecof é piloto da academia da Ferrari, mas passa despercebido pelas terras das palmeiras por sempre estar pareado com Enzo Fittipaldi e seu sobrenome bicampeão, mas o garoto é bom.
A FREC veio com um grid bastante pequeno para a primeira etapa, mas não menos badalado. Jüri Vips, piloto Red Bull que já foi cogitado para a F1, Arthur Leclerc, o monegasco menos rápido que seu irmão e Jaime Chadwick, pilota vencedora do primeiro ano da W-Series dão um peso interessante para a FREC.
Em Misano, tivemos três corridas, onde Petecof chegou em quarto, segundo e venceu a terceira corrida. Saindo da primeira etapa líder do campeonato. VAI BRASIL
Formula Regional Americas - Barber
Nos EUA, Vitor Franzoni continua sendo espectador de luxo da temporada de Linus Lundquvist, o piloto suéco ganhou todas as OITO corridas do campeonato, sendo pole em todas as pistas e não tendo a volta mais rápida em apenas 1. O piloto brasileiro foi segundo lugar na primeira corrida e quarto nas outras duas, estando em terceiro no campeonato a apenas 107 pontos de distância do líder. F4 Italiana - Misano
Também em Misano correu a F4 italiana, o principal campeonato de F4 no mundo. Nesta categoria correu Gabriel Bortoleto de Prema (!). O piloto brasileiro chegou em sétimo lugar nas duas primeiras corridas e décimo primeiro na terceira. Boa sorte na sua escalada Bortoleto!
F4 Britânica - Donington
Em outro lugar da Inglaterra, na pista onde vimos em 93 a melhor primeira volta da história, também correu um brasileiro. Roberto Faria fez bonito, chegando em terceiro na primeira corrida, abandonando a segunda e quarto na terceira, corrida em que foi pole position.
Caminho para a Indy
USF 2000 - Ohio
Na categoria de base do caminho para a Indy também tivemos brasileiros em campo. Dudu Barrichello e Kiko Porto correram. O filho mais velho do Rubito foi Pole position na primeira corrida, finalizando em segundo, décimo primeiro e oitavo. Ficando na terceira posição do campeonato. Kiko Porto estreou este final de semana e pegou pontos na primeira corrida. O destaque segue sendo Christian Rasmussen que ganhou TODAS as corridas até agora, assim como seu companheiro nórdico da Fórmula Regional Americas.
Notas sobre outros campeonatos
IMSA - Hélio Castroneves VENCEU a corrida em Road America. Felipe Nasr e Pipo Derani dividiram o pódio com Helinho e seu companheiro na terceira posição.
Endurance Brasil - Nas 4 horas de Interlagos, um dos vencedores da categoria de protótipos P1 foi um velho conhecido nosso e dos muros de Singapura. Nelsinho Piquet ao lado lado de T. Andrade e J. Martini fizeram 136 voltas em Interlagos.
Ainda tivemos Kart essa semana, mas confesso que achar resultados destas categorias começou a ficar obscuro demais.
Essa semana que vem também vai ser bastante movimentada. Além do muito bem nomeado Grande Prêmio dos 70 anos da Fórmula 1 Pirelli Heineken Aranco 2020. Temos Q-U-A-T-R-O corridas da Formula E.
submitted by thinwhitedune to F1Brasil [link] [comments]


2020.07.25 18:34 YatoToshiro Fate/Gensokyo #47 Archer of Red (Fate/Apocrypha)


Fate/Apocrypha - Fate/Grand Order
​O Nome Verdadeiro do Arqueiro é Atalanta, Uma caçadora famosa conhecida como Caçadora de Castas Que aparece na mitologia grega.
Ela é uma caçadora famosa por seus pés rápidos na lenda da Grécia Antiga. Ela se tornou famosa depois de ser a primeira a lançar uma flecha no Javali Calidoniano durante seu extermínio. Além disso, ela é incluída como membro dos argonautas, que reuniram bravos heróis de toda a Grécia. Ela tem o passado trágico de nascer como filha de um rei de um determinado país e ainda ser abandonada nas montanhas por seu pai.
Legend
Atalanta nasceu como filha do rei Iasus da Arcádia. No entanto, apesar de ter nascido e ser a princesa do paraíso natural, Atalanta acabou sendo abandonada nas florestas e nas montanhas imediatamente quando nasceu, quando foi evitada pelo pai - que desejava um filho. Mas ela sobreviveu graças à proteção divina de Artemis, uma deusa virgem que sentiu pena dela. Ártemis enviou e fez um urso fêmea, um animal sagrado da deusa, nutrir a menina dando leite e levantando-a. Em gratidão, Atalanta é um seguidor fervoroso de Ártemis.
Depois disso, depois de ter sido criada pela ursa enviada por Artemis, e mais tarde foi descoberta e adotada por caçadores que pisaram nas montanhas, Atalanta desenvolveu suas habilidades conspicuamente, talvez devido ao seu talento latente, e também se tornou uma caçadora. Ao atingir a idade adulta, Atalanta cresce e se torna uma caçadora excelente e inigualável, e ela realiza muitas aventuras.
Há três contos pelos quais Atalanta é famosa. O primeiro conto é sobre como ela foi escolhida, acompanha e participa como membro dos Argonautas liderados por Jason. Atalanta se orgulha de ser a mais rápida entre os humanos, e logo depois de se tornar uma das poucas tripulantes do Argo, ela conheceu o herói Meleager.
Meleager ficou encantado com Atalanta, e ele a convidou para o extermínio da Besta Mágica da Caledônia. O segundo conto é sobre o extermínio do Javali Calidoniano, onde Atalanta é mais conhecida por sua participação nesta caçada, mas isso resultou em uma tragédia logo após esse evento. Por uma questão de exterminar esta Besta Mágica que foi despachada por Artemis, que ficou com raiva de um rei que estava sendo negligente ao oferecer-lhe um sacrifício, Atalanta e os outros esgotaram seus esforços em uma tentativa desesperada de caçar o javali. No entanto, embora Meleager tenha perfurado o golpe final, ele entregou a conquista a Atalanta, que foi a primeira a acertar sua flecha no javali, sendo um ato de boa vontade para Atalanta, ou Meleager tendo pensado que isso é algo que deveria seja simplesmente seguido como um herói.
Em relação aos homens, eles demonstraram descontentamento em relação a isso, onde não podem crescer para serem simplesmente tolerantes e estavam dizendo que possuem habilidades maiores que Atalanta, que é mulher. Uma briga de repente ocorreu entre Meleager e seus parentes, e Meleager foi infligido por uma maldição mortal.
O terceiro conto é sobre a disputa pelo casamento de Atalanta. Após a caçada ao Javali Calidoniano, Atalanta retornou à sua terra natal, mas seu pai, que nunca teve um filho, ordenou que ela se casasse. uando os pretendentes começaram a se apressar para pegar sua mão, a problemática Atalanta decidiu transformá-la em uma competição de corrida de pés. Ao prometer um voto de virgindade à deusa, ela proclamou: "Só me casarei com alguém que possa me derrotar numa corrida de pés. Aqueles que perderem serão mortos". Ela rasgou um grande número de desafiantes. Embora Atalanta não perdesse para ninguém na corrida aos pés, ela caiu nos planos covardes de um homem que pediu emprestada a ajuda de uma deusa e acabou se casando sem força. Ela perdeu quando foi levada a pegar maçãs douradas irresistíveis jogadas na frente dela, e ela teve que quebrar seu voto. Posteriormente, foi dito que ela foi transformada em leão como punição, mas isso é incerto.
Em relação a Meleager, é incerto que tipo de sentimentos Atalanta abraçou por ele. No entanto, ela parecia ter visto o resultado de um homem que a amava ser arrastado para uma tragédia, enquanto, com relação à persuasão de seu pai em se casar, ela tentava escapar da demanda irracional que lhe era imposta, mas ela também não conseguia. No final, nenhum desses contos teve um final particularmente feliz para ela, e sua desconfiança em relação aos homens se tornou extremamente forte devido ao terceiro conto em particular também.
No que diz respeito a ela, Atalanta é uma existência que projetou seu eu anterior enquanto, simultaneamente, ela existe como um símbolo de pureza para as crianças. Embora ela tenha sido salva pelas mãos dos deuses, é quase além da redenção para o resto das crianças. Ela, que se materializou como serva, confia a salvação dos filhos ao Santo Graal. Todas as crianças do mundo todo. Essa missão não tem recompensa e, mesmo assim, mesmo sabendo que é um desafio difícil e quase impossível de realizar, ela perseguirá esse sonho por toda a eternidade.
Fate/Extra
Atalanta é brevemente mencionado em Fate/Extra como um Servo de passagem de um Mestre sem nome de Saber em uma conversa em Sala Privada. Ela elogia Atalanta como uma bela caçadora e um dos exemplos de um belo espírito heróico, ao contrário dos "feios", como piratas e ladrões. A menção não tem relação com o design dos apócrifos, e ela não faz uma aparição real.
A adaptação para mangá de Fate/Extra combina os dois aspectos, apresentando uma breve participação especial no design apócrifo de Atalanta. Saber e Atalanta lutam brevemente contra Lancer, onde Saber salva Atalanta do ataque de Lancer. Por fim, ela e seu Mestre perecem na Guerra do Santo Graal das Células da Lua.
Fate/Grand Order
Orleans: O Dragão Maligno Guerra dos Cem Anos
Atalanta, junto com outros Servos, é convocada por Jeanne Alter como Arqueira-Berserk.Para participar de sua destruição da França. Ela é encontrada por Ritsuka Fujimaru, Mash Kyrielight e seus aliados quando eles vão assaltar o palácio de Orleans. Depois de ser derrotada por eles, Atalanta aceita sua derrota, dizendo que a tarefa que lhe foi dada foi problemática e sem recompensa. Ela então diz ao grupo para derrubar Jeanne Alter. Ela tenta dizer algo sobre a próxima vez, mas desaparece antes que ela pudesse.
Okeanos: Os Quatro Mares Selados do Fim
Atalanta é um aliado da singularidade de Okeanos. Ela foi convocada junto com os outros argonautas: Jason, Heracles e Medea. No entanto, quando Jason quis procurar a Arca e sacrificar um deus, ela deixou o grupo. Ela finalmente encontra David e diz a ele o que Jason planeja fazer com a Arca. Depois de informá-lo disso, ela decide esperar com David até que os aliados cheguem à época.
Eles finalmente ouvem sobre Ritsuka e seus aliados procurando a Arca antes de Jason chegar a ela. Depois que Atalanta envia uma mensagem ao Golden Hind por flecha, David aguarda ansiosamente a chegada do navio, mas ela diz para ele se acalmar. Ela consegue desviar todos os flertes de David até Ritsuka e seus aliados chegarem. Ela vai conhecer o grupo onde se lembra de Ritsuka e Mash de Orleans, mas desta vez agradece por ser ela mesma. Após o choque de descobrir que Artemis é um romântico sem esperança, Atalanta leva o grupo pela ilha a conhecer David. Ela então fala de suas circunstâncias ao convocar e se aliar a David, explicando que nunca havia gostado de Jason na vida.
Mais tarde, Atalanta ajuda o grupo em seu plano de destruir Heracles, atraindo-o e fazendo-o tocar na Arca. Depois, ela e David se juntam ao grupo no Hind Dourado enquanto perseguem Jason. Depois que Caldéia recupera o Santo Graal de Medéia, Atalanta diz a Ritsuka e Mash que ela está feliz em ajudar neste momento antes de desaparecer com o colapso da Singularidade, embora ela se perguntasse como continuaria a oferecer sua oração a Artemis, agora que sua personalidade foi revelado.
Salomon: O Grande Templo do Tempo
Atalanta está entre os Servidores da Singularidade "Okeanos" para ajudar a Caldéia contra os Pilares dos Deuses Demônios. David flerta com Atalanta e a chama de Abishag.
Corrida de Verão Dead Heat! ~ Ishtar Taça de esperanças e sonhos
Atalanta é o líder de um grupo de bandidos que residem nos terrenos baldios. Ela se revela aos pilotos depois que eles derrotam alguns dos bandidos, referindo-se a eles como seus filhos. Ela explica que os pais são muito mais do que apenas genética e diferença de idade em resposta à confusão do grupo. Chamando o terreno baldio às planícies de Atalanta, ela diz aos corredores que suas estradas levam a onde ela e seus "filhos" plantaram maçãs-semente. Ela diz que eles são essenciais para o futuro de seus "filhos", então ela não pode permitir que eles sejam destruídos na corrida. Ela ignora a explicação de Helena Blavatsky de que as maçãs não podem crescer em um clima árido como o deserto. Ela então permite que os pilotos voltem ou encontrem outro caminho, caso contrário ela os matará. Eles a ignoram e continuam correndo, mas acionam as minas terrestres que ela plantou para proteger as maçãs das sementes. Atalanta declara que fará qualquer coisa, por mais desprezível que seja, para proteger seus "filhos". Ela então revela que comprou as minas terrestres de um demônio passageiro, garantido que elas trabalhariam nos servos. Quando Nitocris diz que as maçãs foram destruídas, considerando o tamanho das explosões das minas terrestres, Atalanta culpa os corredores pelo que aconteceu. Nitocris e Scheherazade tentam correr à frente, mas Atalanta os alcança facilmente a pé. Depois de ser derrotada por eles, ela diz que a fez para desempenhar seu papel. Ela admite que era um pouco demais esperar que eles acreditassem que uma gangue de bandidos eram seus filhos antes de desaparecer.
Fate/Apocrypha: Herança da Glória
Após a conclusão da Grande Guerra do Santo Graal, Darnic, ainda fundido com Vlad, permaneceu no Grande Graal. Ainda desejando adquirir o Graal, ele manifestou réplicas irracionais dos Servos participantes da guerra (exceto os Governantes) para lutar incessantemente em uma recriação da guerra dentro de uma recriação de Trifas. Eventualmente, Atalanta, Spartacus e Frankenstein atacam a Fortaleza Yggdmillenia, onde a festa de Ritsuka se baseia à noite. Eles derrotaram pelo grupo e desaparecem com a luz da manhã.
Devido à influência de Sieg, Atalanta, Spartacus e Frankenstein se manifestam na manhã seguinte. Aquiles pergunta a Atalanta se ela é a mesma que seu pai, Peleu, sempre falou. Ela percebe que ele é filho de Peleu, e lembra Peleu como o homem que ela jogou durante uma marcha de luta livre. Quíron entra na sala e pede ajuda para fazer armadilhas. Ele presume que ela seria mais adequada quando se trata de florestas. Atalanta aceita, mas ela se pergunta que dever, já que todos estão dentro do Graal. Quíron responde que é para proteger o Graal e diz que eles eram inimigos na realidade. Atalanta acha normal que os inimigos se tornem aliados; Aquiles diz que eles eram aliados como Servos de Vermelho. Ela está feliz por tê-lo como aliado, mas ressalta que o inimigo é instilado com a Divindade para negar sua imortalidade. Ela acha desagradável a perspectiva de potencialmente lutar contra si mesma mais tarde. Assim, ela pede a Aquiles para não arrastar "seu" corpo. Aquiles responde que ele não faria isso a menos que fosse um Berseker, ao qual Atalanta responde que ela estava brincando. Apesar de não ter nenhuma lembrança da Grande Guerra do Santo Graal, ela sente que ela e Aquiles tiveram muitas conversas. Aquiles responde que ele sempre quis conhecê-la desde que seu pai falou com carinho dela; Atalanta pede que ele pare de vergonha. Mais tarde, ela lança a catástrofe de Phoebus nas réplicas de Astolfo, Siegfried e Mordred atacando a fortaleza. A réplica Astolfo é capaz de evitá-la, no entanto, graças à capacidade de mudança de dimensão de Hippogriff. Então Atalanta decide que ela e Quíron continuarão atirando até que ele se materialize.
No dia seguinte, o grupo se une aos Astolfo, Siegfried e Mordred re-materializados. Durante uma reunião no jardim, é determinado que os Jardins Suspensos da Babilônia servem como base inimiga. Atalanta se pergunta se eles podem atacar os Jardins durante o dia em que Quíron diz que será defendido por doze Servos. Avicebron, no entanto, revela o golem que ele enviou para inspecioná-lo, conforme o pedido de Quíron, foi transportado para o exterior quando a noite chegou. Como não há alternativas, o grupo concorda com um ataque frontal. Enquanto os outros escolhem seus papéis para proteger Ritsuka e Sieg a caminho dos Jardins, Atalanta diz que ela apenas flecha quando perceber que Sieg sabe alguma coisa. Sieg lembra que ela usou um Noble Phantasm para voar durante a Grande Guerra do Santo Graal. Atalanta percebe que está falando sobre Agrius Metamorfose e lembra que é capaz de voar. Ela está convencida de que usou durante a Grande Guerra do Santo Graal e se pergunta se ela estava em uma situação tão desesperada para usá-lo. Ela decide usá-lo, mesmo que não seja para vôos prolongados. Ela diz a Spartacus que ele não pode se tornar um pássaro em uma única noite, quando diz que fará exatamente isso para chegar aos Jardins, dizendo que é ofensivo para os pássaros. Ela então sugere que ele use uma corda para subir ao jardim, o que ele aceita.
No dia seguinte ao ataque, o grupo come sanduíches de morango no jardim. Atalanta os acha doces e acredita que as crianças vão gostar. Ela irritantemente responde a Jack que o sangue e os morangos têm um gosto drasticamente diferente quando ela pergunta sobre isso. Quando Aquiles começa a exagerar as habilidades de Quíron, Atalanta pergunta se ele pode atirar a maçã em um magistrado do mal. Mais tarde naquela noite, o grupo começou a voar em direção aos Jardins. Atalanta encontra sua roupa enquanto Agrius Metamorphosis está ativo para ser um pouco arriscado, preferindo sua roupa regular. Ela decide lidar com isso de qualquer maneira, uma vez que lhe permite voar. Quando Quíron diz ao grupo para acreditar em sua própria sorte ao iniciar seu ataque, Atalanta interpreta mal quando ele diz a ela para desistir, já que sua sorte é muito baixa. O grupo finalmente descobriu a réplica dos Servos que os barravam e entrava nos Jardins. Eles derrotam Semiramis e Karna e os recrutam quando acordam na manhã seguinte. Eles são guiados por Semiramis para onde o inimigo reside, a câmara do Graal.
Na câmara do Graal, o grupo encontra Darnic, o cérebro por trás da Guerra do Grande Graal recriada. Sieg explica como Darnic se fundiu com seu Servo, a forma vampírica de Vlad através de um Feitiço de Comando, numa tentativa desesperada de retomar o Graal. Tornando-se um monstro além do de um vampiro, Darnic chegou perto de retomar o Graal até Shirou o destruir. Deveria ter terminado ali, já que um Servo deveria voltar para pura mana e retornar ao Grande Graal quando morressem. No entanto, isso nunca aconteceu porque Darnic era humano, e também porque Darnic prolongava a vida fundindo sua alma com a de uma criança. Como resultado desses fatores, Darnic não é um humano nem um Servo, ele é apenas um ser instintivamente buscando conceder seu desejo de adquirir o Graal. Sieg tenta convencê-lo a se render, dizendo que um Graal quebrado não pode alcançar a Raiz nem ativar a Terceira Magia. Darnic recusa e lembra ao grupo que ele já controla 87% do Graal. Ele declara que, enquanto ele possuir o Graal, nenhum grupo desaparecerá, mas eles desaparecerão quando ele se for. Ele então propõe usar o Graal para encarná-los, se eles concordarem em se juntar a ele. No entanto, todos eles recusam sua proposta por causa de seus próprios princípios como heróis. Atalanta diz a ele para obter sua própria vitória se não estiver satisfeito. Esperando que essa seja sua resposta, Darnic se conecta a uma réplica do Graal que emerge do Graal para o choque de Sieg. Ele então luta contra o grupo, fazendo com que a réplica do Graal gere continuamente réplicas de Servos. O grupo luta no começo, já que a réplica do Graal está usando suas afinidades de classe contra eles, então eles decidem fazer o mesmo. Atalanta questiona Mordred sobre a necessidade de orientação de Frankenstein, um Berserker. Mordred a chama de exibicionista em resposta, cujo choque faz com que Atalanta retorne ao seu eu original. Depois que a réplica do Graal é destruída, Darnic se recusa a desistir quando é atingido por Kazikli Bey do supostamente selado Vlad. Ao contrário dos outros, ele mantém suas memórias da Grande Guerra do Graal devido a Darnic se fundir com ele durante ela. Ele finalmente convence Darnic a aceitar que seu sonho quebrado nunca pode ser recuperado. Depois que Darnic e Vlad desapareceram, o grupo é teleportado de volta ao chão por Semiramis. Atalanta despediu-se dos outros, esperando vê-los novamente e desapareceu.
Interlude
Em seu primeiro interlúdio, Sorriso da Deusa, Atalanta viaja com Ritsuka e Mash para a ilha que eles conheceram durante a Singularidade de Okeanos para recuperar algo que ela deixou para trás. Lá, ela diz ao par que deixou uma estátua de Ártemis que ela fez à mão. Ela começa a liderá-los em direção a uma caverna do outro lado da floresta quando sente uma quimera. Depois de morto, o grupo entra na caverna. Atalanta diz a Ritsuka que um desejo egoísta do Graal não é exatamente o errado. Ela admite que também tem um desejo simples que sabe que nunca pode ser atendido, mas mesmo assim o persegue. Depois de matar mais monstesr, o grupo alcançou a estátua de Artemis. Atalanta expressa seu desdém geral por Orion quando Ritsuka sugere que ela faça uma estátua dele. Ela então pergunta a Mash se ela prefere se casar com Orion ou Jason, mas Mash não é capaz de responder como ela mesma. Artemis e Orion então chegam, e ela ataca o grupo pelo que Atalanta disse sobre Orion. Ela alerta Atlanta que não será mais abençoada por ela se vencer. Depois que ela é derrotada, Artemis e Orion vão embora. Atalanta então sugere que eles retornem à Caldéia com carne de Quimera ou pele de javali, mas Ritsuka silenciosamente rejeita os dois.
Em seu segundo interlúdio, London Child, Atalanta viaja para Londres com Ritsuka e Mash. Ela explica que ouviu Jack, o Estripador, manifestado lá. O grupo é então confrontado por Servos Sombrios. Depois de derrotá-los, eles finalmente encontram Jack. Atalanta diz a ela que nunca encontrará sua mãe, pois, mesmo que existisse, nunca a aceitaria como filha. Depois de derrotar Jack, ela confessa que queria salvá-la, apesar de estar sem dinheiro. Jack então desaparece e ela já foi salva. Atalanta adverte que Jack continuará se manifestando até que a história humana seja restaurada. Ela então afirma que seu desejo é salvar todas as crianças infelizes do mundo. Ritsuka acha que é um desejo difícil, ao qual Atalanta lhes agradece por não rirem dele. Ela percebe que é quase impossível, mas ainda quer persegui-lo.

Fate/strange Fake

Atalanta aparece brevemente quando Bazdilot Cordelion sonha com seu Servo, o passado do Arqueiro Verdadeiro. No sonho, quando o Argo navega pelo mar, Jason fala sobre seus objetivos para seu novo reino em Heracles, afirmando que ele se tornará o maior rei, que criará a melhor e mais justa nação, onde até alguém como Heracles pode viver sem se preocupar. . No fundo, as reações dos outros membros da equipe ao discurso de Jason foram variadas. Atalanta, descrita como uma arqueira com um ar bestial, olhou para Jason com suspeita. Quando Bazdilot conta seu sonho para True Archer, True Archer confirma que a mulher era Atalanta e que desdenhava Jason.
submitted by YatoToshiro to Fate_GensokyoBR [link] [comments]


2020.05.16 18:06 epilef_backwards Sobre memórias (ou como Steins;Gate fez algo único na história dos animes).

Sobre memórias (ou como Steins;Gate fez algo único na história dos animes).
Ninguém sabe o que o futuro reserva. É por isso que as possibilidades são infinitas.
É clicando com o botão direito e, imediatamente após, selecionando a opção de loop na OST "Christina I", belíssima instrumental composta pelo gênio do piano Abo Takeshi, que, em meio às lágrimas que rapidamente me vêm aos olhos ao relembrar do episódio 22, inicio a escrita da análise desse show. Devo avisar, de antemão, que Steins;Gate, animação que adapta a visual novel de mesmo nome, dirigido por Takuya Satō , não é um anime para qualquer um. Como bem dito por Thalius, ser para todos não significa ser para qualquer um. Essa citação, em particular, uma das minhas preferidas, cabe à animação não porque ela trata de assuntos supostamente incrivelmente complexos como o tempo, mas, sim, porque ela apresenta diversas camadas e níveis de entretenimento. É, sim, possível se entreter apenas com a camada mais superficial, aquela que apresenta uma história sci-fi sobre viagem no tempo, no entanto, o aproveitamento da mensagem real do anime só é despertado quando você adentra às profundezas de Steins;Gate. Para iniciar, é bem verdade que a presença de temas profundos e, mesmo, desconhecidos pela ciência atual pode parecer um tanto quanto amedrontador e até desencorajador, principalmente para aqueles que não estão acostumados com termos científicos ou não se interessam tanto pelas ciências "exatas". Felizmente, temos o primeiro acerto de Steins;Gate nesse ponto, e o início das características que o diferem de qualquer outro anime existente, pois o anime se prende apenas na intensidade necessária aos conceitos e explanações que supostamente deveriam ser complexas. Isso é inteligente por parte dos roteiristas, pois são apresentados, sim, momentos explanatórios sobre uma máquina que eles irão construir, sobre os conceitos utilizados nessa máquina ou, mesmo, sobre o funcionamento de certos princípios essenciais para o nosso entendimento;contudo, o anime nunca faz isso parecer monótono ou mais complicado do que é. Muito pelo contrário: Steins;Gate faz um trabalho excepcional em explicar os conceitos necessários à trama de maneira simples e compacta, sem necessidade de longos diálogos e/ou complicações extraordinários só para "cultizar" os personagens que realizam a explicação (sim, Sword Art Online: Alicization, eu estou olhando para você neste exato momento; para você e, principalmente, para a explicação longínqua, monótona e confusa sobre o funcionamento do mundo de realidade virtual apresentado na temporada). Desse modo, Steins;Gate consegue estabelecer rapidamente os conceitos principais que regem o show sem fazer parece-los bichos de sete cabeças, o que poderia, e, provavelmente, iria, afastar muitos indivíduos.
Outra qualidade louvável, ainda no mesmo plano da última, é a capacidade da animação em flutuar em um tema complexo como viagem no tempo e não apresentar furos no roteiro que embaralham a trama, fazendo que ela fique confusa e desconexa. Ao meus eu jamais tinha encontrado uma animação sobre viagens no tempo que não apresentasse sequer um furo de roteiro quando se trata de diversas linhas temporais. E exemplos contrários não faltam, incluindo o mundo fora das animações japoneses (a série The Flash, por exemplo, apresenta um roteiro fraco e repetitivo, no entanto, o que faz da experiência muito desagradável são os constantes furos criados pelo excesso de personagens indo e vindo em linhas do tempo que aparentemente são infinitas, porém, insuficientes para o roteiro, o qual usa e abusa em todos os níveis desse artifício do gênero). Isso é muito importante na consistência e no envolvimento com a obra, pois, assim que sabemos que o roteiro utiliza a viagem no tempo mais como artifício barato para resolver qualquer problema que apareça para ele, nosso senso de importância e de gravidade é drasticamente reduzido, uma vez que sabemos que, assim que o roteiro precisar, é só aparecer um personagem onisciente do futuro que irá resolver os problemas. Uma outra possibilidade de furo de roteiro causada pelo fator viagem no tempo é essa aparente onipresença de personagens que a utilizam. Em fato, talvez esse seja o maior problema nas histórias de viagem no tempo: personagens aparecem do nada e, bem como apareceram, começam a contar absolutamente tudo que irá acontecer, o que incluí detalhes impossíveis de serem lembrados. Tás posto um exemplo de ilustração: personagem A volta à linha do tempo que irá acontecer X evento de maneira a impedir aquele evento (lembrem-se, portanto, que é a primeira vez dela ali, o que significa que ela apenas tem noção de um PANORAMA sobre o futuro) e, de modo a confirmar que veio do futuro, diz que um copo de vidro irá ser derrubado e quebrado em exatos 5 segundos. Após os 5 segundos, bem como previsto por A, o copo é derrubado e, consequentemente, quebra ao tocar o chão. A pergunta mais simples e impossível de ser respondida é: como ela sabia do copo? Por acaso vir do futuro entrega à personagem conhecimento absoluto do que aconteceu antes? Sem contar que, em muitos casos, A sequer EXISTIA no momento que essa cena acontece, o que torna IMPOSSÍVEL o conhecimento do evento em questão. Esse truque é constantemente utilizado na parte da "solução do futuro distópico" e, por si só, não apresenta grande problema, o problema se instaura quando esse artifício compõe 90% das formas como a trama se resolve, pois fica clara a inabilidade do roteirista em utilizar sua criatividade e capacidade de escrever uma história no que tange à solução de problemáticas. Em suma, o problema não é haver um viajante do tempo que dá uma pista sobre ou soluciona certa problemática, o problema é só haver um viajante do tempo que dá uma pista sobre ou soluciona certa problemática. Quanto a isso, Steins;Gate dá uma aula de como resolver essa "intrincada do viajante do tempo", utilizando-se de uma série de artifícios narrativos para desviar o excessivo uso do já citado viajante. Em primeiro lugar, existem apenas dois personagens que possuem um conhecimento "sobrenatural": o protagonista, Okabe, e John Titor, aqui na pele de Suzuha, uma das personagens secundárias do show. Isso implica diretamente em dois fatores que devem ser de extrema atenção: existem menos personagens para furar o roteiro, uma vez que, quanto mais personagens transitam pelas linhas, mais fácil é do roteiro se perder em meio a tanta informação e o roteiro precisará de outras maneiras para resolver problemas, já que como se não fosse absurdo suficiente 20 personagens sabendo sobre linhas resolverem misticamente qualquer problema da trama, mais absurdo, ainda, é imaginar que apenas 2 o farão. Desse modo, Steins;Gate decide traçar um caminho que, embora seja mais complexo de ser realizado, pode entregar um resultado excepcional no final da obra. E felizmente é isso que acontece. Diferentemente das demais obras de viagem temporal, Steins;Gate apresenta um roteiro muito apurado e astuto, uma vez que ele se utiliza de personagens que já conhecemos como aqueles que irão, em um futuro, ter sapiência sobre tais viagens. Isso significa que os personagens que irão "dominar" o tempo já estão na trama, só precisamos dar tempo a eles para eles o dominarem. Em outras palavras: em teoria, temos somente dois personagens que sabem sobre viagens e máquinas do tempo e outras linhas temporais, no entanto, ao longo da própria história daquela linha do tempo, outros personagens também terão esses conhecimentos. Esse truque fica explícito na cena em que Daru reconstrói a máquina do tempo. Em um primeiro momento, poderíamos imaginar que ali se alocava um furo de roteiro, uma vez que, mesmo ele sendo colocado com um grande conhecedor de máquinas, programação e mecânica no geral, é surreal alguém construir um objeto que será criado anos a frente. Contudo, assim que imaginamos a pensar isso, recebemos a informação que o Daru será o construtor da máquina, o que significa que há parte do "DNA" dele nela, ou seja, a maneira de pensar dele, de montar máquinas própria do personagem, o que explica como ele conseguiu consertá-la. Outra "esperteza" do roteiro é criar um porto seguro, ou seja, aquele personagem que, independente da linha temporal, irá conseguir entender o que o viajante do tempo fala. Eu normalmente não gosto desse artifício, uma vez que ele é usado de maneira porca na maioria dos casos, pois, geralmente, não há nenhuma explicação lógica para aquela personagem em específica acreditar no viajante do tempo. No entanto, Steins;Gate não é a maioria dos casos. Aqui, temos a personagem Kurisu como sendo o porto seguro do personagem principal ao longo da sua caminha de construção e desconstrução da linha temporal. E tinha que ser ela, justamente porque ela é quem apresenta o conhecimento "bruto" sobre tais assuntos, ela é quem desenvolveu a máquina de saltos temporais. Ou seja, a escolha do roteiro foi exata e faz que não duvidemos da autenticidade do fato dela aceitar e entender o que o Okabe fala sempre que ele salta de uma linha para outra.
Saindo puramente dos aspecto envolvendo viagens e saltos temporais, o anime mostra novamente como possuir um roteiro sólido é uma das bases para a construção de uma obra-prima. Percebam como nada acontece em apenas um plano em Steins;Gate. Utilizando os dois exemplos citados no parágrafo acima, enquanto o roteiro anula a possibilidade de haver incongruências temporais ao trazer à tona que Daru foi o construtor da linha do tempo, ele cria um dos muitos plot twists da série; enquanto o roteiro utiliza Kurisu como o porto seguro do próprio roteiro para servir como alguém que aceita e ajuda o protagonista após o salto, ele insere os momentos mais profundos de desenvolvimento do casal e da sua relação, bem como aproxima ambos os personagens dos espectadores ao gerar um senso de humanidade e sentimentalidade nos dois. Sempre que pensamos que estamos encarando uma camada do show, seja um plot twist ou outro artifício do roteiro, temos, ao menos, mais uma outra camada acontecendo ao mesmo tempo. Desse modo, nada em Steins;Gate é único, gratuito, não existem cenas por conta própria, todas elas servem aos plots da animação mesmo que em camadas mais escondidas dos espectadores. Um exemplo claro são os D-mails: enquanto eles claramente servem como preparação para o plot da metade do anime, por trás deles temos a ideia de o quanto enviar uma simples mensagem pode alterar com a vida de milhares e, por que não, bilhares de pessoas. Um simples D-mail alterou por completo o bairro de Akihabara. Um simples D-mail alterou o sexo de uma das personagens, causou uma confusão gigantesca envolvendo outra personagem, o suicídio de outra. E o principal: a imprevisibilidade do tempo. Nem nós, nem os envolvidos nas mensagens e nem mesmo Okabe e Suzuha sabiam o que iria acontecer a princípio. Essas camadas são de extrema importância para um bom desenvolvimento a trama, uma vez que 24 episódios, mesmo parecendo uma quantidade considerável, é pouco tempo para uma história, ainda mais se tratando de animes (os quais os episódios tendem a durar entre 22 e 24 minutos com aproximadamente 19~20 minutos de animação propriamente dita, já que deve haver espaço para a opening e ending). Um dos truques de mestre do roteiro de Steins;Gate é apresentar várias coisas ao mesmo tempo: enquanto há um plot, temos desenvolvimento da trama, dos personagens, explanação sobre temas complexos de maneira surpreendentemente acessível (alô, Thiago!) e uma mensagem sendo passada por trás daquilo.
Ainda no roteiro, é chegada a hora de falar sobre o que, ao menos para mim, separa completamente Steins;Gate dos demais animes que eu assisti, sim, de todos, é chegada a hora de falar sobre os personagens. Ou melhor, sobre o desenvolvimento dos personagens. É muito raro, em animes, haver um real desenvolvimento de personagem, ou seja, um arco completo de desenvolvimento. O que acontece em animes que levam com mais seriedade o ato de escrever uma história, realidade que, infelizmente, não é a da maioria dos animes, é um "pseudodesenvolvimento", o que significa que, ao invés de ser apresentado um arco completo, é apresentado um meio arco ou um arco de "tamanho" correlato. Ou seja, nos é dado certo desenvolvimento do personagem, porém, tal desenvolvimento é limitado em demasia e, em alguns casos, é dotado de uma única utilidade na trama: não deixa o personagem, normalmente o principal, planificado, sem sentimentos, sem evolução. Isso porque tal evolução é o que humaniza o personagem, é o que nos faz sentir algo por ele, sentir suas dores e suas conquistas, pois criamos empatia por ele. E em Steins;Gate temos o que eu considero como sendo um dos melhores arcos de desenvolvimento de personagens do mundo dos animes. Antes de chegar nele, devo falar sobre os personagens em si.
A obra apresenta relativamente poucos personagens, estando esses relacionados de alguma forma com o laboratório, seja porque são um dos membros ou porque é quem aluga o laboratório para Okabe e seu grupo, o que possibilita a criação de uma identidade para cada um deles: os personagens de Steins;Gate, mesmo os secundários, são quase que exclusivos da obra. Mesmo muitos seguindo alguns estereótipos, eles sempre apresentam algo para nos lembrarmos de que eles são humanos e cada um apresenta sua própria personalidade. Isso, em si, já se caracteriza como uma característica importante no desenvolvimento de um anime de qualidade: é sempre bom termos bons personagens ao nosso lado durante a caminhada que nos será contada. Contudo, apenas bons personagens não fazem uma trama. É necessário haver o desenvolvimento deles, uma vez que é importante demonstrar que o que aconteceu na estória afetou eles de algum modo, afinal de contas, se não afetou meros personagens criados por outros humanos, quem dirá um humano. E, novamente, Steins;Gate acerta em cheio. Com momentos pequenos que demonstram o estado emocional dos personagens (falo de olhares, maneirismos criados ou deixados de lado, estado corporal, postura, etc) e de explanações necessárias sobre como personagens está se sentindo ou sobre como ele mudou após certo acontecimento, Steins;Gate desenvolve os seus personagens por meio de outros acontecimentos da trama(lembram do "sempre há mais de uma camada?" então...). Além de compactar a trama, os momentos de twists e plots são de extrema importância em um show porque é ali onde deve haver um impacto maior nas personagens e em nós espectadores, e Steins;Gate não deixa devendo em absolutamente nada quando falamos de plots e twists de uma estória. É inacreditável a capacidade do roteirista de subverter possíveis convenções do gênero em momentos tocantes, emotivos e importantes para a trama. É ao subverter as nossas expectativas após termos contato com tantas obras mal feitas sobre viagem no tempo que o roteiro encontra o elo entre as diversas partes da trama da animação; em outras palavras, é quando achamos que sabemos o que está acontecendo que o roteiro nos pega desprevenidos, é quando achamos que a situação não pode ficar pior que ela, de alguma maneira, consegue realizar esse feito. Inclusive, Steins;Gate apresenta algo único, ao menos eu nunca assisti uma obra com tal característica, ao realizar um dos maiores plots da série com algo que já tínhamos conhecimento. É o já conhecido, e muito bem utilizado nas melhores obras de todos os tempos do cinema, "nossa, como eu pude não perceber isso". Estou falando do momento em que o Okabe percebe que, ao decidir voltar à linha beta, ele também fez uma outra decisão: sacrificar Makise Kurisu. Um dos raros momentos nos animes que me dão arrepios ao lembrar dele. Mesmo já sendo algo que você sabe, afinal de contas ela morre naquela linha temporal no primeiro episódio, o anime faz questão de nunca mais tocar no assunto, de esconder tal fato, a fim de, no momento em que imaginamos estar tudo certo, nos pegar com os rabos entre as pernas. Absolutamente genial. São poucos os pontos que eu sequer cheguei a cogitar um erro quando se trata do roteiro de Steins;Gate.
E não bastando os inacreditáveis plots da série, temos um arco de desenvolvimento duplo que ocorre concomitantemente à evolução da trama e à preparação de outros plots (novamente, nunca é apenas uma camada): o arco do Okabe. Eu poderia resumir ele a algo como "assista por conta própria e experimente o que é a evolução real de um personagem", porém, estaria sendo injusto comigo mesmo, porque o fator que mais me motivou a escrever essa crítica foi esse arco. No início do anime nos é apresentado um estranho e peculiar cientistita japonês nomeado de Okabe Rintarou, o qual possuí um também estranho e peculiar laboratório composto por outos dois membros: Daru, conhecido como "super hackar", e Mayuri, uma gentil e inocente amiga de infânce de Okabe. No laboratório, eles testam equipamentos supostamente tecnologicamente avançados. Embora seja um local mais parecido com um mini-apartamento que foi utilizado por 20 anos como oficina e não com um laboratório, Daru e Okabe são extremamente inteligentes e realmente projetam e criam alguns objetos interessantes (enquanto Mayuri fica ao fundo compensando a aura nerd em demasia dos dois). Ao ser apresentado, Okabe apresenta diversos maneirismos e atitudes únicas do personagem, fatores que já estabelecem uma relação direta com o personagem: tudo aquilo que é novo é intrigante, e, se é intrigante o suficiente, por que não tentar entendê-lo? É apartir dessa ideia de peculiaridade do personagem que nos gradualmente, ao decorrer dos primeiros 11 episódios, aprendemos a gostar do personagem, a reconhecer tais pecualirades não apenas como esquizitices do personagem, mas sim como traços que componhem a sua personalidade animada, radiante e até despojada, mesmo ficando claro que ele não é o melhor cara do mundo quando se trata de relações interpessoais. No entanto, nunca é passada aquela ideia de pessoa isolada, que nega os demais em prol de uma ideia maluca da sua cabeça (a qual é muito presenta em cientistas malucos; geralmente, o personagem é um completo babaca), o que nos conecta de vez com o personagem. No entanto, tudo muda quando os efeitos dos D-mails começam a aparecer, tudo muda quando ele precisa a largar o seu estilo despreocupado com o mundo e começar a tomar decisões que vão alterar a sua vida e a vida de todos aqueles que ele ama. Inclusive as duas que ele mais ama. Mayuri e Kurisu são personagens chaves na história à medida que são elas, ou fatos que acontecem com elas, que guiam as tomadas de decisão de Okabe: ora a morte da Mayuri faz que Okabe decida ir de volta à linha Beta, ora Kurisu o faz entender de outra maneira a situação e o ajuda a superar os desafios dessa árdua caminhada. É ao longo dela, portanto, que temos o desenvolvimento desses dois como um casal e como figuras isoladas com um aumento considerado do "screen time" de ambos juntos, o que demonstra a inteção do roteiro em enfatizar eles como um casal. Mas lembram-se do que eu disse antes? Nunca é apenas uma camada. Não somente temos a intenção do casal pelo simples fato de ambos parecerem, e, quem sabe, serem feitos um para o outro, mas sim porque é desse desenvolvimento que o anime prepara o choque que tanto Okabe como nós iremos sentir: o da decisão entre quem irá viver e quem irá morrer. Vejam como aquelas ideias colocadas anteriormente sobre o porto seguro se conectam diretamente ao que acabara de ser exposta: é Kurisu quem serve de porto seguro, para a trama e para Okabe. É ela quem o ajuda nos momentos mais desesperadores, quem sorri para ele quando o mesmo só consegue ver uma linha que leva a um final desastroso. É, portanto, do desenvolvimento de um simples casal que o roteiro retira um rico arco de um dos personagens. Aliás, cito o romance dele com a Kurisu como o principal pois de fato ele o é, porém, cada personagem em específico da obra serve de desenvolvimento para o Okabe e cada linha temporal que ele volta ou avança apresenta uma direta alteração nele. Percebam como o anime dedicou um episódio inteiro apenas para ele e Ruka poderem ter seus conflitos e suas sub-tramas resolvidas. Nada é deixado para trás em Steins;Gate, bem como nada é de graça. Percebam como outro episódio é dedicado à explanação sobre a realidade da Moeka e sobre como ela foi induzida a realizar o ato que desencadeou toda a jornada de Okabe. As pontas das linhas da animação sempre se encontram devidamente amarradas.
No entanto, para completar o arco do personagem e separar, de uma vez por todas, Steins;Gate dos demais animes, temos a mensagem principal do anime. Percebam que eu sequer toquei nela ao longo da escrita, e isso se dá justamente porque o anime contém diversas mensagens, cada uma em sua devida camada de entretenimento. No entanto, foi após terminar o episódio 24, sentar e pensar um tanto sobre a obra que eu consegui enxergar o que o autor realmente quis passar para quem assiste a animação: muito mais do que uma obra sobre o tempo, sobre pulos, viagens e temáticas temporais, sobre um casal destinado a ficar junto, sobre como os humanos não devem brincar com o tempo achando que não haverão consequências futuras, Steins;Gate é sobre memórias. Não somente memórias, mas como essas memórias podem afetar uma pessoa. Como essas memórias moldam que nós, humanos, somos, como essas memórias são uma dádiva e uma maldição: esquecer elas pode ser doloroso, porém viver com elas pode ser tão doloroso quanto. Todos esses pontos convergem no que, para mim, foi o melhor momento do show: o episódio 22. Foi um dos únicos três momentos dentre os que eu já experimentei assistindo animes em que o pranto foi inevitável. Porque não somente é o ápice perfeito para um casal perfeito, não somente é um momento que todos pensávamos até então, não somente é um turbilhão de emoções: é sobre como esses momentos mágicos e líricos podem ser, em fato, um laço à realidade que vivemos que terá de ser partido de maneira dolorosa e melancólica. A dor de conhecer uma pessoa melhor do que ela mesma e ela sequer saber direito quem você é. A dor de ter que guardar as memórias vividas. A dor de ter que lidar com memórias que, como o nome sugere, são, agora, apenas memórias. Como bem dito por Kurisu, a Teoria da Relatividade é muito romântica. Mas muito triste.
Nada do que foi colocado seria tão efetivo se não tivéssemos uma brilhante trilha sonora de fundo. Em específico, devo citar a música que coloquei no início do texto. Essa é a OST que aparece no episódio 22, e justamente por ser o episódio mais emotivo e doloroso da série, essa OST carrega consigo um peso, uma clara dor, uma clara sensação de algo que ficou no passado. Ou melhor, em outra linha temporal. Algo que você amou e se agarrou com todas as forças, porém o destino inevitavelmente fez você perdê-lo. No geral, Steins;Gate tem muitas das melhores OSTs das animações, sempre cumprindo com o papel de reforçar o mood da situação.
Em suma, Steins;Gate é uma animação única pois consegue fazer muito bem tudo aquilo que se propõe a fazer: apresenta personagens incríveis e únicos, plots e twists de levar você do céu a terra em questão de segundos (os quais vão completamente te hipnotizar e forçá-lo a terminar o show sem pausas), arcos emocionais, principalmente o de Okabe, ímpares e cumpre a difícil missão de apelar o mínimo possível às convenções de obras do tipo. Se pudesse resumir o anime em uma palavra seria a palavra "único", pois diversas das características citadas não se encontram em outros animes ou, caso se encontrem, são minimizadas pela pressa do roteiro em querer demonstrar logo os plots da série. Não posso deixar de falar, antes de terminar o texto, sobre o passo do anime. Mesmo muitos criticando a primeira metade, ela, para mim, é o exemplo perfeito de como uma história deve ser feita. Sem pressa, demonstrando os personagens e dando a eles peso, importância, expressão, unicidade e humanidade. Steins;Gate é uma obra-prima do início ao fim e mesmo que possa apresentar algumas peças que, por se tratar de uma animação relativamente curta (lembremos que outras animações que fizeram algo parecido com Steins;Gate tiveram 40~50 para tal), podem faltar, as peças que se encontram montando o quebra-cabeça compensam completamente as que podem faltar. É como olhar uma Pixel Art a distância: um ou outro bloquinho faltando não retira a primazia do todo.
Minha nota perfeita é muito mais sobre como o anime me impactou do que seu número de acertos e erros, e é por isso que Steins;Gate segue sendo uma das quatro notas 10 na minha lista e meu terceiro anime preferido. Estonteante, imprevisível e apaixonante, certamente é um anime que te fará pensar sobre conceitos complexos, como viagens e saltos temporais, e, ao mesmo tempo, conceitos completamente humanos, como perda, memórias e escolhas.
Se tivesse acesso a uma máquina do tempo, buscaria alguma linha temporal em que o meu eu não se apaixonou completamente por Steins;Gate, porém, devo concordar com Okabe sobre como tudo parece convergir para um inevitável fim.
Escrita ao longo dos dias 14, 15 e 16 de maio de 2020, 16 anos antes da Terceira Grande Guerra.
Um dos poucos momentos na história da animação em que a perfeição foi alcançada. O final do episódio 24, junto com o episódio 22, são os melhores momentos que eu tive ao assistir uma animação japonesa ao longo das centenas assistidas.
submitted by epilef_backwards to u/epilef_backwards [link] [comments]


2020.04.24 18:19 HairlessButtcrack Cronologia do Covid-19

Boas malta fiz uma cronologia dos eventos nos estados unidos para entender como é que eles estiveram e quis comparar com a nossa. Decidi postar depois de ver este e este posts.
As conclusões não são boas, os media (americanos) dizem mal da inação do Trump mas nós tivemos uma sorte do Carvalho. Se em movimento de pessoas fossemos iguais a outros países os números eram muito piores, que se formos a olhar bem proporcionalmente em casos estamos ao nível dos estados unidos (mas com metade das mortes). A nossa primeira ação foi a meio de março.
(A minha cronologia certamente que não está completa e estou aberto a adicionar ou retirar coisas dadas fontes, Grande parte veio da Lusa/CM/JN outras coisas vieram da cronologia que fiz dos EUA)
Cronologia:
31 de dezembro de 2019 Organização Mundial de Saúde (OMS) revela haver mais de duas dezenas de casos de pneumonia de origem desconhecida detetados na cidade chinesa de Wuhan, província de Hubei.
1 de janeiro de 2020 É encerrado o mercado de peixe e carne de Wuhan que se pensa estar na origem da contaminação, dado que os doentes tinham todos ligação ao local.
4 de janeiro São 44 os casos de doentes com uma pneumonia de origem desconhecida reportados pelas autoridades chinesas.
5 de janeiro A OMS relatou uma "pneumonia de causa desconhecida" em Wuhan, China. A OMS desaconselhou restrições de viagem ou comércio na época.
8 de janeiro O CDC (EUA) emitiu o primeiro alerta público sobre o coronavírus.
9 de janeiro A OMS emitiu uma declaração nomeando a doença como um novo coronavírus em Wuhan. A China publicou os dados genéticos do novo coronavírus.
10 de janeiro É registado o primeiro morto, um homem de 61 anos, frequentador do mercado de Wuhan. Oficialmente há 41 pessoas infetadas na China. As autoridades chinesas identificam o agente causador das pneumonias como um tipo novo de coronavírus, que foi isolado em sete doentes.
13 de janeiro Primeiro caso confirmado fora da China, na Tailândia.
14 de janeiro A OMS disse que não encontrou provas de transmissão de pessoa para pessoa. https://twitter.com/WHO/status/1217043229427761152 https://nypost.com/2020/03/20/who-haunted-by-old-tweet-saying-china-found-no-human-transmission-of-coronavirus/
O chefe da Comissão Nacional de Saúde da China, Ma Xiaowei, forneceu confidencialmente uma avaliação “sombria” da situação para as principais autoridades de saúde chinesas. O memorando relacionado afirmava que "a transmissão de humano para humano é possível". Uma investigação da AP News indicou que a denúncia de um caso na Tailândia levou à reunião, bem como o risco de se espalhar com o aumento das viagens durante o Ano Novo Chinês e várias considerações políticas. No entanto, o público chinês não é avisado até 20 de janeiro.
15 de janeiro Primeiro caso reportado no Japão do novo coronavírus, entretanto designado como 2019-nCoV. Primeira declaração das autoridades portuguesas sobre o novo coronavírus. A diretora-geral da Saúde estima, com base nas informações provenientes da China, que o surto estará contido e que uma eventual propagação em massa não é "uma hipótese no momento a ser equacionada".
20 de janeiro Autoridades confirmam que há transmissão entre seres humanos. (CM reporta isto mas não consigo confirmar em mais fonte nenhuma, a OMS só confirmou a 23 de Janeiro)
O secretário geral do Partido Comunista Chinês, Xi Jinping, e o primeiro-ministro do Conselho de Estado, Li Keqiang, emitem o primeiro aviso público sobre o coronavírus aos cidadãos chineses. Uma investigação da AP News alegou que, de 14 a 20 de janeiro, as autoridades chinesas tomaram medidas confidenciais para mobilizar sua resposta à pandemia, mas não alertaram o público. Alertar o público seis dias antes podia ter evitado "o colapso do sistema médico de Wuhan", segundo um epidemiologista.
21 de janeiro Primeiro caso nos Estados Unidos, num doente em Washington regressado de Wuhan.
22 de janeiro Macau confirma o primeiro caso da doença, numa altura em que há mais de 440 infetados. Começa o isolamento da cidade de Wuhan ao mundo. Autoridades de saúde chinesas cancelam voos e saída de comboios. Portugal anuncia que acionou os dispositivos de saúde pública e tem três hospitais em alerta: São João (Porto), Curry Cabral e Estefânia (ambos Lisboa).
23 de janeiro OMS reúne comité de emergência na Suíça para avaliar se o surto constitui uma emergência de saúde pública internacional. Decide não a decretar. Autoridades chinesas proíbem entradas e saídas numa segunda cidade, Huanggan, a 70 km de Wuhan. As duas cidades têm em conjunto mais de 18 milhões de habitantes. Alguns aeroportos no mundo, como no Dubai, nos Estados Unidos e nalguns países africanos, começam a tomar precauções para lidar com o fluxo de turistas chineses que tiram férias no Ano Novo Lunar, que coincide com o surto.
24 de janeiro Confirmados em França os primeiros dois casos na Europa, ambos importados.
25 de janeiro Pequim suspende as viagens organizadas na China e ao estrangeiro. Austrália anuncia primeiro caso. Hong Kong declara estado de emergência. Primeiro caso suspeito em Portugal, mas as análises revelam que é negativo.
27 de janeiro O Centro Europeu de Controlo das Doenças pede aos estados-membros da União Europeia que adotem "medidas rigorosas e oportunas" para controlo do novo coronavírus.
28 de janeiro Mecanismo Europeu de Proteção Civil é ativado, a pedido de França, para repatriamento dos franceses em Wuhan. Confirmados dois casos, um na Alemanha e outro no Japão, de doentes que não estiveram na China, tendo sido infetados nos seus países por pessoas provenientes de Wuhan.
29 de janeiro Pelo menos 17 portugueses pedem para sair da China, quase todos na região de Wuhan. Finlândia confirma primeiro caso. Rússia encerra fronteira terrestre com a China. Estudo genético confirma que o novo coronavírus terá sido transmitido aos humanos através de um animal selvagem, ainda desconhecido, que foi infetado por morcegos.
30 de janeiro OMS declara surto como caso de emergência de saúde pública internacional, mas opõe-se a restrições de viagens e trocas comerciais.
31 de janeiro Estados Unidos decidem proibir a entrada de estrangeiros que tenham estado na China nos últimos 14 dias e impor quarentena a viajantes de qualquer nacionalidade provenientes da província de Hubei. Ministério da Saúde de Portugal anuncia que vai disponibilizar instalações onde os portugueses provenientes de Wuhan possam ficar em isolamento voluntário.
1 de fevereiro Austrália proíbe entrada no país a não residentes vindos da China.
2 de fevereiro Os 18 portugueses e as duas brasileiras retirados da cidade de Wuhan chegam a Lisboa e ficam em isolamento voluntário por 14 dias. Filipinas anunciam o primeiro caso mortal no país. É a primeira morte fora da China.
3 de fevereiro OMS anuncia que está a trabalhar com a Google para travar informações falsas sobre o novo coronavírus. O chefe da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, declarou que não havia necessidade de medidas que "interferissem desnecessariamente com viagens e comércio internacionais" para parar o coronavírus. Elogiou a resposta chinesa e referiu que a propagação do vírus é "mínima e lenta".
11 de fevereiro OMS decide dar oficialmente o nome de Covid-19 à infeção provocada pelo novo coronavírus.
13 de fevereiro Autoridades chinesas mudam a forma de contabilizar e assumir casos de infeção. Passam a contar não apenas os casos com confirmação laboratorial, mas também os que têm confirmação clínica apoiada por exames radiológicos.
14 de fevereiro Segunda morte confirmada fora da China, no Japão.
15 de fevereiro Um turista chinês de 80 anos morre em França. É a primeira morte registada na Europa - o primeiro europeu a morrer no seu continente acontece a 26 de fevereiro.
16 de fevereiro Terceira morte confirmada fora da China, num turista chinês que visitava França.
19 de fevereiro Dois primeiros casos revelados no Irão. No mesmo dia é anunciado que os dois morreram devido ao Covid-19.
20 de fevereiro Autoridades chinesas voltam a alterar a metodologia da contagem de infetados, uma decisão que se reflete numa descida acentuada no número de novos casos. Coreia do Sul regista a primeira morte. Suíça adia uma cimeira internacional sobre saúde devido à epidemia, na qual estaria presente o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS) e ministros da Saúde.
21 de fevereiro Autoridades chinesas anunciam que surto está "sob controlo". Itália regista primeira vítima mortal, um italiano de 78 anos.
22 de fevereiro Irão fecha escolas, universidades e centros educativos em duas cidades. País confirma mais de 40 casos de infeção e oito mortes.
23 de fevereiro Autoridade japonesas confirmam que um português, Adriano Maranhão, canalizador no navio Diamond Princess, atracado no porto de Yokohama, deu teste positivo ao vírus da infeção Covid-19. Presidente da China, Xi Jiping, admite que o surto é a mais grave emergência de saúde no país desde a fundação do regime comunista, em 1949. Autoridades italianas ordenam suspensão dos festejos do Carnaval de Veneza. Fundo Monetário Internacional (FMI) considera que epidemia coloca em risco a recuperação económica mundial e manifesta disponibilidade para ajudar financeiramente os países mais pobres e vulneráveis.
24 de fevereiro Comissão Europeia anuncia mobilização de 230 milhões de euros para apoiar a luta global contra o Covid-19. Diretor-geral da OMS avisa que o mundo tem de se preparar para uma "eventual pandemia", considerando "muito preocupante" o "aumento repentino" de casos em Itália, Coreia do Sul e Irão.
25 de fevereiro O português infetado a bordo de um navio de cruzeiros atracado no Japão é enviado para um hospital de referência local. O especialista que liderou a equipa da OMS enviada à China afirma que o mundo "simplesmente não está pronto" para enfrentar a epidemia.
26 de fevereiro Primeiro caso de contágio na América do Sul. É no Brasil, um homem de 61 anos, de São Paulo, regressado do norte de Itália. Vários países confirmam igualmente os primeiros casos: Grécia, Finlândia, Macedónia do Norte, Geórgia e Paquistão. OMS revela que o número de novos casos diários confirmados no resto do mundo ultrapassou pela primeira vez os registados na China.
27 de fevereiro Arábia Saudita suspende temporariamente a entrada de peregrinos que visitam a mesquita do profeta Maomé e os lugares sagrados do Islão em Meca e Medina, bem como turistas de países afetados pelo coronavírus. Segundo português hospitalizado no Japão "por indícios relacionados" com o Covid-19, também tripulante do navio de cruzeiros Diamond Princess. A DGS divulga orientações às empresas, aconselhando-as a definir planos de contingência para casos suspeitos entre os trabalhadores que contemplem zonas de isolamento e regras específicas de higiene, e para portos e viajantes via marítima, que define que qualquer caso suspeito validado deve ser isolado e que apenas um elemento da tripulação deve contactar com o passageiro.
28 de fevereiro Primeiro caso confirmado na África subsariana, na Nigéria, depois de terem sido identificadas infeções no norte do continente, no Egito e na Argélia. Suíça proíbe pelo menos até 15 de março qualquer evento público ou privado que reúna mais de mil pessoas. Comissão Europeia solicita aos Estados-membros da UE que avaliem os impactos económicos do novo coronavírus. OMS aumenta para "muito elevado" o nível de ameaça do novo coronavírus. Responsáveis da Feira Internacional de Turismo de Berlim anunciam a suspensão do evento, considerado o maior do mundo, que se deveria realizar entre 4 e 8 de março. Governo português reforça em 20% o stock de medicamentos em todos os hospitais do país, além de estar a preparar um eventual reforço de recursos humanos.
29 de fevereiro Governo francês anuncia cancelamento de "todas as concentrações com mais de 5.000 pessoas" em espaços fechados e alguns eventos no exterior, como a meia-maratona de Paris. Primeira vítima mortal nos Estados Unidos da América.
1 de março Governo das Astúrias confirma primeiro caso de infeção pelo novo coronavírus na região espanhola, o escritor chileno Luis Sepúlveda, que esteve recentemente na Póvoa de Varzim, em Portugal. Macau com perdas históricas nas receitas do jogo em fevereiro, menos 87,8% em relação a igual período de 2019, num mês em que os casinos fecharam por 15 dias devido ao surto de Covid-19. Adriano Maranhão, primeiro português infetado no Japão, tem alta hospitalar.
2 de março Confirmados dois primeiros casos em Portugal Funcionários públicos em teletrabalho ou isolamento profilático sem perda de salário em Portugal, segundo um despacho do Governo. Governo português divulga um despacho a ordenar aos serviços públicos que elaborarem planos de contingência para o surto de Covid-19.
3 de março Primeira morte em Espanha. Itália confirma 79 mortes. Número de infetados em Portugal sobe para quatro. Mais de três mil mortos e de 91 mil infetados em todos os continentes, segundo dados da OMS. Os países mais afetados são China, Coreia do Sul, Irão e Itália. Hospitais São João e Santo António, no Porto, esgotaram capacidade de resposta a casos suspeitos, novas unidades são ativadas Comissão Nacional de Proteção Civil passa a funcionar em permanência, para fazer face ao novo coronavírus. Governo português dá cinco dias às empresas públicas para elaborarem planos de contingência. Reserva Federal dos Estados Unidos (Fed), que gere a política monetária do país, corta em 50 pontos base as taxas de juro, devido ao novo coronavírus. O presidente da Fed, Jerome Powell, considera inevitável que os efeitos do surto alastrem às economias mundiais e alterem o seu normal funcionamento "durante algum tempo". FMI e Banco Mundial anunciam que reuniões de abril, que se realizam anualmente em Washington, vão ser feitas à distância, em "formato virtual".
4 de março Itália, o país europeu mais afetado, fecha todas as escolas e universidades. Tinha então 3,089 infetados e 107 mortos. Número de infetados em Portugal sobre para seis. Em todo o mundo, há registo de mais de 3.100 mortos e de 93.100 infetados em 77 países de cinco continentes. Mais de 290 milhões de jovens sem aulas em todo o mundo, segundo a UNESCO. Os trabalhadores em quarentena em Portugal por determinação de autoridade de saúde vão receber integralmente o rendimento nos primeiros 14 dias, diz despacho do Diário da República. O primeiro-ministro português anuncia linha de crédito para apoio de tesouraria a empresas afetadas pelo impacto económico do surto do novo coronavírus, caso seja necessário, no valor inicial de 100 milhões de euros. Banco Mundial anuncia 12.000 milhões de dólares (cerca de 10.786 milhões de euros) para ajudar os países que enfrentam impactos económicos e de saúde. O setor dos serviços contraiu pela primeira vez na China desde que há registos. FMI diz que crescimento mundial será inferior em 2020 ao de 2019 devido ao impacto da epidemia do novo coronavírus, mas que é "difícil prever quanto". Surto diminuiu exportações mundiais em 50 mil milhões de dólares em fevereiro, segundo uma análise publicada pela Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento. A Escola Superior de Música e Artes do Espetáculo, no Porto, suspende aulas por ter havido contactos com o quinto infetado.
5 de março Portugal com nove casos de infeção. O número de pessoas infetadas em todo o mundo aumenta para 97.510, das quais 3.346 morreram, em 85 países e territórios. A China é o país mais afetado (80.409 casos e 3.012 mortes); seguido pela Coreia do Sul (6.088 casos, 35 mortes), Itália (3.858 casos, 148 mortes) e Irão (3.513 casos, 107 mortes). Bolsa de Turismo de Lisboa adiada para 27 a 31 de maio Perdas das companhias aéreas mundiais podem chegar aos 113 mil milhões de dólares (101,1 mil milhões de euros), estima a associação internacional de transporte aéreo (IATA). TAP reduz 1.000 voos em março e abril devido a quebra nas reservas, suspende investimentos e avança com licenças sem vencimento. O Fundo Monetário Internacional disponibiliza 50 mil milhões de dólares (cerca de 46,7 mil milhões de euros) para combater o surto.
6 de março 13 casos infetados em Portugal. Número de casos no mundo ultrapassa os 100 mil, das quais 3.456 morreram, em 92 países e territórios. A China (sem as regiões administrativas de Macau e Hong Kong), o país onde a epidemia foi declarada no final de dezembro, soma 80.552 casos e 3.042 mortes. Preço do barril de Brent cai mais de 6%, para 47 dólares, devido à quebra da procura
7 de março Número de infeções em Portugal sobe para 21 Visitas a hospitais, lares e estabelecimentos prisionais da região Norte suspensas temporariamente. A ministra da Saúde portuguesa, Marta Temido, recomenda também o adiamento de eventos sociais. Uma escola de Idães, em Felgueiras, o Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar (ICBAS), a Faculdade de Farmácia da Universidade do Porto e o edifício do curso de História da Universidade do Minho foram encerrados por serem instituições relacionadas com casos de pessoas infetadas em Portugal. Governo italiano proíbe as entradas e saídas da Lombardia e de outras 11 províncias próximas para limitar a disseminação do coronavírus, que já causou 233 mortes e 5.061 infetados em todo o país.
8 março Presidente da República Marcelo Rebelo de Sousa decide entrar em quarentena de 14 dias após receber em Belém uma turma de Felgueiras. Mais quatro casos em Portugal, número de infetados sobe para 25. Reino Unido anuncia um aumento de 64 novos casos, elevando-o a um total de 273 casos. Este país regista três mortos. EUA tem 564 infetados, os mortos são 21. Itália confirma 1.492 casos adicionais e 133 mortes. Números totais: 7.375 infetados e 366 mortos. O primeiro-ministro Giuseppe Conte estendeu o bloqueio de quarentena para cobrir toda a região da Lombardia e outras 14 províncias do norte do país. Registado o primeiro morto em África, que ocorre no Egito - um cidadão alemão hospitalizado a 1 de março e depois sofreu insuficiência respiratória causada por pneumonia aguda. DGS encerra escolas e suspende atividades de lazer e culturais nos concelhos de Lousada e Felgueiras por causa do acumular de casos.
9 março Alemanha regista as duas primeiras mortes no país. Infetados aumentam para 1.176. Universidades de Lisboa e Coimbra suspendem todas as aulas presenciais por duas semanas. Itália estende quarentena a todo o país, onde número de mortos atinge 463. Primeiros casos em Chipre significam que todos os países da União Europeia estão atingidos pelo novo coronavírus. Números da Espanha aumentam para 1.231 casos, com 30 mortes. Itália: 9.172 infetados e 463 mortos. França revela que os deputados Guillaume Vuilletet e Sylvie Tolmont estão infetados, havendo cinco deputados da Assembleia com Covid-19. Também foi confirmado que o ministro da Cultura, Franck Riester, havia testado positivo. O número de casos aumentou para 1.412.
10 março Câmara de Lisboa encerra museus, teatros municipais e suspende atividades desportivas em recintos fechados. Direção-Geral do Património Cultural (DGPC) decreta fecho de museus, monumentos e palácios na sua dependência. Governo português suspende voos para todas as regiões de Itália por 14 dias. O primeiro-ministro italiano Conte estende o bloqueio de quarentena a toda a Itália, incluindo restrições de viagens e a proibição de reuniões públicas. Número de infetados sobe para 10.149, número de mortos é já 631. Portugal: 41 infetados
11 março Organização Mundial de Saúde passa a considerar o Covid-19 como uma pandemia, isto é um surto de doença com distribuição geográfica internacional muito alargada e simultânea. Itália anuncia que o jogador da Juventus Daniele Rugani, colega de Ronaldo, testa positivo para Covid-19. Total de infetados em Itália: 12.462. Total de mortos: 827. Portugal: 59 infetados. Turquia anuncia primeiro caso num homem regressado da Europa. Mais de mil médicos disponibilizam-se para reforçar a capacidade de resposta do Serviço Nacional de Saúde.
12 março Portugal decide encerrar todos os estabelecimentos de ensino até ao final das férias da Páscoa a partir de 16 de março, encerramento de discotecas, restrições em restaurantes, centros comerciais, serviços públicos e proibição de desembarque de passageiros de cruzeiros. Portugal tem agora 78 pessoas infetadas e ainda zero mortes relacionadas com Covid-19. Estado de alerta declarado em todo o país, com proteção civil e forças e serviços de segurança em prontidão. Região Autónoma da Madeira suspende atracagem de navios de cruzeiro e impõe medição de temperatura a passageiros nos aeroportos. Governo dos Açores fecha escolas e museus, interdita cinemas e ginásios. Hospital de São João anuncia que uma das primeiras pessoas internadas em Portugal com Covid-19 se curou. Em apenas um dia, Itália regista 2651 novos infetados, elevando o número de doentes com Covid-19 para 15.113. Nas mesmas 24 horas, morreram 189 italianos. O total de mortos em Itália é agora 1.016.
13 março Europa toma o lugar da China como maior epicentro do coronavírus, diz a OMS, numa altura em que o crescimento de casos abranda no país oriental (China tem agora 80.815 infetados e 3.117 mortos) e acelera em Itália e no resto do continente europeu. Portugal: 112 infetados com o Covid-19. 61 países da África, Ásia, Europa, Oriente Médio, América do Norte e América do Sul anunciaram ou implementaram fecho total ou parcial de escolas e universidades. Trinta e nove países fecharam todas as escolas, afetando 421,4 milhões de crianças e jovens. Nesta altura são 11 os países que proíbem a entrada de voos de Portugal (e da Europa): Arábia Saudita, Argentina, El Salvador, EUA, Guatemala, Itália, Jordânia, Kuwait, Nepal, República Checa e Venezuela. Estados Unidos proíbem entrada de voos de passageiros vindos do espaço Schengen na Europa (26 países, incluindo obviamente Portugal) durante 30 dias. Venezuela, país de 32 milhões de habitantes, confirma os dois primeiros casos de infetados: uma pessoa vinda dos EUA e outra de Espanha. O país de Nicolas Maduro também proibiu voos vindos da Europa durante um mês. Eslováquia, Malta e República Checa fecham fronteiras com os países membros da EU. Governo permite a funcionários públicos ficar em casa em regime de teletrabalho sempre que funções o permitam. Madeira suspende voos provenientes da Dinamarca, França, Alemanha, Suíça e Espanha, países de transmissão ativa.
Presidente dos EUA, Donald Trump, declara estado de emergência nacional.
UEFA suspende todos os jogos sob a sua égide, incluindo Liga dos Campeões e Liga Europa. República Checa anuncia fecho total de fronteiras a partir de 16 de março.
14 março Número mundial de infetados: 150.054. Total de mortos: 5.617 Portugal: 169 infetados. Nas últimas 24 horas houve 57 novos casos. Não há ainda mortes em Portugal. Ministra da Saúde, Marta Temido, anuncia que Portugal entrou "numa fase de crescimento exponencial da epidemia", com 169 casos confirmados.
Açores e Madeira decidem quarentena obrigatória para todas as pessoas que cheguem às regiões autónomas. Governo de Espanha, onde há mais de 5.700 casos, impõe "medidas drásticas" no âmbito do estado de alerta, proíbe cidadãos de andar na rua, exceto para irem trabalhar, comprar comida ou à farmácia.
15 de março Número de casos em Portugal atinge 245, em todo mundo há quase 160.000 pessoas infetadas e já morreram mais de 6.000.
Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, convoca Conselho de Estado por videoconferência para 18 de março, para discutir a "eventual decisão de decretar o estado de emergência" em Portugal.
Sindicato Independente dos Médicos conta mais de 50 clínicos infetados e mais de 150 em quarentena.
Governo proíbe consumo de bebidas alcoólicas na via pública e eventos com mais de cem pessoas, apelando para que deslocações se limitem ao estritamente necessário.
Autoridade Marítima Nacional interdita atividades desportivas ou de lazer que juntem pessoas nas praias do continente, Madeira e Açores.
16 de março Portugal regista a primeira morte devido ao coronavírus. O número de infetados pelo novo coronavírus sobe para 331. Segundo a Direção-Geral da Saúde, há 2.908 casos suspeitos, dos quais 374 aguardam resultado laboratorial.
Governo português anuncia o controlo de fronteiras terrestres com Espanha, passando a existir nove pontos de passagem e exclusivamente destinados para transporte de mercadorias e trabalhadores que tenham de se deslocar por razões profissionais.
Portugal vai também intensificar o controlo sanitário nos aeroportos.
Macau decreta quarentena obrigatória de 14 dias para quem chegar ao território, com exceção da China continental, Taiwan e Hong Kong.
Assembleia da República dispensa funcionários inseridos em grupos de risco e promove o trabalho à distância e rotatividade.
17 de março O número de infetados sobe para 448.
É anunciado que o SNS foi reforçado com mais 1.800 médicos e 900 enfermeiros e que há 30 profissionais de saúde infetados, 18 dos quais médicos. E é também anunciado o nascimento do primeiro bebé filho de uma mulher infetada. O bebé não foi infetado.
O governo regional da Madeira anuncia o primeiro caso na região.
O município de Ovar fica sujeito a "quarentena geográfica" e o Governo declara o estado de calamidade pública para o concelho, que passa a ter entradas e saídas controladas. A circulação de pessoas nas ruas também é controlada.
António Costa anuncia a suspensão das ligações aéreas de fora e para fora da União Europeia.
A CP reduz em 350 as ligações diárias.
18 de março O Presidente da República decreta o estado de emergência por 15 dias, depois de ouvido o Conselho de Estado e de ter obtido o parecer positivo do Governo e da aprovação do decreto pela Assembleia da República.
O estado de emergência vigora até 02 de abril.
António Costa diz que "o país não para" e que o Governo tudo fará para manter a produção e distribuição de bens essenciais.
O estado de emergência contempla o confinamento obrigatório e restrições à circulação na via pública. A desobediência é crime e pode levar à prisão.
No dia em que o Governo revela um conjunto de linhas de crédito para apoio à tesouraria das empresas de 3.000 milhões de euros, é também anunciado que as contribuições das empresas para a Segurança Social são reduzidas a um terço em março, abril e maio, e que as empresas vão ter uma moratória concedida pela banca no pagamento de capital e juros.
O número de infetados sobe para 642 e regista-se uma segunda morte. O Alentejo regista os primeiros dois casos.
19 de março O número de vítimas mortais sobe para três em Portugal, com os casos confirmados a ascenderem a 785. Graça Freitas anuncia que quem apresentar sintomas ligeiros ou moderados da doença é seguido a partir de casa.
O primeiro-ministro anuncia, após a reunião do Conselho de Ministros, as medidas e regras para cumprir o estado de emergência, incluindo o "isolamento obrigatório" para doentes com covid-19 ou que estejam sob vigilância. Os restantes cidadãos devem cumprir "o dever geral de recolhimento domiciliário". A regra é que os estabelecimentos com atendimento público devem encerrar e o teletrabalho é generalizado.
A proposta de lei do Governo com as medidas excecionais é de imediato promulgada pelo Presidente da República.
É também anunciado que o Governo criou um "gabinete de crise" para lidar com a pandemia e que suspendeu o pagamento da Taxa Social Única.
O governo dos Açores determina a suspensão das ligações aéreas da transportadora SATA entre todas as ilhas e a TAP anuncia que vai reduzir a operação até 19 de abril, prevendo cumprir 15 dos cerca de 90 destinos.
20 de março Com o país recolhido começam a destacar-se respostas da sociedade civil e das autarquias para fazer face à pandemia, anunciam-se ações de solidariedade para com os mais necessitados.
O Governo reúne-se em Conselho de Ministros para aprovar um conjunto de medidas de apoio social e económico para a população mais afetada. António Costa anuncia que é adiado para o segundo semestre o pagamento do IVA e do IRC, a prorrogação automática do subsídio de desemprego e do complemento solidário para idosos e do rendimento social de inserção.
É também anunciado que as celebrações religiosas, como funerais, e outros eventos que impliquem concentração de pessoas são proibidos, e que as autoridades de saúde ou de proteção civil podem decretar a requisição civil de bens ou serviços públicos se necessários para o combate à doença.
Portugal tem seis vítimas mortais e 1.020 casos confirmados.
21 de março O número de mortes sobe para 12, o dobro do dia anterior, e os infetados são 1.280.
Marta Temido estima que o pico de casos aconteça em meados de abril, e diz que Portugal vai adotar um novo modelo de tratamento de infetados, que passa pelo aumento do acompanhamento em casa. Graça Freitas estima que a taxa de letalidade é de cerca de 1%, mas avisa que pode mudar.
O Governo anuncia que vai prorrogar os prazos das inspeções automóveis e reduz os leilões nas lotas, criando uma linha de crédito até 20 milhões de euros para o setor da pesca.
Com o país em casa surgem as primeiras notícias de infeções em lares. Na Casa de Saúde da Idanha, em Belas, arredores de Lisboa, é anunciado que 10 utentes estão infetados. Um lar em Vila Nova de Famalicão fica sem funcionários depois de oito terem dado positivo ao covid-19.
O ministro dos Negócios Estrangeiros anuncia que a TAP prevê realizar voos para a Praia e Sal (Cabo Verde), Bissau (Guiné-Bissau) e São Tomé para transportar portugueses para casa.
22 de março O número de mortes associadas à covid-19 sobe para 14 e o de infetados para 1.600 (mais 320).
Num domingo de sol muitas pessoas saem à rua e na Póvoa de Varzim a polícia é chamada devido ao "desrespeito ao estado de emergência" (multidão a passear). Em Coimbra a PSP também é chamada por causa de um aglomerado na Mata Nacional do Choupal.
São detidas sete pessoas no país por crime de desobediência.
Os utentes do lar de Famalicão são transferidos para o Hospital Militar do Porto.
As autoridades iniciam o repatriamento de mais de 1.300 passageiros que chegam a Lisboa num navio de cruzeiro (entre eles estão 27 portugueses).
O Governo assina três despachos, que entram em vigor no dia seguinte, para garantir serviços essenciais de abastecimento de água e energia, recolha de lixo e funcionamento de transportes públicos.
O presidente da Associação Nacional de Freguesias, Jorge Veloso, pede que as pessoas das cidades e os emigrantes evitem ir para o interior.
23 de março Portugal tem 23 mortes e 2.600 infeções.
As queixas sobre a falta de equipamentos para quem mais necessita, como profissionais de saúde ou de segurança, começam a surgir. O Governo anuncia que o Estado vai comprar à China equipamentos de proteção e que espera quatro milhões de máscaras. Cinco polícias e dois técnicos sem funções policiais estão infetados numa esquadra de Vila Nova de Gaia.
O Governo cria uma linha de apoio de emergência de um milhão de euros para artistas e entidades culturais e reforça com 50 milhões de euros os acordos de cooperação com o setor social (responsável pelos lares de idosos ou centros de dia).
Uma residência para idosos na Maia, Porto, coloca em isolamento 46 idosos devido a casos de infeção.
24 de março O número de mortes sobe para 33 e o número de infeções passa a 2.362.
A secretária de Estado da Administração Interna, Patrícia Gaspar, anuncia a ativação do Plano Nacional de Emergência de Proteção Civil, no mesmo dia em que são já 27 as detenções por violação das regras do estado de emergência.
O Presidente da República admite que o pico da pandemia possa ocorrer depois de 14 de abril. No parlamento, o presidente e líder parlamentar do PSD abandona o plenário depois de uma discussão sobre o número excessivo de deputados na bancada social-democrata.
A Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT) lança uma linha de financiamento de 1,5 milhões de euros para investigação e "implementação rápida" de respostas às necessidades do SNS.
Em Vila Real, o presidente da Câmara alerta para a existência de 20 utentes e funcionários de um lar infetados com covid-19.
O Rali de Portugal é adiado.
25 de março Portugal regista mais 10 mortes chegando às 43, quando são contabilizadas 2.995 infeções.
O secretário de Estado da Saúde diz que o sistema tem capacidade de fazer 8.600 testes diários. A questão de se fazer mais testes ou não divide opiniões.
A Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil coloca em alerta laranja, o segundo mais grave, os distritos de Lisboa, Porto e Aveiro.
O ministro de Estado e das Finanças diz que o país "nunca esteve tão bem preparado" para enfrentar uma crise como a causada pelo vírus.(lol) O Banco de Portugal anuncia que é facilitada a concessão de crédito pessoal por parte dos bancos.
A Câmara de Melgaço implementa um cerco sanitário na aldeia de Parada do Monte, com 370 habitantes, após confirmação de três casos de infeção.
A ASAE diz que já fiscalizou 41 operadores económicos por causa de especulação de preços.
26 de março Há 3.544 infeções e morreram 60 pessoas.
Há doentes a ser tratados com medicamentos da malária e do ébola, ainda que sem certezas, diz Graça Freitas.
O Banco de Portugal estima que o Produto Interno Bruto caia este ano 3,7% num cenário base e 5,7% num cenário adverso, devido à pandemia. A taxa de desemprego deve subir acima dos 10%. No dia em que Marcelo Rebelo de Sousa admite prolongar o estado de emergência reúne-se o Governo em Conselho de Ministros e aprova a suspensão até setembro do pagamento dos créditos à habitação e de créditos de empresas. Aprova também medidas excecionais de proteção dos postos de trabalho (como redução temporária de horário ou suspensão do contrato) e uma proposta de lei que prevê um regime de mora no pagamento das rendas, habilitando ainda o Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana a conceder empréstimos a inquilinos.
Na Maia um lar de idosos infetado é evacuado, em Vila Real aumentam as infeções num lar de idosos, de 20 para 45.
É anunciado que quem aterrar nos Açores tem confinamento obrigatório de 14 dias.
27 de março No lar da Nossa Senhora das Dores, em Vila Real, são agora 88 os infetados, entre os quais 68 utentes.
Em Portugal o número de mortes chega a 76 e o número de infetados sobe para 4.268.
Graça Freitas diz agora que o pico da pandemia pode afinal ser só em maio.
António Costa anuncia a chegada a Portugal de milhares de equipamentos de proteção individual e o Laboratório Militar também anuncia que começou a fazer testes de diagnóstico. Outras entidades como o Instituto de Medicina Molecular também começam a fazer testes.
Mil e quinhentos enfermeiros voluntariam-se para reforçar o apoio à linha telefónica SNS24, segundo a bastonária da Ordem.
As forças de segurança detiveram, desde o início do estado de emergência, 64 pessoas por crime de desobediência, e mandaram encerrar 1.449 estabelecimentos. O balanço é do MAI, segundo o qual também foram impedidas de entrar em Portugal 850 pessoas e uma delas foi detida. A detida, viria a confirmar-se depois, estava infetada com covid-19.
No Algarve, quando se aproxima o período da Páscoa, que costuma encher os hotéis, a associação empresarial do setor diz que a hotelaria está praticamente encerrada.
28 de março O número de mortes ascende à centena e os infetados são 5.170. Marta Temido também diz que o pico da epidemia só deve acontecer no final de maio e que as medidas de contenção social estão a abrandar a curva de infeções.
O Presidente da República pede aos portugueses para que, no período da Páscoa, continuem a respeitar as regras de contenção. A PSP interpela todas as pessoas que atravessam a Ponte 25 de Abril, no sentido norte-sul, e são divulgadas imagens de grandes filas de carros, alguns deles, diz a PSP, em incumprimento do estado de emergência.
É publicada uma retificação do diploma inicial do "lay-off" simplificado, acautelando que nenhum trabalhador de empresas que recorram e esse apoio pode ser despedido.
O Governo anuncia que vai organizar uma operação de transporte aéreo para o regresso temporário a Portugal de professores portugueses que estão em Timor-Leste.
29 de março Portugal contabiliza 119 mortes e 5.962 casos de infeções p. O número de pessoas internadas nos cuidados intensivos é de 138 doentes, um aumento para o dobro em relação ao dia anterior.
As notícias sobre infeções em lares continuam, como em Foz Côa, Guarda, onde o lar tem 47 infetados num universo de 62 idosos, segundo o provedor.
Em Ovar, onde foi declarado o estado de calamidade pública, são cinco as mortes, uma delas uma jovem de 14 anos, diz o vice-presidente da Câmara.
Nos Açores, o concelho de Povoação, na ilha de S. Miguel, é também submetido a um cordão sanitário.
Surgem notícias, através de sindicatos, de que há pelo menos um guarda prisional infetado do estabelecimento de Custoias e de uma auxiliar de ação médica no hospital prisional de Caxias. O Governo diz que vai ponderar criteriosamente a recomendação das Nações Unidas para libertação imediata de alguns presos mais vulneráveis.
30 de março António Costa avisa que Portugal "vai entrar no mês mais crítico desta pandemia", no dia em que os números da DGS indicam que há 140 mortes e 6.408 infetados.
Segundo o primeiro-ministro, com ou sem estado de emergência vai ser preciso prolongar as medidas que têm sido adotadas. E, diz também, que na próxima semana pretende cobrir o país com despistes de covid-19 em lares.
O secretário de Estado da Saúde, António Lacerda Sales, afirma que o número de profissionais de saúde infetados chegou aos 853, e Graça Freitas admite impor-se uma cerca sanitária na região do Porto, motivando fortes críticas.
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho, diz que a segurança social recebeu 1.400 pedidos de empresas que pretendem aderir ao "lay-off" simplificado.
(Continua nos comentários)
O ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, admite nacionalizações e diz que seria "um erro trágico" reagir com medidas de austeridade à crise provocada pela pandemia, defendendo antes o apoio ao crescimento da economia.
O Governo pede a abertura de "forma condicionada" das juntas de freguesia onde estão instalados postos dos CTT, lembrando que esses serviços garantem a entrega de pensões. A empresa anunciou que ia antecipar a emissão e pagamento de vales em dois dias úteis.
Marcelo Rebelo de Sousa diz que se impõe manter as medidas de contenção que vigoram em Portugal.
A TAP avança para um processo de "lay-off" para 90% dos trabalhadores.
O governo dos Açores prolonga a situação de contingência no arquipélago até 30 de abril.
(Limite de Caracteres continua nos Comentários)
submitted by HairlessButtcrack to portugal [link] [comments]


2020.04.12 04:33 altovaliriano A Grande Conspiração Nortenha - Parte 7

Texto original: https://zincpiccalilli.tumblr.com/post/53134866390
Autores: Vários usuários do Forum of Ice and Fire, mas compilado por Yaede.
Índices de partes traduzidas: Parte 1, Parte 2, Parte 3, Parte 4, Parte 5, Parte 6, Parte 7

---------------------------

Sinais e Portentos

Uma das habilidades mais impressionantes doeGRRM como escritor, em minha opnião, é sua capacidade de ocultar prenúncios [foreshadows] em cenas aparentemente irrelevantes a serem revisitadas pelo leitor, que maravilhará com elas. Por exemplo:
Quando Podrick quis saber o nome da estalagem onde esperavam passar a noite, Septão Meribald apegou-se avidamente à pergunta [...].
– Alguns a chamam Velha Estalagem. Ali existe uma estalagem há muitas centenas de anos, embora esta só tenha sido construída durante o reinado do primeiro Jaehaerys […].
Mais tarde, passou para um cavaleiro aleijado chamado Jon Comprido Heddle, que se dedicou a trabalhar o ferro quando ficou idoso demais para combater. Ele forjou um novo sinal para o pátio, um dragão de três cabeças em ferro negro que pendurou em um poste de madeira. [...]
– O sinal do dragão ainda está lá? – Podrick qui saber também.
– Não – Septão Meribald respondeu. – Quando o filho do ferreiro era já um velho, um filho bastardo do quarto Aegon ergueu-se em rebelião contra seu irmão legítimo e escolheu como símbolo um dragão negro. Estas terras pertenciam então a Lorde Darry, e sua senhoria era ferozmente leal ao rei. Ver o dragão de ferro negro o deixou furioso, e por isso derrubou o poste, fez o sinal em pedaços e os atirou ao rio. Uma das cabeças do dragão foi dar à costa na Ilha Quieta muitos anos mais tarde, embora nessa época estivesse vermelha de ferrugem. O estalajadeiro não voltou a pendurar outro sinal, e os homens esqueceram-se do dragão.
(AFFC, Brienne VII)
Aqui está a essência da teoria de que Aegriff é um pretendente de Blackfyre explicada por meio de brasões. O dragão negro retornando a Westeros via mar disfarçado de vermelho. Existem inúmeros pequenas recompensa nos livros para os fãs desenterrarem e, geralmente, quanto mais importante é a história, mais difusas são as dicas. R + L = J é provavelmente o atual campeão disso, com alusões a ela freqüentemente despontando em diálogos casuais sobre Jon ou envolvendo-o. Como por exemplo, esta conversa de quando ele soltar Val na Floresta Assombrada para encontrar Tormund:
[Jon:] Você voltará. Pelo menino, se não por outra razão. [...]
[Val:] Assegure-se de que esteja protegido e aquecido. Pelo bem da mãe dele, e pelo meu. E o mantenha longe da mulher vermelha. Ela sabe quem ele é. Ela vê coisas nas chamas.
Arya, ele pensou, esperando que fosse assim.
– Cinzas e brasas.
– Reis e dragões.
Dragões novamente. Por um momento, Jon quase os viu também, serpenteando na noite, suas sombras escuras delineadas contra um mar de chamas.
(ADWD, Jon VIII)
Muito irônico que, mais cedo, em seu próprio capítulo, Melisandre olhe para as chamas e veja Jon, como ela faz há algum tempo. Jon, que é é rei e dragão (se R+L=J for verdade).
Portanto, a questão agora é se o GRRM deixou pistas que levem à Grande Conspiração Nortenha.
Mais homens de neve haviam sido erguidos no pátio quando Theon Greyjoy voltou. Para comandar as sentinelas de neve nas muralhas, os escudeiros haviam erigido uma dúzia de senhores de neve. Um claramente pretendia ser Lorde Manderly; era o homem de neve mais gordo que Theon já vira. O senhor de um braço só podia ser Harwood Stout, a boneca de neve, Barbrey Dustin. E um que estava mais perto da porta com a barba feita de pingentes de gelo devia ser o velho Terror-das-Rameiras Umber.
(ADWD, O vira-casaca)
Que escolha interessante de bonecos de neve para citar e assim chamar à atenção. No mesmo capítulo, especula-se que Manderly, Terror-das-Rameiras, Stout e a Senhora Dustin formam uma espécie de corrente humana para transmitir informações sobre os Starks (a sobrevivência de Bran e Rickon, com certeza) com o fim derradeiro de trazer a Senhora Dustin e os Ryswells para a secreta liga anti-Bolton.
Ainda mais intrigante é o fato de que isso também pode ser lido como um jogo de palavras que sugerem o apoio norte de Jon. Assim como Wylla Manderly proclama sua lealdade aos Starks durante a audiência de seu avô com Davos, dizendo que os Manderlys juravam ser sempre “homens Stark”, se Lord Wyman e seus co-conspiradores decidissem apoiar o decreto de Robb de nomear Jon seu herdeiro, eles seriam "homens de neve" [Snow men].
Outro conjunto de pistas em potencial está na escolha de músicas de Manderly durante a festa do casamento (ADWD, O príncipe de Winterfell). Por que Manderly quer que Abel contemple os Freys com uma música sobre o Rato Cozinheiro já foi discutido, mas qual das outras duas músicas ele pede pelo nome? Os tristes contos de Danny Flint e "A Noite que Terminou".
Fortenoite surgia em algumas das histórias mais assustadoras da Velha Ama. Tinha sido ali que o Rei da Noite reinou, antes de seu nome ter sido varrido da memória dos homens. Foi ali que o Cozinheiro Ratazana serviu ao rei ândalo seu empadão de príncipe e bacon, que as setenta e nove sentinelas mantiveram-se de vigia, que o bravo jovem Danny Flint foi violado e assassinado.
(ASOS, Bran IV)
---------------------------------------
[Jon:] Mance alguma vez cantou Bravo Danny Flint?
[Tormund:] Não que eu me lembre. Quem era ele?
– Uma garota que se vestiu de menino para tomar o negro. Sua canção é triste e bonita. O que aconteceu com ela não foi. – Em algumas versões da canção, seu fantasma ainda caminhava pelo Fortenoite.
(ADWD, Jon XII)
Já foi teorizado que o elemento chave da história de Danny Flint que Manderly tem em mente é a farsa por meio de uma identidade falsa. Jeyne Poole é outra garota que finge ser alguém que não é e, embora o faça sob coação, seu destino é tão terrível quanto o de Danny Flint.
Manderly pode ter desvendado a falsa Arya? Como? Na verdade, duas falsas Aryas são analisadas e julgadas não convincentes - primeiro Jeyne por Theon (ADWD, Fedor II), depois Alys Karstark por Jon (ADWD, Jon IX). Theon percebe imediatamente que os olhos de Jeyne são castanhos, não cinza. Jon também verifica o cabelo e a cor dos olhos de Alys, que combinam com os de Arya, mas percebe que ela é velha demais para ser sua irmã mais nova. O mesmo vale para Jeyne, que era a melhor amiga de Sansa e, portanto, provavelmente da mesma idade dela, alguns anos mais velha que Arya. A questão é que o estratagema dos Bolton não é perfeito, e uma pessoa familiarizada com Arya pode identificar as discrepâncias. Existe alguém assim em Winterfell além de Theon?
Os Cerwyns são bons candidatos, em minha opinião. Eles moram a apenas meio dia de viagem de Winterfell (ACOK, Bran II) e pode-se esperar que tenham visitado os Starks com frequência suficiente para observar Arya de perto. O próprio Mance Rayder é outro, tendo supostamente aparecido em Winterfell durante o festim real em A Guerra dos Tronos com o propósito declarado de espiar. Harwin, se ele é realmente o misterioso homem encapuzado que Theon encontra. Outros senhores do Norte talvez também suspeitem, pois se interessariam em Arya pelas perspectivas de seu casamento.
Por fim, “A Noite que Terminou” é aparentemente uma música que comemora a última Longa Noite e a vitória da humanidade sobre os Outros.
Muito mais tarde, depois de todos os doces terem sido servidos e empurrados para baixo com galões de vinho de verão, a comida foi levada e as mesas encostadas às paredes para abrir espaço para a dança. A música tornou-se mais animada, os tambores juntaram-se a ela, e Hother Umber apresentou um enorme corno de guerra encurvado com faixas de prata. Quando o cantor chegou à parte de A Noite que Terminou, em que a Patrulha da Noite avançava ao encontro dos Outros na Batalha da Madrugada, deu um sopro tão forte que fez todos os cães latirem.
(ACOK, Bran III)
Em conjunto, a playlist de Manderly no casamento diz àqueles inteligentes o suficiente para ouvir que ele não está se deixando enganar pelas mentiras dos Bolton, ele já derramou sangue Frey às escondidas e seu lado será o vencedor no final. Há outra singularidade em sua seleção de músicas, no entanto. Uma que sugere novamente uma conexão com Jon. Todos as três cançoes são sobre a Patrulha da Noite.
O Rato Cozinheiro era um irmão negro que se vingou, e Danny Flint queria ser um. " A Noite que Terminou " apresenta a Patrulha em glorioso triunfo sobre os Outros, salvando o reino no processo. Certamente, há outras músicas sobre garotas bonitas disfarçadas e mentirosas recebendo sua punição, ou sobre vitórias Stark sobre os ândalos, selvagens ou homens de ferro que Manderly poderia ter pedido. A menos que ele (ou GRRM!) esteja, de fato, inserindo outro ponto muito sutil com isso: que Jon Snow não tenha sido esquecido pelos vassalos leais de seu falecido pai e irmão.
E há uma terceira referência a Jon! Quais são os nomes das duas garotas que tão comovente e retumbantemente falam do amor do Norte pelos Starks? Wylla Manderly e Lyanna Mormont. Pode ser simples coincidência que uma compartilhe um nome com a ama de leite de Jon (que Ned afirmou ser sua mãe) e a outro tenha o nome da verdadeira mãe biológica de Jon (assumindo R + L = J como verdadeiro). Uma vez que estamos falando das Crônicas de Gelo e Fogo , no entanto, eu digo que provavelmente não é coincidência.
Um último potencial prenúncio tem a ver com Stannis e sua campanha para ganhar o Norte.
Stannis estendeu uma mão, e seus dedos fecharam-se emvolta de uma das sanguessugas.
– Diga o nome – ordenou Melisandre.
A sanguessuga retorcia-se na mão do rei, tentando se prender a umde seus dedos.
– O usurpador – disse ele. – Joffrey Baratheon. – Quando atirou a sanguessuga no fogo, ela enrolou-se entre os carvões como uma folha de outono e incendiou-se.
Stannis agarrou a segunda.
– O usurpador – declarou, dessa vez mais alto. – Balon Greyjoy. – Deu-lhe um piparote ligeiro para dentro do braseiro […]
A última sanguessuga estava na mão do rei. Estudou aquela por ummomento, enquanto se contorcia entre seus dedos.
– O usurpador – disse por fim. – Robb Stark. – E atirou-a para as chamas.
(ASOS, Davos IV)
Joffrey, Balon e Robb morrem nas mãos de homens, cujos planos estão em andamento muito antes de Stannis realizar qualquer ritual, não porque sejam amaldiçoados magicamente ou porque R'hllor quer que seja assim. Para que serve Stannis queimando as sanguessugas? Em seu capítulo em A Dança dos Dragões, vimos Melisandre apostar pesado nas aparências como uma maneira de conservar sua influência, mantendo os homens admirados por sua aura de misticismo. Uma demonstração de poder, a fim de recuperar a confiança de Stannis, não seria ruim após a derrota desastrosa no Àgua Negra e, por mais risíveis que tenham sido suas interpretações sobre Azor Ahai, Melisandre consegue prever eventos de importância política em suas chamas, às vezes com detalhes e precisão impressionantes.
[Jon:] Outros senhores se declararam por Bolton também?
A sacerdotisa vermelha deslizou para mais perto do rei.
– Vi uma cidade com muralhas de madeira, ruas de madeira, cheia de homens. Estandartes se agitavam sobre suas muralhas: um alce, um machado de batalha, três pinheiros, machados de cabos longos cruzados sob uma coroa, uma cabeça de cavalo com olhos flamejantes.
– Hornwood, Cerwy n, Tallhart, Ryswell e Dustin – informou Sor Clayton Suggs. – Traidores, todos. Cãezinhos de estimação dos Lannister.
(ADWD, Jon IV)
Melisandre vê nas chamas que Joffrey, Balon e Robb não demorarão muito no mundo dos vivos e orquestra uma pequena farsa para Stannis; portanto, quando a notícia de suas mortes chegar até ele, sua crença nela e em suas habilidades será reforçada. Como tudo isso é relevante para a Grande Conspiração Nortenha? Lorde Bolton é chamado por alguns de Senhor Sanguessuga pelas sanguessugas que frequentemente usa para tratamentos de saúde.
[Roose:] Tem medo de sanguessugas, filha?
[Arya:] São só sanguessugas. Senhor.
– Meu escudeiro poderia aprender alguma coisa com você, ao que parece. Sangramentos frequentes são o segredo de uma vida longa. Um homem tem de se purgar do sangue ruim.
(ACOK, Arya IX)
------------------------------
O quarto do senhor estava cheio de gente quando [Arya] entrou. Qyburn encontrava-se presente, bem como o severo Walton com seu camisão e grevas, além de uma dúzia de Frey, todos eles irmãos, meios-irmãos e primos. Roose Bolton estava na cama, nu. Sanguessugas aderiam à parte de dentro de seus braços e pernas e espalhavam-se por seu peito pálido, longas coisas translúcidas que se tornavam de um cor-de-rosa cintilante quando se alimentavam. Bolton não prestava mais atenção nelas do que em Arya.
(ACOK, Arya X)
-----------------------------
– O que você quer agora? – Gendry perguntou numa voz baixa e zangada.
[Arya:] Uma espada.
– O Polegar Preto mantém todas as lâminas trancadas, já lhe disse mais de cem vezes. É para o Senhor Sanguessuga?
(ACOK, Arya X)
------------------------------
Os olhos de Harwin desceramdo rosto de Arya para o homem esfolado que trazia no gibão.
– Como é que me conhece? – disse, franzindo a testa, desconfiado. – O homem esfolado... quem é você, algum criado do Lorde Sanguessuga?
(Arya II, ASOS)
Qyburn, Jaime e a Senhora Dustin também observam a associação de Roose com sanguessugas (ASOS, Jaime IV / ADWD, O Príncipe de Winterfell). Figurativamente falando, Stannis está novamente queimando sanguessugas para se exibir em sua guerra contra os Boltons, esperando convencer os nortenhos a apoiarem sua tentativa pelo Trono de Ferro. Mas, assim como o teatro de Melisandre não resulta em nada além de aprofundar a confiança de Stannis nela, os experimentos de Stannis em A Dança dos Dragões podem ser inúteis caso outro Stark seja proclamado rei no norte. E há uma dica de que isso acontecerá.
A voz de Melisandre era suave. – Lamento, Vossa Graça. Isso não é um fim. Mais falsos reis irão se erguer em breve para tomar a coroa daqueles que morreram.
– Mais? – Stannis parecia comvontade de esganá-la. – Mais usurpadores? Mais traidores?
– Vi nas chamas.
(ASOS, Davos V)
Em A Dança dos Dragões, mais reis falsos parecem ter substituído os que morreram, como profetiza Melisandre. Tommen assume a coroa de Joffrey e Euron a de Balon. E a coroa de Robb? Quem é o novo rei do norte?
Roose pode ter algumas ambições por lá (ADWD, O Príncipe de Winterfell), mas ele ainda não desafiou o Trono de Ferro ou os Lannisters, que o nomearam Protetor do Norte. De qualquer forma, é improvável que ele pudesse ganhar o apoio dos nortenhos, que prefeririam que um Stark os governasse. Pessoalmente, acho que a opção mais dramática para o próximo usurpador e traidor é Jon, que ganhou o respeito relutante de Stannis por um conselho honesto e pode continuar tendo discussões tensas (leia-se: divertidas!) com ele, de uma maneira que Rickon, de cinco anos de idade, bem, realmente não conseguiria.

Um tempo para lobos

Uma objeção comum à Grande Conspiração Nortenha é que, por mais persuasivo que seja, é otimista demais acreditar que GRRM permitirá que os Starks e seus aliados triunfem. Afinal, ele ganhou reputação por subverter clichês de fantasia de bem vs. Mal, e por matar ou mutilar personagens amados enquanto saboreia as lágrimas amargas de seus leitores.
GRRM é realmente tão pouco convencional? A morte de Ned Stark em A Guerra dos Tronos é frequentemente citada como o momento em que a ASOIAF rompe com as tradições de gênero, transcendendo a tendência juvenil da fantasia por finais de contos de fadas cortando a cabeça do protagonista. No entanto , eu argumentaria que não apenas os críticos da fantasia são os culpados por estereotipar e simplificar outros trabalhos como Senhor dos Anéis a ponto de não fazer sentido, em uma demonstração de memória seletiva. A própria estrutura narrativa da ASOIAF disfarça o fato de que Ned nunca foi o herói da história de GRRM, para começo de conversa.
Ned é uma figura paterna, um mentor protetor e guia do tipo que quase sempre morre, às vezes antes de o primeiro ato de uma fantasia épica terminar (vide Obi-wan Kenobi). As crianças Stark nunca se desenvolveriam de verdade por si mesmas, a menos que o “porto seguro” Ned fosse removido, assim como Harry Potter não pôde depender de Dumbledore em seu confronto final com Voldemort. Dadas as habilidades de vidente verde de Bran, Ned pode até aparecer do além-túmulo para transmitir sabedoria ou divulgar segredos como fizeram Obi-wan e Dumbledore. Tudo isso é bastante convencional. GRRM é simplesmente um mestre da desorientação, e sua manipulação é evidente em muitas das grandes reviravoltas de ASOIAF.
Robb? Nunca teve um ponto de vista. Contos da carochinha sobre reinos perdidos por coisas pequenas são tão comuns quanto as sagas de reis guerreiros heróicos vitoriosos em conquista. As lendas arturianas, por exemplo, contam sobre a fundação da utópica Camelot e a morte de Arthur nas mãos de seu filho bastardo com sua meia-irmã, e sua rainha fugindo com um de seus cavaleiros.
GRRM explora inteligentemente o desejo do leitor de ver Ned vingado. Os Starks se reúnem para distrair os leitores para o prenúncio da morte de Robb no sonho de Theon (com um banquete de mortos em Winterfell) e as visões de Dany na Casa dos Imortais, ambos em A Fúria dos Reis.
Portanto, se a previsibilidade no desdobramento de um enredo não serve como teste para teoria dos fãs, em quais critérios os leitores da ASOIAF podem confiar? Penso que a questão-chave que deve ser colocada em qualquer especulação é: "como isso faz a história avançar?"
A Guerra dos Cinco Reis está marcada pelas mortes de Ned e Robb, a primeira instigando o conflito e a segunda efetivamente encerrando-o – ou pelo menos limpando a lousa para a próxima rodada. Por outro lado, em minha opinião, é narrativamente fraca a ideia de que Jon Snow está permanentemente morto e que seu assassinato levará à queda da Muralha, pensando-se que o atentado sozinho seja capaz de trazer caos a Castelo Negro, pois assim também perderemos Jon como personagem pelo resto da série, tornando inúteis todas aquelas páginas gastas em fazer dele indivíduo e não um simples instrumento do enredo.
Voltando finalmente à Grande Conspiração Nortenha, o que vejo como um dos principais problemas de GRRM em Os Ventos do Inverno é que, depois de cinco livros e quase duas décadas, os Outros ainda não causaram muito impacto. O apocalipse dos zumbis de gelo prometido no prólogo de A Guerra dos Tronos é bom acontecer em breve ou GRRM pode ser justamente acusado de deixar sua história inchar até ficar anticlimática.
Além disso, quando os Outros invadirem inevitavelmente Westeros, eles devem fazê-lo com poder devastador, a fim de estabelecer sua credibilidade como uma ameaça ao reino. No entanto, como pode o Norte, nas condições em que se encontra em A Dança dos Dragões – já devastado pela guerra e pelo inverno, dividido pela política e pelos conflitos de sangue, além de amplamente ignorante do perigo para-lá-da-Muralha –, suportaria realisticamente esse ataque? E as casas do norte, assim como os homens, devem sobreviver em número significativo.
Caso contrário, a tarefa de vencer a Batalha da Alvorada recairá inteiramente sobre Dany, seus dragões, quaisquer forças que a acompanhem de Essos e quaisquer senhores do sul que possam ser convencidos a prestar atenção nela. Acho essa uma perspectiva bastante desagradável, sem mencionar tematicamente inconsistente com o título da série, em que apenas os seres inumano feitos de gelo desempenham papéis principais.
Se for verdade, a Grande Conspiração Nortenha tem o benefício de rapidamente unificar o Norte novamente sob o comando dos Starks, que provavelmente serão liderados por Jon como o mais velho e com mais experiência militar aparente. Isso não recupera magicamente as baixas sofridas pelo Norte durante a guerra, nem produz colheitas para alimentar seu povo faminto e com frio (a menos que Sansa conquiste o Vale), mas garante que as Casas do norte viverão para, em minha opinião, participar do objetivo final de ASOIAF.
As bases para um ressurgimento Stark foram lançadas durante Festim e Dança. Os senhores do rio derrotados estão descontentes e os nortenhos mantêm fé nos Stark. Os Frey são párias para inimigos e aliados, enquanto os Lannisters estão em declínio ignominioso; O legado de Tywin compara-se pejorativamente ao de Ned, apesar da conveniência política do primeiro ser elogiada em detrimento do idealismo rígido do último. Parece que a honra muitas vezes ridicularizada de Ned alcançou uma vitória póstuma, o amor misturado com um respeito saudável provando ser uma influência muito mais duradoura sobre as pessoas do que um reino garantido pelo medo e pela força, que não apenas morre com você, mas também transforma seus filhos em herdeiros inadequados .
Além disso, a mera existência de um complô para coroar Jon não significa que ele será rei no norte. Por acaso, acho que o maior problema nos planos que especula-se que os nortenhos têm é que, após a devida consideração, Jon recusará categoricamente a legitimação e os títulos oferecidos. Considerando que ele seja filho de Lyanna e Rhaegar e que isso o põe como o herdeiro Targaryen do trono de ferro antes mesmo de Dany, seria bastante estranho Jon ser formalmente reconhecido como o rei Stark do norte separatista; Um imperativo dramático exige que Jon seja livre para aceitar o governo de todos os Westeros, quer ele o faça ou não. Jon ouvir a intenção de Robb de reconhecê-lo um verdadeiro filho de seu pai é suficiente para completar o arco de personagens discutido na Parte 1, e os Starks sobreviventes se aliariam a Jon, independentemente de como ele fosse estilizado, por ainda serem um alcatéia.
Não há necessidade de provar o vínculo de afeto de Jon e Arya. Ao resolver a disputa pelas terras de Hornwood, Bran prefere nomear herdeiro bastardo de Lorde Hornwood tendo Jon em mente (ACOK, Bran II). Enquanto isso, Sansa ficou completamente desiludida com o futuro como rainha e quer apenas ir para casa em Winterfell, a salvo de homens que desejam seu dote. É irônico, então, que Jon é um cavaleiro direto das canções outrora queridas de Sansa, pois é um príncipe oculto, cavalheiresco e verdadeiro, seu papel confirmado pela execução que fez de Janos Slynt. Não importa as maldades infantis que Sansa fez a Jon para agradar sua mãe e decorrentes de um senso de adequação, ela pensa com carinho nele agora e entende melhor como ser um bastardo o afeta.
Lorde Slynt, o da cara de sapo, sentava-se ao fundo da mesa do conselho, usando um gibão de veludo negro e uma reluzente capa de pano de ouro, acenando com aprovação cada vez que o rei pronunciava uma sentença. Sansa fitou duramente aquele rosto feio, lembrando-se de como o homem atirara o pai ao chão para que Sor Ilyn o decapitasse, desejando poder feri-lo, desejando que algum herói lhe atirasse ao chão e lhe cortasse a cabeça. Mas uma voz em seu interior sussurrou: Não há heróis.
(AGOT, Sansa VI)
-------------------------
[Sansa] havia séculos que não pensava em Jon. Era apenas seu meio-irmão, mesmo assim... Com Robb, Bran e Rickon mortos, Jon Snow era o único irmão que lhe restava. Agora também sou bastarda, como ele. Oh, seria tão bom voltar a vê-lo. Mas estava claro que isso nunca poderia acontecer. Alayne Stone não tinha irmãos, ilegítimos ou não.
(AFFC, Alayne II)
E Rickon?
A procissão passara a não mais de um pé do local que lhe fora atribuído no banco, e Jon lançara um intenso e demorado olhar para todos eles. O senhor seu pai viera à frente, acompanhando a rainha. [...]Em seguida, veio o próprio Rei Robert, trazendo a Senhora Stark pelo braço. [...] Depois vieram os filhos. Primeiro o pequeno Rickon, dominando a longa caminhada com toda a dignidade que um garotinho de três anos é capaz de reunir. Jon teve de incentivá-lo a seguir, quando Rickon parou ao seu lado.
(AGOT, Jon I)
-----------------------------
Bran bebeu da taça do pai outro gole do vinho com mel e especiarias, [...] e se lembrou da última vez que tinha visto o senhor seu pai beber daquela taça.
Havia sido na noite do banquete de boas-vindas, quando o Rei Robert trouxera a corte a Winterfell. Então, ainda reinava o verão. Seus pais tinham dividido o estrado com Robert e sua rainha, com os irmãos dela a seu lado. Tio Benjen também estivera lá, todo vestido de preto. Bran e os irmãos e irmãs tinham se sentado com os filhos do rei, Joffrey, Tommen e a Princesa Myrcella, que passou a refeição inteira olhando Robb com olhos de adoração. Arya fazia caretas do outro lado da mesa quando ninguém estava olhando; Sansa escutava, em êxtase, as canções de cavalaria que o grande harpista do rei cantava, e Rickon não parava de perguntar por que motivo Jon não estava com eles.
– Porque é um bastardo – Bran teve de segredar-lhe por fim.
(ACOK, Bran III)
Jon tem duas vantagens adicionais sobre qualquer pessoa de fora para conseguir que Rickon o obedeça: 1) Fantasma, que pode subjugar Cão Felpudo. 2) Sua semelhança com Ned, de quem Rickon provavelmente se lembra como seu pai de tempos mais felizes. Assim como a semelhança de Sansa com Catelyn leva Mindinho a uma falsa sensação de segurança, a aparência de Jon pode reforçar sua posição como uma figura de autoridade para Rickon.
Em resumo, sinto que há boas chances de que o primeiro ato do rei Bran ou Rickon, da rainha Sansa ou de Arya seja nomear Jon seu conselheiro, confiável acima de todos os outros, e dê a ele o comando estratégico de seus exércitos, ou se não legitimá-lo como um Stark conforme os últimos desejos de Robb. E, francamente, a noção de que Stannis, Mindinho ou Manderly possamem convencer os Starks a uma disputa de sucessão mesquinha quando Jon é claramente o mais qualificado para liderar o Norte em uma segunda Longa Noite me parece implausível, contradizendo a caracterização estabelecida e a dinâmica familiar.
O que me leva à outra objeção comum a todas as variações de Jon como rei. Jon é honrado demais para quebrar seus votos, certo? Também usurpar os lugares de direito de seus irmãos enquanto eles estão vivos!
Lembremos a lição que Qhorin Meia-mão ensina a Jon: "Nossa honra não significa mais que nossas vidas, desde que o reino esteja seguro". (ACOK, Jon VII) No final de Dança dos Dragões, Jon resolveu fazer o que considerava certo e condenar o que as pessoas dizem sobre ele.
– Tem minha palavra, Lorde Snow. Retornarei com Tormund ou sem ele. – Val olhou o céu. A lua estava meio cheia. – Procure por mim no primeiro dia da lua cheia.
– Procurarei. – Não falhe comigo, pensou, ou Stannis terá minha cabeça. “Tenho sua palavra de que manterá nossa princesa por perto?”, o rei dissera, e Jon prometera que sim. Mas Val não é nenhuma princesa. Disse isso a ele meia centena de vezes. Era uma desculpa fraca, um triste farrapo enrolado em sua palavra quebrada. Seu pai nunca teria aprovado aquilo. Sou a espada que guarda os reinos dos homens, Jon recordou-se, no fim, isso deve valer mais do que a honra de um homem.
(Jon VIII, ADWD)
Apesar de sua aparência essencialmente Stark, Jon não é um clone de Ned, o qual, de todo modo, confessou uma traição que não cometeu, a fim de poupar a vida de Sansa e quase completsmente só sustenta a maior mentira da série em nome de Jon (supondo que R+L=J), por muitos anos antes disso. O entendimento de Jon sobre obrigações, juradas ou não, sempre foi flexível, porque sua própria existência é a prova de que o mais honroso dos homens pode falhar em seu dever. Se Ned, seu modelo de comportamento, não pode cumprir seus votos de casamento, como Jon pode esperar ser melhor, já que é um bastardo?
Depois de seu período com Meia-mão e Ygritte, a tarefa sísifa original de Jon, de alcançar padrões de honra impossivelmente altos, transformou-se em uma dedicação firme ao mais alto mandamento da Patrulha da Noite – ou seja, defender o reino contra os Outros. Existem inegáveis complicações emocionais por parte de Jon ao lidar com o Norte, já que ele não pode reprimir totalmente suas preocupações com a família e o lar, mas assumir o comando de nortenhos que não querem dobrar os joelhos para Stannis garantirá que o Muralha receba reforços e suprimentos necessários. Jon consideraria sua honra pessoal mais importante do que isso? Eu duvido.
Isso tudo, é claro, pressupõe que a Patrulha da Noite continue a existir de alguma forma após o fiasco do assassinato de Bowen Marsh, o que de maneira alguma é certo que ocorrerá.
Que a última cena de Jon em Dança dos Dragões faz paralelo com a morte de Júlio César é uma ideia amplamente aceita. Agora, considere que os senadores que mataram César, em vez de salvar a república romana de um tirano, precipitaram sua queda, descobrindo, para seu choque, que o povo não estava particularmente agradecido pelo assassinato de um líder popular, embora cometido em seu nome.
Guerras civis se seguiram, um império surgindo das ruínas. Ainda não se sabe se Jon é Otaviano / Augusto nesta reconstituição na fantasia. Ele tem à sua disposição um exército pessoal – depois de inconscientemente se tornar rei dos selvagens na ausência de Mance Rayder –e um contrato com o Banco de Ferro (ao que tudo indica).
Concluindo, passo a proibir que discussões posteriores a esta teoria de argumentem que uma conspiração para coroar Jon Rei do Norte esteja fora do mão para os (hipotéticos) conspiradores e os pretendentes Stark para Winterfell ou para GRRM, devido a sua aversão crônica a clichês. Ambas as afirmações foram usadas para descartar a teoria sem abordar as evidências que sustentariam a falta de substância, especialmente tendo em vista a maleabilidade de personagens e tropes nas mãos de um bom escritor (o que eu acredito que a maioria dos fãs da ASOIAF confia que o GRRM seja). Todo mundo deseja a ele boa sorte com Os Ventos do Inverno!
submitted by altovaliriano to Valiria [link] [comments]


2020.01.08 16:34 CaPeBaLo Cancelei meu cadastro no serviço de alertas via SMS da Defesa Civil (40199)

Pra quem não sabe a Defesa Civil oferece um serviço de alertas de risco de desastres e outros eventos meteorológicos de interesse em geral.
Me casastrei nesse serviço há alguns anos achando que o negócio seria super útil, relevante… Bom, pelo menos no meu caso o serviço se mostrou completamente inútil, servindo apenas pra encher o saco. Às vezes já tá chovendo há vários minutos aqui em casa e só então chega o SMS. E são sempre aquelas mensagens padrão no sentido de "Defesa Civil:15:54 Chuva intensa na Z. oeste, sul e centro da Capital. Atinge cidades vizinhas. Nao enfrente alagamentos. Busque abrigo.", "Defesa Civil:14:45 Chuva intensa na Z. sul e norte da Capital. Tem raios. Atinge cidades vizinhas. Busque abrigo. Se estiver em rio ou lago, saia ja." e "Defesa Civil: 07:24 Chuva intensa persiste no ABCD, Centro e Zona Sul da Capital. Tem raios. Atinge areas proximas. Busque abrigo. Nao fique embaixo de arvores.", soa quase como algo educativo. Ok, de vez em quando até têm uns alertas antes do negócio acontecechegar, como "Defesa Civil:19:31 Chuva intensa em Cotia e Cajamar. Avanca para Capital e regiao. Tem raios. Busque abrigo. Nao enfrente alagamentos. Nao use agua de enchente.". Isso quando não chega a notificação mas nada acontece nas redondezas (olho ao redor a partir do apartamento [que oferece uma visão minimamente privilegiada se considerando simplesmente olhar do nivel da rua] e tá tudo normal), parece que as áreas de abrangência do serviço são muito grandes. É claro, não espero que os caras tenham uma base de monitoramento na minha rua, mas pelo menos algo a nível de subprefeituras, distritos… A verdade é que das centenas de mensagens que recebi nesses poucos anos provavelmente nenhuma se mostrou útil pra mim.
Sei lá, talvez seja porque eu (felizmente) não moro em área de risco.
Outra coisa, agora a título de dúvida: se acontece algum evento grande a nível nacional (todo mundo falando da terceira guerra mundial, vamos supor que resolvem bombardear o País) o Governo se vale daqueles Flash SMS/SMS classe 0 [como fazem os EUA, Japão, etc.) ou eles só são usados mesmo pelas operadoras pra tentar lesar o consumidor?
Edit.: complemendo com algo que percebi ao escrever um dos comentários:
Copiando aqui o que coloquei noutro comentário:
Concordo que é algo no sentido "tome cuidado", mas é que é sempre a mesma coisa, entende? Tipo, eu já sei que não é pra enfrentar alagamento e já sei que tá chovendo, não vejo muita utilidade em receber um SMS falando isso. O mesmo pra raios, a pessoa percebe o tempo mudando e talz. Pelo menos os que recebo sinto que são basicamente pra contornar uma falta de educação e bom senso da população sobre o assunto.
Talvez pra quem mora em área que tem risco de desmoronamento seja mais útil, tipo receber um SMS no meio da madrugada e dar tempo de sair de casa, um rio que tá transbordando ou uma barragem que tá prestes a se romper e eles avisam o pessoal com antecedência pra já evacuar a área (que é o tipo de coisa que você só percebe quando o negócio já chegou)… Acho que era mais ou menos isso que eu esperava do serviço, entede? Algo que pudesse me alertar sobre coisas que eu realmente não tenho muito como saber por simplesmente olhar pro céu.
submitted by CaPeBaLo to brasil [link] [comments]


2020.01.05 21:14 questionneur_social #Estamos de fato melhorado como sociedade?

Bom dia a todos ontem teve aquele caso da trans no banheiro feminino, e sua repercussão me fez questionar um ponto importante na atual organização da sociedade humana pós-moderna: estamos de fato seguindo para uma sociedade mais igualitária?
Antes que qualquer um aqui venha dizer que o fascismo está impedido o progresso para uma sociedade mais evoluída, quero explanar algumas ideias sobre os acontecimentos e eventos do ultimo século para verificar se realmente a sociedade igualitária é viável em algum nível de fato ou se apenas estamos passado por um período de transição de poder, na qual futuramente a ordem social vai esta invertida para as “minorias” atuais, determinado os rumos da sociedade e com as “maiorias” marginalizadas pelo estigma histórico que bem como sabemos são a bases que molda a cultura humana na onde sempre baseamos nossas decisões em cima dos eventos do passado.
No caso das trans no banheiro feminino, ficou claro que nossa sociedade ainda esta muito intolerante sobre a divisão dos espaços com outros membros da nossa sociedade, vi muitos comentários defendo que ela tinha direito de usar o banheiro por ser uma mulher, outros que deveria ser criando um banheiro quase que segregado para uso dos LGBT+ para não cria constrangimento entre as mulheres biológicas que se incomoda com o seu espaço sendo invadido por supostamente homens de peruca e vestido.
>Bem o que isso nos mostra sobre a sociedade brasileira de 2020? Que é transfobica e intolerante com os normatização dos discursos de ódio por ter respaldo de um governo fascista?
Parece-me ser uma explicação muito simplista de alguém que quer encontra um bode aspiratório para explicar problemas de ordem social cultural e jurídico sem precisar pensar muito em como um simples fato de um pessoa ao mudar seu gênero e usar serviços e direitos anteriormente restritos ao outro gênero impactam na sociedade como um todo.
Simplesmente julgar que essas mudanças não abalão todo o funcionamento da sociedade que determina deveres diferentes as pessoas pelo seu sexo é muita simplicidade para analisar toda um movimento de reestruturação da sociedade que estamos vivendo, estamos falado em praticamente refazer hábitos que forma a base que fundamenta a estrutura de valores, cultura, direitos e deveres individuais da sociedade não apenas sobre direito de usar o banheiro que você se sente mais confortável.
Faço uma pergunta aqui, não havia transfobia antes do Bolsonaro chega ao poder?
Não havia racismo ates do Temer?
Não havia discurso de ódio antes de a extrema direita ganhar força nos governos mundiais?
Resumir a isso só aconteceu depois da eleição do Trump no EUA, me parece ser muito desonesto com a realidade da formação das estruturas internas das sociedades, o ser humano não é uma criatura simples na qual apenas por tem uma pessoas trazendo ideais extremistas elas aderem sem questionar, isso é extremamente mais profundo na formação evolutiva da humanidade e não se pode acreditar que é possível se desconstruir tal condição.
Você não consegue desconstruir um ser humano para ser outra coisa que não um ser humano, isso não é possível nem em temos de logica hipotética, não compreendo como possa haver a crença de que seria possível no nível pratico.
Já havia perseguição as judeus muito antes dos antes dos antepassados de Hitler sequer estarem vivos.
Já perseguição aos eslavos muito antes de Stalin ou o Czar Alexandre subirem ao poder.
Já existiam suprematistas brancos antes de qualquer um do partido replicando entra na politica.
Logo essas pessoas hoje no Brasil, homens e mulheres transfobicos são um resultado não apenas do aumento do fascismo e liberdade para descriminar os diferentes e minorias.
#São simplesmente o resultado que silenciar todos no pretexto contenção do discurso do ódio não funciona e essas pessoas por se sentirem traídas pela sociedade que prefere não analisar suas reivindicações e problemas, mais sim buscar silencia-las para criar um estado artificial de bem estar na sociedade.
Sinto que essa tática do *”se eu não vejo ódio nas pessoas, então concluo que ele não existe”* esta começando a mostra claros sinal de que não funcionar mais tão bem como funcionava na ultima década, e que ignorar certas opinião de alguns por julgar que elas são destrutivas ( o que em grande caso são porem são baseadas em alguma realidade) esta corroendo as sociedade por dentro como cupins comendo uma arvore de dentro para fora, esta fincando claro que apenas taxar de discurso de ódio opiniões que critiquem certos grupos de pessoas sem buscar compreender as razões dessa declarações e buscar formas de censura tal opinião sem análise vai culminar na destruição da sociedade como um todo.
Pelo o que pude observa sobre o caso do banheiro, uma mulher trans de aparência não masculina, (isso é um ponto muito importante para essa discussão), foi impedida de usar um banheiro para poder fazer suas necessidades, com um lado dizendo que isso configura transfobia, confirmado pelo [PL 112] (https://pt.wikipedia.org/wiki/PL_122) mostrando um claro desrespeito a liberdade individual das pessoas a frequentarem a determinados lugares de uso publico.
Ao mesmo tempo temos mulheres que estão incomodadas com a possibilidade de terem o seus espaço invadido por trans visto que os espaços masculinos não sofre do mesmo problema devido a fuga dos trans por julgarem que sofreriam assedio em banheiros masculinos, logo além da sensação de que os trans estão usando um espaço que elas batalharam muito para conseguir, também sente o estranhamento de isso implique em ter homens travestidos de mulheres invadindo a seu ambiente em um momento vulnerável.
Eu coloque anteriormente que se tratava de uma trans de a fisionomia claramente feminina, porém acredito que o medo das mulheres que não aceitam essa invasão se deve ao afrouxamento do conceito de [identidade feminina baseado no sentimento interior do individuo] (https://www.conjur.com.b2018-set-23/mudanca-genero-questao-direito-arrependimento) e a possibilidade de pessoas como [Karen White, de 52 anos, estava presa preventivamente pelo estupro de duas mulheres e já havia respondido antes por abuso sexual infantil, foi transferida para um prisão feminina após de declara como mulher a corte] (https://www.bbc.com/portuguese/internacional-45482538) poderem adentra banheiros e espaços femininos baseado apenas no fato de se sentirem mulheres e assim porem atentar contra a segurança das mesmas.
Não vejo o problema de como trans com fisionomia feminina como [Ticiane Fernandes]( https://www.google.com/search?q=ticiane+fernandes&newwindow=1&sxsrf=ACYBGNTw84MuyIe3Lut4AX89xTW8T0VUcg:1578250644903&source=lnms&sa=X&ved=0ahUKEwiNgbnoke3mAhVOIbkGHVE8DloQ_AUIDSgA&biw=1366&bih=614&dpr=1) venhao%20venhao) a ser algo que incomode alguma mulher, me parece ser algo muito mais relativo a não mais haverem limites que ordenem oque cada sexo pode ou não fazer, com tambem não haver meios de conter um molestador por frouxamento da sociedade, se trata de um problema de ordem estrutural dos deveres e obrigação, não algo motivado puramente por ódio ao diferente, e sim algo mais complexo que uma simples analise superficial da situação podem falar.
Pois como filtra essas pessoas que pode ou não agir de má fé para se beneficiarem em do caos social que deixou varias brechas abertas para esse comportamento oportunista?
Parece-me claro que se trata mais sobre ao liberar esses espaços sem uma clara definição do que é uma mulher poderia abri espaço para que homens ao colocar uma peruca não pudessem ser impedidos de ser retirado desse espaço ao afirma que é uma mulher em inicio de processo de transição ou declarar ser de gênero fluido e se sentirem naquele momento uma mulher e possibilitar um oportunista cometer abusos por esta explorando a falta de ação das pessoas apegadas a características da fisionomia masculina e feminina para determinar os gêneros na sociedade.
Por mais que exista a discussão sobre gênero e papel de cada sexo, a fisionomia e entendimento do que é um homem e o que é uma mulher esta segue completamente inalterada, por mais que existam dragqueens se montando como mulheres e desconstruindo dos estereótipos masculinos, ainda temos forte em nossas cabeças que mulheres possuem seios e homem barbas e carecas, mulheres usam roupas que exibem seus corpos, homens usam roupas que apenas confortáveis, a camisa regata e short pega rapaz segue sendo a peças mais reveladoras do guarda-roupa masculino. homens são musculosos e possuem uma anatomia mais "agressiva", mulheres possuem anatomia marcada por curvas e traços mais "delicados".
Ou seja, os valores de identificação visual de cada gênero não poderiam estar mais solidificados, mesmo com movimentos de contra cultura questionando esses padrões, ainda se tem enraizado claramente o que deve se considerado uma mulher e oque deve ser considerado um homem e esse pensamento subjetivo de que as pessoas podem mudar tais características e serem novos seres humanos com valores reformulados por conta de sua nova condição física esta entrado em conflito com a primeira condição, ser homem e mulher esta muito além de sensação intima do ser humano sobre como ele enxergar a si mesmo e em algum momento deve ser evidenciado por caracterização física como roupas, cortes de cabelo e comportamento ou será puramente abstrato demais para ser considerado valido.
Acredito que no âmbito feminino, a possibilidade de homens se aproveitarem dos espaços de mulheres e não haver formas de identificar essa atitude, pois ser mulher esta entrado em uma fase de interpretação do entendimento da maioria não em evidencias rastreáveis, venha causa mais medo do que um eventual trans molestador nos banheiros femininos, a fato de estamos claramente preso a fisionomia para identifica os sexos e o fato de não ser mais necessário a cirurgia de resignação e aparição de termos como *”pênis feminino”* sendo considerado como anatomia feminina valida esta gerando o sentimento de perda de espaço feminino conquistado, pois levou-se quase 250 anos para cossegurem chegar aonde estão, e levou nem 20 anos para os trans superarem esses supostos direitos adquiridos.
Também em minhas pesquisas foi notado que muito das criticas as trans partem de homem que teriam sua sexualidade fragilizada e frustada pelo aumento do protagonismo de trans na sociedade.
Bem como foi dito anteriormente, estamos apenas a silenciar essas pessoas e não ouvindo oque ela tem a dizer e por que estão descontentes com essa situação e ficar apenas acreditando que se eliminarmos todos os discursos de ódio dessas pessoas elas não irá ficar ressentidas e os problemas desapareceram é claramente um sinal que não estamos tendo maturidade para perceber a dimensão desse problema e de como estamos achando que isso só deve ser silenciado para não gera mais ódio claramente demonstra que:
>não apenas o ódio gera mais ódio, mais ressentimento e coerção gera rancor e gera ódio como produto final.
>E que estamos completamente esvaziados de empatia. Nós cobramos e ficamos ofendidos quando não a recebemos, isso sem jamais mostra qualquer comprometimento em devolver.
Vejo que para muitos homens, os transxessuais estão se evadindo das [responsabilidades inerentes ao gênero masculino ao nascer] (https://www.conjur.com.b2012-mar-08/seriam-homens-mulher-realmente-iguais-lei), como alistamento obrigatório, aposentadoria mais tardia, cobrança de penas diferentes para os mesmos crimes e outras questões dos direitos masculinos e estariam se apropriando dos direitos jurídicos das mulheres, que na atual sistema social SÃO inegavelmente mais vantajosos que os dos homens, e assim sendo traídos pela sociedade que ainda os responsabilizam por todos os problemas históricos e culturais.
As mulheres apontam [privilégios sociais que os homens possuem naturalmente]( http://nodeoito.com/privilegios-homens/), homens os [privilégios das mulheres que estão no âmbito jurídicos e políticos oriundos uma sociedade ginocêntrista, que valoriza o bens esta social da mulher sobre o custo da do homem]( https://br.avoiceformen.com/movimento-por-direitos-humanos-dos-homens-e-meninos/uma-introducao-sobre-direitos-dos-homens/). (NOTA, aos que acham que a *voice for men* não é uma boa fonte para pesquisa, aonde irasse encontra uma discussão sobre direitos masculinos que não em uma pagina de direitos masculinos?).
Logo o [sentimento de perseguição]( https://exame.abril.com.bcarreira/homens-do-vale-se-organizam-por-mais-direitos/) e [falta de atenção ao seus problemas na estrutura da sociedade] (https://mercadopopular.org/internacional/o-problema-com-o-movimento-pelos-direitos-dos-homens/) passa a ser ainda mais mitigados em função de haverem pessoas que podem simplesmente abandonarem tal condição puramente transacionado entre os gêneros, aumentado ainda mais o sentimento de traição da sociedade que não valorizam seus esforços como também a visão que mesmo os homens trans não possuem as mesmas responsabilidades por não terem nascido como homens biológicos, os largando abandonados e ainda tendo suas reclamações e problemas jogado para um segundo plano para dar espaço para “*problemas mais urgentes na esfera social, jurídica e criminal*”.
Essa é uma sensação devastadora, pois causa uma profunda sensação de abandono e traição de tudo em que acreditaram como correto e que vale a pena defender.
#Como posso ser o individuo mais privilegiado da sociedade se sou tratado como um cão sarnento velho e doente?
Parra a grande maioria dos homens, o foco nas questões dos transexuais não altera a estrutura social ginocentrista e ainda dar a garantia que alguns nascidos homens biológicos possam pura e simplesmente abandonar essas condição e responsabilidades por escolha pessoal, escolha essa que não possuem, visto que os valores masculinos cria a noção que quanto maiores a suas responsabilidades mais homem você se torna, transexuais homens e mulheres que não possuem a mesma cobrança social que eles possuem. É a traição final da sociedade para um com grupo que vem se sentido abandonado.
Como sabemos, estamos em um momento de crise mundial já na primeira semana da nova década, e as piadas sobre a possibilidade da terceira guerra deixa os ressentimento mais a tona.
Em todas as paginas do Reddit e outra redes, piadas de como o feminismo vai mudar o seu discurso de *direitos iguais*, para *não é tão ruim ser dona de casa e criar os filhos*, mostra mais o que para alguns é apenas uma demonstração de misoginia e ódio contra as mulheres, é a evidencia que busca um bem estar social unicamente silenciando quem discorda do conceito geral de igualdade está apena gerando um enorme grupo de pessoas ressentidas e agora que um problema que afetará a vida de todos, guerra em nível global, estão de forma irônica se questionado se as mulheres iram tomar parte nas responsabilidades da manutenção da sociedade ( sim guerras são uma forma de organização social extrema) ou se iram ficar no confortável modelo ginocentrico que visão não expor mulheres ao perigo e sacrificar homem para mante-lo.
Isso é mais que homens com masculinidade frágil distribuído discurso de ódio, é um sinal que o modelo de busca pela igualdade baseada apenas em silenciar discurso de ódio de e dar protagonismo a certos grupos esta corroendo a sociedade por dentro como cupins comendo um arvore, você pode não ver a ação deles matando ela, mais ao tentar escalar seus galhos frágeis e quebradiços não deixa duvidas que tem algo que está muito errado.
Em minha humilde e talvez impopular opinião, o que aconteceu ontem em um shopping em Maceió vai muito além de crescimento do fascismo, da intolerância da transfobia ou qualquer outro comportamento danoso a nossa sociedade, mais si uma clara evidencia que simplesmente não olhar pra sinais simples de que taxar tudo de discurso de ódio e não se questionar o motivo de por que as pessoas estão insatisfeitas e se suas insatisfações possuem alguma fundamento apenas ira fazer com episódios como os de ontem se repitam mais frequentemente ao longo desse ano.
Já não se trata mais de medicar tudo como fascismo, as pessoas estão ficando completamente ressentidas e abandonas por dentro vendo que outras pessoas merecem mais atenção em seus problemas, ouvindo que por serem privilegiadas não deveriam criticar tais ações, ouvindo que deve se desconstruir e ajuda a solucionar os problemas e não vendo ninguém dar qualquer atenção ao seus próprios.
Não é por conta do fascismo ou socialismo que estamos pegando em armas, mas por que preferimos cria um mundo de mentiras, na qual todo ficam em silencio para não ofender ninguém, e você não pode acreditar que da para fazer isso para sempre, uma hora as pessoas se canção e volta agir como querem.
#Ou começamos a investigar esses discursos de ódio e buscamos formas de lidar com as questões de TODO mundo, ou essa guerra sem duvida será a forma de como vamos soluciona isso, acha que “se não estou vendo, logo não existe” vai matar a espécie.
submitted by questionneur_social to brasilivre [link] [comments]


2019.12.22 08:17 MinistroPauloCats A História da Criminalidade no Rio de Janeiro

A HISTÓRIA DA CRIMINALIDADE NO RIO DE JANEIRO


O professor de história Carlos Eduardo aponta os fatores que levaram o Rio de Janeiro a se tornar uma referência negativa no que tange a criminalidade.

A seguir uma descrição do que aconteceu em todos os governos desde o final daquele que antecedeu o governo Brizola em diante para entender como é que se deu essa crescente violência do Rio de Janeiro.

Em primeiro lugar eu gostaria de voltar um pouquinho no tempo, quando a capital saiu para Brasília. Eu considero uma tremenda lástima a saída da capital do Rio de Janeiro para Brasília.

Primeiro, porque ela foi baseada numa falácia: que iria desenvolver o Centro-Oeste. Na verdade o que desenvolveu o Centro-Oeste foi o agronegócio. Cidades já existiam e apenas cresceram. Brasília nada produz.

Segundo lugar, tirou o poder de junto do povo. Hoje em dia é impossível você chegar junto de qualquer autoridade para reivindicar qualquer coisa em Brasília, em parte por causa da distância. Quando Brasília foi construída era possível chegar do Rio de Janeiro de São Paulo, de Belo Horizonte em 3 horas. Hoje em dia não existem mais trens passageiros no Brasil. Então você tinha uma facilidade imensa de levar as pessoas até lá, se bem que quando chegassem lá essas pessoas também não teriam mobilidade, mas era possível chegar.

A cerca de quatro anos depois da construção de Brasília esses trens foram suprimidos. Então Brasília hoje é um lugar isolado. Ninguém vai para Brasília por menos de 3-4 mil reais. Quando a capital saiu daqui, foi para Brasília, o poder se distanciou do povo.

Surgiu então uma questão secundária: o que fazer com isso aqui. A PDF - Prefeitura do Distrito Federal - foi criada ainda no tempo do Império, no tempo das diligências, através do ato adicional que criou o Município Neutro, que não fazia parte do estado do Rio de Janeiro.

Então eles resolveram criar um novo estado aqui: o estado da Guanabara. Esse estado da Guanabara teve um governador que foi talvez um dos melhores governadores que o Brasil já teve chamado Carlos Lacerda. Ele não era perfeito, cometeu grandes erros, mas Lacerda foi um exemplo, um divisor de águas na administração pública brasileira.

Um desses erros que infelizmente Lacerda cometeu foi a política de erradicar algumas favelas extremamente incômodas, as populações consideradas problemáticas que ficavam na Zona Sul da cidade e transferir essas favelas para grandes conjuntos habitacionais na Zona Oeste na zona rural da época.

Então depois de Lacerda tivemos o governador Negrão de Lima, que foi um governador absolutamente apagado, e tivemos o governador Antônio de Pádua Chagas Freitas, que era dono do jornal O Dia. Na época era um jornal popular do tipo que se espremesse saía sangue. Hoje tem uma linha editorial totalmente diferente, mas antigamente era mais especializado em funcionários públicos e outras notícias assim.

Pois bem, esse governador Chagas Freitas era um governador extremamente impopular. Ele ficou dois mandatos, um pelo estado da Guanabara, depois ele ficou mais um tempo como governador do estado do Rio uma vez que houve fusão do estado do Rio de Janeiro com o estado da Guanabara.

Quando houve essa fusão, o tipo de política que se fazia no estado do Rio de Janeiro era bastante ruim, baseada em na figura dos chamados coronéis. A política do Rio de Janeiro era muito personalista, e esse tipo de política é baseado em compra de votos, nomeação de cargos públicos, de funcionários públicos sem concurso apenas por conhecer um político. Esse tipo de vício político invadiu estado da Guanabara e ao mesmo tempo a riqueza do estado da Guanabara - que era o segundo estado mais rico da federação e participava com mais de 30 por cento da economia do Brasil - essa riqueza toda passou pra esses políticos do interior.

Nesse contexto nós tivemos o segundo governo do Chagas Freitas e aí veio o processo chamado Abertura. Então o governador Brizola voltou. Brizola era um antigo conhecido dos cariocas. Brizola uma vez boicotou a vinda do chamado feijão preto para o estado da Guanabara. Por uma particularidade que eu não sei explicar porquê, o Rio de Janeiro é o único estado da federação que o feijão preto é a base alimentar. O feijão preto era plantado no Rio Grande do Sul apenas para abastecer o estado do Rio de Janeiro. Nos outros estados o feijão preto é consumido mais como exceção, mas aqui é consumido diariamente, inclusive tem muita gente que como feijoada diariamente. Mas enfim, o Brizola, então governador do Rio Grande do Sul, por várias maneiras conseguiu impedir a vinda de trens, de caminhão, de navegação de cabotagem com gêneros alimentícios para o estado da Guanabara.

Embora a capital oficialmente já tivesse saído para Brasília, a capital de facto ainda era aqui. Tanto é que no dia 31 de março, o saudoso general Olímpio Mourão Filho desceu de Juiz de Fora para colocar fim ao comunismo de João Goulart. Ele desceu para o estado da Guanabara.

Muitas estatais estavam aqui, muitos ministérios estavam aqui e há até hoje: a Petrobrás está aqui, a Ancine está aqui, acho que o IPI também, o Instituto de Pesos e Medidas, a Biblioteca Nacional, o próprio Museu Nacional que pegou fogo, o palácio da Quinta da Boa Vista, ainda tem muita coisa federal aqui.

Quando os militares abriram as portas, o senhor Leonel Brizola, que foi o homem escolhido para implantar o comunismo no Brasil, um comunismo do tipo cubano, esperou um tempo para ter certeza que teria segurança.

Ele era um homem que, pelo rádio, conclamava o povo incitava o povo a fazer pequenas milícias de guerrilha para derrubar o governo militar, aliás ele tramava para derrubar o próprio cunhado dele João Goulart - era completamente obcecado pelo poder.

Esse homem perturbou imensamente o governo de Carlos Lacerda. Ele e Brizola eram inimigos figadais, eles tinham um ódio irreconciliável. Mas como Lacerda foi um excelente governador, ele praticamente pavimentou todas as ruas do Rio de Janeiro, ele acabou com a questão da vala negra a céu aberto, ele asfaltou muitas ruas. Infelizmente ele acabou com o bonde, fez algumas coisas erradas. Todos esses conjuntos habitacionais foram também muito ruins, mas de um modo geral, só o fato de ele acabar com o problema da falta d'água já foi uma coisa maravilhosa.

As pessoas contavam, eu escutava isso das pessoas antigas e ficava imaginando: pessoas que tinham que trabalhar às seis horas da manhã no dia seguinte levantavam às 5 horas da manhã, eles ficavam acordados na calçada das casas até meia-noite às vezes, até uma hora, esperando barulhinho de cair um ou dois palmos de água na caixa d'água.

Isso era o Rio de Janeiro antes de Lacerda, havia o racionamento. Eles um dia apagavam a Zona Sul, no outro dia apagavam o Centro. Imagina as pessoas que estivessem dentro dos elevadores!

Havia uma hora certa que a luz seria desligada então a Light orientava todos os motorneiros de bondes a destrancar os cruzamentos. O negócio era muito bem cronometrado para que não acontecesse dos bondes pararem justamente dentro dos cruzamentos. E depois nos outros dias eles apagavam a zona rural e a Baixada Fluminense.

A Light era concessionária tanto do estado da Guanabara como de parte do estado do Rio. O consumo era muito pequeno por aqui então eles apagavam tudo junto e o Lacerda conseguiu acabar com isso. Fez uma termelétrica em Santa Cruz.

Então o povo começou a gostar muito do Lacerda e ao mesmo tempo começou até essa ojeriza do Brizolismo.

Mas em 1980, de repente Brizola volta. Na eleição Brizola era considerado um azarão a a pessoa mais cotada para ser a governadora era a deputada, na época a ex-ministra da Educação, professora Sandra Cavalcanti, que era da linhagem política direta de Carlos Lacerda.

Sandra Cavalcanti já estava praticamente eleita quando de repente acontece uma reviravolta na mídia e a contagem dos votos revela Brizola com 32% dos votos! Muito estranho!

O voto era feito de papel e quem contava o voto eram apenas funcionários públicos, a esmagadora maioria. Na hora de contar os votos tinham fé pública, ou seja, o que eles diziam que tinha na urna era aceito sem questionamento.

Os títulos de eleitor que tinham digital da pessoa, tinham apenas uma foto que muitas vezes era a foto de infância. Então o processo eleitoral foi bastante turbulento. A apuração demorava muito em lugares extremamente quentes e abafados e as pessoas contando votos de muita má vontade, embora o funcionário público ganhasse dias para fazer aquilo. Era uma fraude tremenda em todos os níveis. As pessoas hoje reclamam da urna eletrônica mas as pessoas não têm noção do que era a fraude no voto de papel.

De repente, no segundo turno Brizola se elege com 32-33% dos votos. Ninguém teve maioria absoluta. Carlos Lacerda tinha morrido seis anos antes e a memória dele ainda estava recente. Mas a professora Sandra Cavalcanti era da linhagem direta dele e foi alijada do sistema.

O governador Chagas Freitas havia se envolvido numa coisa que eu considero um dos maiores erros políticos no Brasil que é praticado desde o presidente Marechal Hermes até os dias de hoje: a política dos grandes conjuntos habitacionais.

Esses grandes conjuntos habitacionais eram conjuntos pra mil, 1700, 1800, 2300 famílias. O MDB na época viu que os grandes conjuntos habitacionais no Rio eram um celeiro de votos. Muitos políticos viram e perceberam isso então eles faziam todo um esquema de obras parciais.

O que eram essas obras parciais? Por exemplo: pavimentar uma rua até a metade e essa pavimentação acabaria exatamente no dia da eleição. Colocar água numa rua até a metade e iluminar uma rua até a metade. Isso gerava muitos votos.

Então eles deixaram todo o esquema pronto para o Brizolismo se implantar. O Brizolismo chegou e pegou essa população extremamente carente e extremamente cansada de mentiras, vivendo em condições péssimas.

Um dos pilares do Brizolismo, que acabou sendo um dos pilares da esquerda hoje, é a militância a nível local, a capilaridade - isso falta muito à nossa direita hoje. Eles colocavam ou pegavam ali naquela rua quem era o sujeito mais ligado pra fazer essas coisas, tipo falar em público, com disposição pra contato com as autoridades, capaz de fazer abaixo-assinado, etc.

Pegava aquele sujeito e dava o telefone do Palácio e aí, para surpresa de todos, aquele sujeito ia num orelhão - na época ninguém tinha telefone em casa - e telefonava para o palácio e, por incrível que pareça, o senhor governador Brizola atendia pessoalmente.

Atendia esse cidadão que fazia a queixa lá de alguma coisa e no dia seguinte o governador passava por cima de prefeitura, passava por cima de secretarias, passava por cima de todos os órgãos para executar aquele serviço.

A Constituição de 67 dizia que nas capitais e nas grandes cidades e nas áreas de segurança nacional, o prefeito seria nomeado pelo governador. Isso é um cenário maravilhoso se você tivesse todos os governadores alinhados. Mas de repente você tem um Brizola governador, então o prefeito aqui era chamado na época pelos jornais com um apelido pejorativo - "domésticas" - era um tanto preconceituoso. Então tinha o "empregadinha" do governador, "doméstica" do governador de modo que a prefeitura era uma ficção jurídica e o estado era que mandava.

Esses grandes conjuntos habitacionais rendiam milhares e milhares de votos. Esse é o primeiro ponto. Foram essas pessoas que faziam a ponte direta entre o partido PDT.

O segundo ponto que firmou Brizolismo, mas extremamente nocivo à população, foi não combater mais o narcotráfico. Então há a partir dali a venda de drogas, de qualquer tipo de entorpecente. A cocaína na época ainda era uma droga cara demais, se vendia bem pouco. Mas a maconha sempre foi mais barata e mais fácil de produzir.

Enfim então foram dadas ordens explícitas à Polícia Militar do estado do Rio de Janeiro que não subisse o morro, que não combatesse os traficantes de drogas. Isso aí nas favelas que ficavam nas regiões ricas da cidade, a Zona Sul, no Centro. A Zona Norte na época não estava tão favelizada como hoje em dia. Assim, além do consumo local começou a ter um consumo de uma elite, classe média, que começou a parar ali e comprar.

O terceiro ponto do Brizolismo é o funcionário público. O Brizolismo não tinha qualquer tipo de responsabilidade financeira com o Erário. Em outras palavras eles colocavam aumento em cima de aumento do salário do funcionário público. Pra você ter uma idéia nós estávamos na época com taxas de inflação volta de 16 a 20 por cento ao mês. Talvez um pouco menos. E todo mês havia reajuste automático sendo que a cada três ou quatro meses mais uma folha complementar.

Imagina você gastar todo seu dinheiro, completamente afogado em dívidas e de repente vem o seu patrão, que é o governo do estado, governo do município, e diz "agora você vai ter dois pagamentos de salários". Então foi o caso de amor à primeira vista né!

Quando o Brizola fez alguma pouca coisa certa a gente tem que elogiar: ele fez um rigoroso combate ao funcionário fantasma. Ele combateu muito funcionário fantasma, mesmo porque ele precisava de dinheiro. Talvez não fosse tanto pelo aspecto da moralidade mas por um aspecto estratégico e precisava de dinheiro.

Então funcionário público teve acréscimo do padrão de vida dele que foi absurdo e isso fez o terceiro pé do Brizolismo.

Então você tem funcionários públicos completamente fanatizados, você tem esses líderes comunitários - isto é, mais tarde foram chamados de líderes comunitários mas geralmente eram gente de igreja. Gente da Igreja Católica, formada pela esquerda católica, que se tornaram líderes de ruas e associações de moradores, etc, a começar a formar um poder paralelo.

Você não precisava mais falar com o administrador regional, nem com o secretário de obras, nem falar com o prefeito, dependendo da sua condição só falava diretamente com o governador.

O terceiro ponto que foi essa liberação... liberação tática, obviamente. Não podia liberar da lei mas foi a liberação do tráfico - não só do tráfico mas a liberação ao furto de serviços da concessionária. A Light começou a ter uma uma evasão de energia elétrica imensa mas não podia mais cortar. A CEDAE que era a concessionária de águas e esgotos nem se fala! Os canos passam por debaixo da terra e era tanto gato mas tanto gato que nem a CEDAE sabia mais quanta água estava sendo consumida em determinado bairro.

Tudo isso e ninguém podia cortar o serviço. O sujeito simplesmente recebia conta d'água e engavetava, que não era cortado o fornecimento.

Isso tudo foi criando hábitos: o muro da linha do trem - nós temos aqui um serviço de trens elétricos que foram os últimos dois grandes serviços de trens elétricos que sobraram no Brasil. Começaram a fazer um monte de buracos na muralha da linha do trem e as pessoas entravam na faixa de domínio, ficavam sem pagar o trem, pulavam o muro, faziam buracos, etc. Então se criou essa cultura perversa do não pagar.

Não há como uma sociedade baseada nisso prosperar. Pelo contrário, costumo dizer que o Rio de Janeiro hoje é um cadáver de 35 dias. O Rio de janeiro está podre e já está acabado mas só não desistimos isso aqui primeiro porque nós amamos muito e segundo porque isso aqui é fundamental para o resgate do Brasil. O futuro do Brasil passa por aqui e a terceira coisa, nós temos nossas famílias, temos nossos empregos, nós temos os nossos negócios aqui, apesar de toda a violência, toda criminalidade, ainda sobrevivemos isso aqui.

Por incrível que pareça ainda existem empregos aqui, embora o Brizolismo tenha matado a indústria do Rio de Janeiro a unha. Havia um órgão ambiental chamado FEEMA. A FEEMA destruiu por exemplo a indústria cimenteira do Rio de Janeiro, destruiu a indústria química. Eram multas e regulamentações e não só a FEEMA, qualquer tipo de órgão.

Perto aqui da minha casa existe uma estação chamada Benjamim do Monte e um grupo japonês de estaleiros chamado Ishikawajima fundou uma empresa chamada Ishibrás. Era um grupo que tinha uma montadora de peças para navios. As peças brutas eles faziam junto do mar e as peças mais leves eram feitas numa fábrica aqui em Campo Grande.

Quando foi instalada aqui a primeira coisa que descobriram é que não tinha como tirar a carga porque nas ruas tudo contribuía para travar o caminho dos caminhões. Nem memso pela linha do trem podia mais porque a rede ferroviária proibiu o tráfego de cargas nas linhas de subúrbio.

Então não tinham mais como descer as peças deles de trem - eram peças pequenas, mais sofisticadas, mas pequeno para o navio ainda é muito grande. Então aquilo passava batendo em sinal de trânsito, batia em fiação, enfim, causava problemas com a vizinhança e conflitos.

Depois de 12 anos ele simplesmente abandonaram aquilo e saíram. Largaram tudo e a indústria naval do Rio de Janeiro foi destruída. Hoje em dia eu sei que esse fenômeno não foi apenas aqui no Rio de Janeiro, foi no Ocidente inteiro.

A indústria naval foi destruída nessa época entre os anos 80 e 2000 e hoje a gente sabe o resultado. A indústria naval foi destruída e foi toda levada à China. Não é uma mera coincidência.

O que sobrou de indústria no Rio de Janeiro? Bancos, por exemplo, não temos mais nenhum. Você pensa, por exemplo, naquele piloto de Fórmula 1 que sofreu um acidente terrível nos anos 70 chamado Nikki Lauda. Ele tomou um concorde e veio para o Rio de Janeiro para ser operado pela equipe do cirurgião Ivo Pitangui na Santa Casa de Misericórdia - que aliás tinha uma ala que foi administrada pelo Doutor Enéas Ferreira Carneiro. Foi operada aqui a primeira linha comercial do Concorde, o avião supersônico, foi de Rio de Janeiro a Paris.

E você pensa o que é o Rio de Janeiro hoje? O que virou isso aqui? É triste demais! Eu tenho vontade de chorar. É deprimente, mas isso também não quer dizer que nós vamos entregar os pontos.

Mas porque os governos que vieram depois não foram consertando o que o Brizola deixou? Tivemos quatro anos de Brizola numa época que a Constituição lhe dava praticamente plenos poderes. Ele podia mexer como ele queria com o orçamento, podia dar plenas ordens à Polícia Militar, não tinha Ministério Público, não tinha uma imprensa cáustica no pé dele o tempo todo, não tinha políticos de grande porte que se opusessem a ele.

Então com quatro anos você estraga demais uma sociedade, principalmente uma sociedade que está acostumada à benesse. Ele dava muitas benesses pra funcionário público e donos de associações de moradores e para políticos, deixando-os governarem junto com ele.

Moreira Franco chegou e interrompeu o ciclo Brizola. Moreira Franco foi eleito dentro da onda do Plano Cruzado. Queiramos ou não, Brizola na época foi o único que denunciou o estelionato eleitoral do Plano Cruzado. Esse plano não seria apenas um congelamento de preço. Havia todo um arcabouço ali de cortar despesas públicas e de privatizar estatais - já naquela época se pensava isso - mas o governo Sarney não deixou. Não pagou o preço político e apenas fez o congelamento e o segurou o quanto pôde até às eleições.

Então você tem um Moreira Franco enfraquecido. Ele já não era querido das pessoas. Na eleição do Brizola ele chegou em segundo lugar e tinha sido prefeito de Niterói e muita gente o detestava completamente.

Então o governo Moreira Franco foi um governo fraco. Foi um governo que tentou ainda combater um pouco a bandidagem. Esse mérito tem que ser dado, mas a coisa já estava muito enraizada. Ele ganhou uma antipatia absoluta do funcionário público porque ele fechou a torneira do dinheiro e os salários foram achatados, foram reduzidos à realidade. Muito dinheiro que era mandado para manutenção de escolas e hospitais e outras repartições foi cortado pois o Erário estava completamente falido.

Então quatro anos depois você tem o Brizola 2. Nesse segundo governo Brizola se concentra não mais na política dos CIEPs. CIEPs são escolas em concreto pré moldado que ele dizia que era para 500 alunos, mas na verdade eram dois turnos de 250. O CIEP inaugurou essa essa concepção que nós temos hoje de escola-prisão: você tem que prender a criança dentro da escola, não pode deixar a criança em sua casa, não pode deixar a criança sair... Há 220 dias letivos por ano, então é um público cativo para doutrinação.

Brizola gastou muito dinheiro com CIEPs e Moreira Franco abandonou aquilo. Quando Brizola retoma quatro anos depois, ele pega boa parte do dinheiro do Erário, conclui aqueles CIEPs e começa novas obras de CIEPs e coloca o pé numa nova fronteira política, que é legalizar as grandes invasões de terrenos, grandes invasões de terras.

Então você tinha enormes áreas da zona rural que eram destinadas à agropecuária. Em Campo Grande havia a Manteiga Campo Grande que era vendida pro Brasil inteiro e de repente essas áreas todas se tornam imensas favelas. Um caos absoluto onde cada um, sem qualquer critério, sem necessidade alguma, pessoas que já tinham casa, pessoas que já tinham terrenos e bens, iam lá e pegavam de 4 a 7 lotes cercados com barbante, e 2 ou 3 meses depois o estado desapropriava aquela área e dava títulos de posse a quem quer que fosse.

Em pouco tempo depois nessas áreas, os bandidos e traficantes de drogas, já bastante fortalecidos, colocaram aquele pessoal todo pra fora e tomaram um monte desses imóveis.

Então você hoje tem imensas áreas no Rio de Janeiro que são áreas oriundas dessa situação, com ruas de três metros de largura, sem espaço de arejamento, sem espaço pra escola ou lazer. O lazer lá hoje em dia são bailes feitos pela bandidagem infelizmente. Esse empreendimento foi tomado realmente pelo submundo.

Então aquilo espalhou o caos por todas as áreas. Hoje em dia praticamente não sobra uma área plana no Rio de Janeiro que não tenha sofrido algum tipo de invasão.

Com isso foi reforçada ainda mais a base eleitoral Brizolista. Quando Brizola saiu entrou o advogado Nilo Batista que é conhecido por ser um grande defensor de perseguidos pelo governo militar. Depois do Batista veio o governo Marcello Alencar, que já pegou isso aqui completamente destruído. O próprio Marcello Alencar era filho político de Brizola e depois veio Cesar Maia, que também era filho político de Brizola, fez muito proselitismo com o funcionário público e muito proselitismo com a terceira idade.

Depois veio uma figura completamente obscura que era um simples deputado estadual chamado Sérgio Cabral Filho. O pai dele era do movimento comunista e inclusive teve que deixar o Brasil durante o governo militar. O Sérgio Cabral Filho viu nesse filão aí da terceira idade o nicho de plataforma política no qual poderia conseguir o governo dele.

Depois veio o governo Garotinho. Os Garotinhos são um pessoal que veio de Campos e foi um desastre total para Campos. É aquele mesmo modo de fazer política do estado do Rio daquela época antiga.

Então nós não tivemos ninguém. Só agora o Wilson Witzel começou a enfrentar a bandidagem, coisa que não se fazia com seriedade há muito tempo.

E de fato ele não pode ser penalizado pelo estado de caos depois de 30 anos... 30 anos é mais de uma geração!

As pessoas hoje simplesmente não sabem pensar fora da gaiola. Um exemplo: eu falava com uma pessoa que é autoridade sobre questão de faixa de domínio da ferrovia invadida. Um sujeito simplesmente foi lá e fez o barraco dele em cima dos trilhos. Literalmente, o tráfego foi interrompido por um motivo qualquer e passados alguns anos o sujeito foi lá e fez uma casa. A gente estava falando do ramal de Mangaratiba. Já fizeram 140 casas em cima da linha do trem, que é terra da União. A resposta dele foi "ah mas nós temos que indenizar inclusive são casas boas, não sei o quê, temos que indenizar..."

Peraí como é que é isso? Onde nós estamos? Ele é uma pessoa boa, uma pessoa sensata e honesta, mas as pessoas já não conseguem mais pensar fora da gaiola. Como assim tem que indenizar quem invadiu o espaço público? Tem que indenizar quem edificou no canteiro central de uma avenida?

As pessoas perderam a noção do belo, a noção da funcionalidade do espaço, e também perderam completamente aquela alegria que o carioca tinha. O Rio de Janeiro era uma das poucas cidades nos anos 90 em que você estava andando pela rua e um estranho começava a conversar com você - em cidade grande isso não existe mais em nenhum lugar do mundo.

O Rio de Janeiro foi uma das últimas cidades que teve isso. Hoje isso foi perdido. Hoje o carioca é calado e introspectivo e só se solta realmente quando está em grupo de confiança. Não fala mais, completamente manietado e não sabe pensar diferente daquilo, pois, é claro, durante 30 anos só recebeu esse tipo de doutrinação, inclusive na escola, uma escola feita para imbecilizar. É difícil!

Mas nós temos jeito sim. Nós vamos conseguir dar a volta. Talvez nós não vejamos, talvez seja a próxima geração, mas essa semente tem que ser plantada agora. O país precisa ser limpo, ser preparado agora e
nós nunca mais teremos esse tipo de problema. Teremos outros problemas mas não esse tipo de problema.

https://www.youtube.com/watch?v=lfCFLYm2rDo
submitted by MinistroPauloCats to brasilivre [link] [comments]


2019.12.01 18:21 Stalin_bae Revisão da Rodada 38 (Série B) e do Campeonato

Olá minhas malas brancas, a Série B 2019 chegou ao fim, mas nem tudo ainda está resolvido.
13 rodadas finais na luta pelo acesso
16 rodadas finais na luta contra o rebaixamento
Terça-Feira 26/11
Moisés Lucarelli
Ponte Preta 4x0 Brasil de Pelotas
13' Lucas Mineiro 20 2T' Ednei (Vermelho)
17' Bill
21' Renato Cajá
21 2T' Leandro Leite (GC)
Ponte Preta mudou a escalação e na despedida da Série B deixou outros jogadores entrarem em campo e foi muito bem: em oito minutos marcou 3, Roger deu duas assistências e a macaca converteu as três grandes chances do primeiro tempo. O Brasil voltou melhor, até o Ednei ser expulso e o Araos marcar de falta após desvio de Leandro Leite.
Foi o primeiro gol profissional do Bill, jogador emprestado pelo Flamengo para a Ponte que pouco jogou.
Sexta-Feira 29/11
Durival Britto
Paraná 3x3 Botafogo
09' Luiz Otávio (GC) 13' Didi
40' Jenison 47' Murilo Henrique
43 2T' Bruno Rodrigues 32 2T' Diego Gonçalves
Com a Vila vazia, o jogo começou com gol contra do Luiz Otávio, mas a partida seguia disputada e logo em sequência, no primeiro chute, o pantera empatou. Botafogo seguiu ofensivo, assim como o Paraná, isso porque não jogam por nada. Jenison marcou de cabeça, mas antes do final da primeira etapa, Murilo Henrique empatou com um belo gol. Segundo tempo teve o mesmo enredo, a diferença foi que o Paraná teve as melhores chances. Botafogo marcou outro gol bonito com Diego Gonçalves, mas não impediu os donos da casa de empatar com Bruno Rodrigues. No final o Éder Sciola salvou o Paraná ao bloquear um chute do Diego Gonçalves.
Arena Barueri
Oeste 1x2 Criciúma
37' Fábio (Pênalti) 10 2T' Léo Gamalho
13 2T' Léo Gamalho
Se o Criciúma tivesse vencido o Paraná no Heriberto Hülse... Os gols da partida saíram dos artilheiros dos times, Oeste marcou de pênalti e no segundo tempo sofreu pressão do Criciúma por 13 minutos e acabou cedendo a virada, restante do jogo foi atacar, mas não conseguiu empatar.
Sábado 30/11
Nabi Abi Chedid
Bragantino 2x0 CRB
28 2T' Ytalo
44 2T' Claudinho
Bragantino começou lento, enquanto o CRB estava levando perigo e marcando bem. Massa Bruta conseguiu mudar o cenário tendo a posse, mas não levava muito perigo a meta do Fernando Henrique e o galo, por sua vez, pouco assustou Alex Alves. Bragantino dominou o segundo tempo, o CRB apenas se defendia e deu certo até a tabela de Ytalo e Aderlan resultar em gol. Segundo gol também teve participação do Aderlan, deu o passe para o Claudinho, que se livrou da marcação e ampliou.
Nesse jogo o Bragantino levantou a taça da Série B.
Antônio Accioly
Atlético 0x0 Sport
Primeiro tempo foi preocupante para o dragão, não conseguiu controlar o Sport, pouco criou e viu o Kozlinski e a trave salvar o time (assim como o São Bento). Segundo tempo foi melhor, logo no primeiro minuto Moacir marcou, mas foi anulado e isso serviu para o Atlético começar a atacar mais, enquanto o Sport buscava o contra-ataque. Os cruzamentos do Atlético pouco foram aproveitados, mas não importou, São Bento foi herói.
Estádio do Café
Londrina 2x0 Guarani
37' Léo Passos
31 2T' Matheus Bianqui
Esse jogo foi o Londrina no segundo turno, os jogos que venceu foram méritos da eficiência do tubarão e da péssima pontaria do adversário. Guarani com time misto perdeu até gol sem goleiro e em várias oportunidades Matheus Albino salvou o Londrina, a partida foi apenas isso.
Orlando Scarpelli
Figueirense 1x1 Operário
28 2T' Fellipe Mateus 15 2T' Luis Ricardo (GC)
Figueirense começou criando quatro boas chances, enquanto o fantasma chutava com perigo fora da área, mas nenhuma chance convertida. No segundo tempo tivemos gols, escanteio para o fantasma e Luis Ricardo marcou contra. Perdendo, o Figueirense passou a dominar o jogo, até Fellipe Mateus empatar com um chute forte. Figueirense tentou buscar a virada, mas a bola não entrou.
Independência
América 1x2 São Bento
19 2T' Juninho 28' Fábio Bahia
38' Guilherme Romão
América precisando vencer, começou indo ao ataque e Paulo Vitor teve que fazer defesas. São Bento estava com um elenco muito reduzido, foi muito efetivo, marcou dois e segurou o coelho. Segundo tempo e a única opção do América era atacar, em dois minutos Felipe Azevedo acertou a trave e o desconto só veio aos 19 minutos, com Juninho marcando de cabeça. O América teve várias chances de empatar e conquistar o acesso, no entanto, nenhuma entrou.
Barradão
Vitória 1x2 Coritiba
47' Anselmo Ramon 15 2T' Wanderley
31 2T' Wanderley
Martín Rodríguez salvou o Vitória aos 13 muntos e na sequência Baraka perdeu um gol livre na área. Vitória passou a atacar mais e o jogo ficou morno, Coritiba só precisava empatar para subir. No final Eron deu um ótimo passe para Anselmo Ramon abrir o placar e mesmo assim o coxa estava subindo, América estava perdendo para o São Bento e Atlético empatando com o Sport. No segundo tempo o coxa foi ao ataque e a virada veio com o Wanderley, ele entrou no segundo tempo e marcou seus dois primeiros gols na Série B, após um ano lidando com lesões.
Arena Pantanal
Cuiabá 1x2 Vila Nova
27 2T' Moisés (Pênalti) 12' Bruno Mezenga
36 2T' Elias
Tentando evitar ficar na lanterna, Vila Nova venceu o Cuiabá, que já está de férias, e nada mudou na tabela. Só serviu para o Itamar Schülle vencer seu ex-time.
Resumo do Campeonato
Red Bull realmente te dá asas (=)
Bragantino começou o ano como forte candidato a cair em último. No Campeonato Paulista sofreu e chegou a ficar 9 jogos sem vencer, até a Red Bull querendo chegar na elite o mais rápido o possível tentou comprar um time paulista. Plano A era o Oeste, que não rolou, mas o Plano B deu certo e adquiriram o Braga. Com a parceria, Marcelo Veiga saiu para o Zago continuar seu trabalho com o elenco do RB Brasil. Do elenco do Bragantino, Alex Alves, Vitinho, Matheus Peixoto e Wesley foram aproveitados. Continuando um trabalho, o Braga dominou a Série B: 22 vitórias, 9 empates e 7 derrotas, sendo nenhuma delas no Nabi Abi Chedid. Bragantino teve o melhor ataque e a melhor defesa, só não venceu o Sport, Coritiba e Oeste.
Ano que vem o time irá se chamar RB Bragantino, e já começou a se reforçar trazendo o Alerrandro do Atlético-MG (mais vindo pela frente), está garantido nas oitavas da Copa do Brasil, vão construir CT, expandir o Nabi Abi Chedid e lançar uma nova identidade visual.
Sport (=)
Passada a turbulência inicial com o técnico Milton Cruz no começo do ano, veio o rei do acesso Guto Ferreira que cumpriu as expectativas: venceu o Campeonato Pernambucano e subiu na Série B. Sport foi o time que menos perdeu (4 derrotas) e um dos que mais empatou (17 empates). Sport poderia ter colocado emoção na disputa pelo título se tivesse vencido Vila Nova, Brasil de Pelotas e Oeste dentro de casa, mas o importante é que subiu.
O Sport passa por problemas financeiros e dificilmente vai continuar com o artilheiro Guilherme, que deve ser vendido para fora do país. Hernane, que não jogou a reta final da Série B por causa de uma lesão, deve renovar com o time. Sport tem interesse no Antônio Carlos e Raphael Veiga. Leandrinho, emprestado para o leão, segue com futuro indefinido e o Luan Polli, que começou como terceiro goleiro, recebeu sondagens. Guto Ferreira renovado para 2020.
Luan Polli se tornou segundo goleiro quando o Magrão saiu do Sport no meio do ano e o Maílson se lesionou, foi muito bem e sofreu apenas três gols.
Fim do sofrimento (=)
Coritiba começou o ano mal com Argel Fucks e o substituto foi o Umberto Louzer, que estava no Vila Nova. Louzer quase foi demitido antes da parada para a Copa América, até tinha perdido no Couto Pereira para o Paraná, mas recebeu um voto de confiança ao vencer o Guarani. Depois do retorno perdeu para o Criciúma e depois conquistou uma invencibilidade de 10 jogos, mas veio quatro derrotas seguidas (incluindo uma para o Londrina que estava com um a menos) e foi demitido. Jorginho que falhou com a Ponte Preta foi a aposta e jogando um futebol pouco vistoso venceu 9 jogos, empatou 4 e perdeu apenas para o Paraná.
Emprestado pelo Flamengo, Muralha fez uma grande Série B, colocou o goleiro Wilson no banco, que posteriormente foi vendido para o Atlético-MG. Coritiba tinha o artilheiro Rodrigão emprestado, mas ele chegou a ir para o banco com Jorginho e na reta final foi afastado por indisciplina. Rafinha deve se aposentar. Coritiba teve a melhor média de público da Série B e enfim retorna a elite, após cair em 2017 por causa da Chapecoense e o gol no último minuto.
Adson FC (-)
Atlético-GO teve um ótimo ano, com Wagner Lopes em sua terceira passagem o clube foi campeão do Campeonato Goiano e estava encaminhando o acesso (em 2014 bateu na trave e em 2016 foi demitido, mas montou o time campeão da Série B). Problemas começaram com três jogos sem vitória: dominado pelo Guarani, empatou um jogo ganho com o Cuiabá e outro contra o Vila. Essa reta final do campeonato fez a torcida questionar se o Adson escalava o time, pois o Matheuzinho havia saído dos titulares e era um dos principais jogadores, ele chegou a falar que além do Wagner Lopes, o presidente também escalava. Veio Barroca: 5 empates, 3 vitórias e 1 derrota. Abriram 2x0 contra o América e sofreram o empate, Kozlinski falhou no final e o Operário empatou, foram prejudicados pela arbitragem e empataram com o Brasil de Pelotas, mas mesmo assim subiram.
Atlético-GO ficou 30 rodadas no G4, foi um acesso merecido. Barroca vai sair do Atlético-GO por problemas familiares (ele estava até morando no CT do time).
Do quase rebaixamento ao quase acesso (++)
América começou o ano com o Givanildo, que foi demitido após dois jogos na Série B, veio Barbieri que só durou até a derrota de 4x0 para o Figueirense no Independência e o Felipe Conceição chegou e foi efetivado. A arrancada do América começou quando derrotou a Ponte Preta no Moisés Lucarelli, a partir daí foram 16 vitórias, 6 empates e 4 derrotas, além de 12 jogos de invencibilidade. Coelho tinha a faca e o queijo na mão, bastava venceempatar o rebaixado São Bento dentro de casa para subir, mas acabou derrotado, e mesmo assim não vai apagar essa grande reação. América foi vice-líder do returno com a mesma pontuação do líder Bragantino, mas nem sempre dá para vencer.
Felipe Conceição renovou para 2020 algum tempo atrás.
Visitantes indigestos, mandantes fracos (=)
Para a Série B, a aposta de treinador do Paraná foi o Matheus Costa, o interino que havia conquistado o acesso em 2017. Começo foi péssimo, uma vitória em seis jogos, mas vencer o Coritiba mudou a história, chegaram a vencer 5 partidas seguidos, mas veio 7 jogos sem vencer que derrubou o time na tabela. Paraná passou a atrasar salários, jogadores ameaçaram não concentrar contra o Criciúma e a medida tomada pelo elenco até a situação ser resolvida foi não dar entrevistas. Paraná fez sua melhor campanha como visitante dos pontos corridos com 25 em 19 jogos, mas os 10 empates na Vila pesaram no fim. O Paraná chegou a ter esperanças de subir na reta final quando venceram o América, mas empataram com o Vitória na Vila e foram derrotados pelo Atlético em Goiânia, praticamente esgotando as chances.
Paraná ainda vai decidir se o Matheus Costa continua e o Paraná irá perder 24 jogadores: Matheus Anjos, João Pedro, Bruno Rodrigues que foram importantes vão retornar ao Athletico. O titular absoluto Guilherme Santos volta para a Tombense e vários jogadores estão encerrando contrato. São 15 jogadores emprestados e 9 com contratos expirando.

CRB com o Chamusca foi o melhor visitante, mas um péssimo mandante, no Rei Pelé empataram com o Vila Nova e São Bento, foram goleados pelo lanterna da época, América, perderam para o Vitória e isso pesou na campanha. Chamusca foi demitido após derrota para o Guarani na reta final, veio o ex-técnico do rival, o Marcelo Cabo. Tirando o empate contra o Cuiabá e a derrota de 5x1 para o Cuiabá, foi bem e voltou a ganhar no Rei Pelé, porém insuficiente para subir.
Foi uma boa temporada para o CRB, subiu de patamar e não disputou para não cair, Marcelo Cabo vai renovar para 2020, mas uma coisa que atrapalhou o galo foi vender o Felipe Ferreira para o Vasco. O artilheiro Léo Ceará vai retornar para o Vitória e o atacante Alisson Farias deve sair.
Ano dourado (=)
Cuiabá começou o ano com o Itamar Schülle que havia conquistado o acesso e conseguiram ser campeões invictos do estadual. Começo da Série B não foi bom, o dourado ficou perto do Z4, mas voltou bem da parada da Copa América e chegou a ficar 7 jogos sem perder. Cuiabá ficou próximo do acesso, mas os quatro jogos sem vencer (incluindo três derrotas pesadas para a Ponte, Vitória e Londrina) custaram o trabalho do Itamar Schülle e o time ficou distante do G4. Chamusca contratado, eliminou o Goiás na Copa Verde e reviveu as chances de acesso, vencendo até o seu ex-clube por 5x1, mas veio a derrota para o América na Arena Pantanal e a chance se esgotou. Pelo lado bom, o Cuiabá fez história novamente na Copa Verde ao marcar no último minuto contra o Paysandu, levar para os pênaltis e conquistar o título.
Cuiabá vai entrar nas oitavas da Copa do Brasil e agora é o único representante do Mato Grosso nas Séries A-B-C.
Constantemente inconsistente (=)
O objetivo inicial do Botafogo após o fiasco no Campeonato Paulista era evitar o rebaixamento, começo da Série B foi avassalador, foram 16 pontos em 8 jogos, mas a volta não foi boa: derrota para o Brasil de Pelotas e empate com o Guarani no Santa Cruz, vitória na base da sorte contra o Atlético e mais duas derrotas contra CRB e Coritiba. Roberto Cavalo decidiu sair do Botafogo por vontade própria e Hemerson Maria foi contratado. Maria foi muito criticado pela torcida pelas 9 derrotas, 9 empates e 6 vitórias. Pantera não conseguiu subir e fez péssima campanha no Santa Cruz. Antes do jogo contra o Paraná, Hemerson Maria já havia sido demitido e o Botafogo recentemente anunciou o retorno de Wagner Lopes.
Em 2014 o Wagner Lopes comandou o Botafogo no paulistão, terminou na frente do Corinthians na fase de grupos e foi derrotado pelo campeão Ituano nos pênaltis. Para a próxima temporada um setor do Botafogo que foi muito abaixo esse ano foi o ataque, além disso, tem que melhorar no Santa Cruz para subir.
Botafogo superou o histórico de subir e cair na Série B, um ponto positivo da temporada.
O péssimo visitante (=)
Comandado pelo Gerson Gusmão desde 2016, o Operário Ferroviário voltou para a Série B após 28 anos, começou mal e foi para o Z4, mas a parada da Copa América mudou o time. O Operário voltou fazendo a melhor campanha nos 11 jogos até o fim do primeiro turno, conquistando 21 de 33 pontos (sendo melhor que o Bragantino). O fraco ataque assombrou o fantasma durante a competição inteira, foram mais jogos do que gols e além da campanha como visitante, isso foi um fator importante para o produto final. Dos 50 pontos do Operário, 36 vieram no Germano Krüger, na reta final caiu de produção dentro de casa e não conseguiu conquistar o título de melhor mandante.
Com 135 jogos, 74 vitórias, 33 empates e 27 derrotas, o técnico Gerson Gusmão continua no Operário para 2020, foi uma campanha muito boa do fantasma, mas que já deve buscar um substituto para o lateral Maílton que esteve emprestado pelo Mirassol e foi um dos destaques da Série B.
A história de um desastre (--)
Ponte Preta chegou até a anular um jogo contra a Aparecidense na Copa do Brasil esse ano e mesmo assim não conseguiram passar de fase. Começo da Série B com Jorginho foi espetacular, mas depois da derrota para o Bragantino que estava com um a menos, foi apenas ladeira abaixo. Depois da saída do Jorginho foram apenas 4 vitórias, Gilson Kleina não conseguiu a arrancada das outras vezes e chegou a ficar 10 jogos sem vitória.
Ponte Preta passou por crise política e agora segue na crise econômica. O time vai ser reformulado, Gilson Kleina continua para 2020. A macaca deve usar a base, jogadores emprestados e dos atuais, apenas 7 devem permanecer.
Um final feliz para um começo trágico (+)
Vitória teve um ano horrível, eliminado na primeira fase do estadual e da Copa do Brasil, custou o trabalho do Chamusca. Veio o Tencati, que até passou de fase na Copa do Nordeste, mas foi derrotado por 4x0 pelo Fortaleza e eliminado. Começo ruim da Série B custou o trabalho do Tencati e veio Osmar Loss, que não tirou o Vitória do rebaixamento e logo foi demitido. Amadeu chegou e conseguiu ficar 7 jogos sem perder, mas foi demitido após derrotas para o lanterna e vice-lanterna Guarani e São Bento. Último técnico do ano, Geninho tinha a missão de evitar o rebaixamento e conseguiu, contra o Operário o leão esgotou as últimas chances de cair.
Segunda-feira o Geninho vai anunciar se continua como treinador do Vitória, leão tem um grande trabalho pela frente considerando a situação econômica e os salários atrasados que fizeram o elenco não concentrar antes do jogo contra o CRB.
Eu já fiz um texto sobre o Guarani então vai um tl;dr: péssima campanha no paulista demitiu Osmar Loss, veio Eutrópio que fez uma campanha pífia e foi demitido para o Roberto Fonseca assumir. Presidente Palmeron pressionado, crise política, Fonseca dá esperanças de escapar vencendo o Bragantino, não consegue vencer a Ponte e o jogo contra Operário foi a gota d'água para todo mundo ser demitido, Palmeron dar adeus ao Guarani e o time cair nas mãos do Carpini. Incrivelmente o lanterna com 13 pontos Guarani escapou do rebaixamento com o interino que quase foi substituído por René Simões.
2020 tem que ser um ano diferente para o bugre, Carpini vai comandar a reformulação desse elenco. 18 jogadores com contrato perto do fim 5 estão fora dos planos incluindo o Armero, apenas 4 ou 5 desses devem continuar.
Consistente Brasil de Pelotas (=)
Tirando o começo ruim e a última rodada, o xavante passou o campeonato inteiro nas posições 10-13. Rogério Zimmermann, o eterno técnico do Brasil de Pelotas foi a escolha para a Série B, foi um começo com 5 derrotas e 3 vitórias. Na parada da Copa América ele pediu demissão por causa dos salários atrasados e o substituto escolhido foi o Bolívar. Sob novo comando, o xavante enfrentou o problema dos salários atrasados e fez uma campanha com 8 vitórias, 12 derrotas e 11 empates.
Um trunfo do Bolívar foi a boa campanha no Bento Freitas, na reta final quando o xavante estava livre do rebaixamento o time apenas parou de jogar basicamente. Ele deve renovar para 2020.
O rei sem a coroa (=)
Oeste contratou o Renan Freitas para 2019 e ele ficou até o fim. Rubrão fez sua campanha usual, poucas vitórias, muitos empates e algumas derrotas. Foi o terceiro pior mandante e o sexto pior visitante.
O objetivo de ganhar o título de rei dos empates todos os anos falhou, dessa vez o Oeste foi superado pelo Figueirense e Vila Nova. Renan Freitas dificilmente fica para 2020 considerando a campanha.
De volta aos trilhos (+)
Figueirense teve um ano único. Foi muito bem no campeonato catarinense com Hemerson Maria, mas no final despencou um pouco e foi eliminado pela Chapecoense. Na Série B foram 11 jogos: 6 empates, 2 derrotas e 4 vitórias e Maria deixou o comando do Figueirense por causa dos salários atrasados e os problemas com a Elephant. Veio Eutrópio, aconteceu o W.O e o time ficou quase um turno sem ganhar, mas o clube rescindiu com a Elephant que estava destruindo o Figueirense. Cláudio Honigman tentou fazer o Figueirense abandonar a competição e sacou dinheiro do clube para uso próprio. Ele foi punido pelo STJD com uma multa de 20 mil e o Figueirense conseguiu escapar do rebaixamento. Pintado chegou e não perdeu nenhuma partida, com os vários empates e umas vitórias ocasionais o clube sobreviveu.
Figueirense ainda passa por graves problemas financeiros, até pediram para a torcida depositar algum dinheiro nas contas bancarias para o clube não fechar no vermelho novamente.
Titanic (-)
Londrina começou o ano com o Roberto Fonseca que foi emprestado ao Novorizontino com alguns jogadores por parte de um projeto que foi fracassado: Alemão que ficou como treinador após Fonseca pedir demissão e os atletas não foram aproveitados. Alemão fez um ótimo começo com o Londrina, venceu o líder Bragantino e 5 vitórias, 1 empate e 1 derrota — chegou a liderar por 1 rodada. Antes da parada da Copa América um sinal: Londrina 1 x 3 Ponte Preta. Parada da Copa América e jogadores importantes foram vendidos para Portugal, Dagoberto se aposentou e na volta o time começou a despencar, culminando na demissão do Alemão. Tencati veio e perdeu 7 jogos, venceu 1 (esse contra o Coritiba que citei acima). Mazola Júnior veio, time continuou mal, gestor praticamente rebaixou o Londrina depois de ofender todo mundo com a derrota para o mistão do Operário no Estádio do Café e começou a dispensar jogadores. Mazola Júnior foi demitido e coube ao treinador sub-19 do Londrina fazer um milagre e não conseguiu, foi goleado pelo São Bento e rebaixado.No entanto, nem tudo ainda acabou, o Londrina vai entrar no STJD para tentar tirar pontos do Figueirense.
São Bento vinha de uma bela acensão e decidiu atirar em si próprio: mudou a política de contratar jogadores de bons e baratos para medalhões e caiu no Campeonato Paulista. Doriva chegou e reformulou o elenco, mas com uma defesa que não funciona foi demitido no final do primeiro turno. Milton Mendes chegou com a função de salvar o vice-lanterna São Bento e caiu para lanterna, até pedir demissão quando foi acusado de estupro. O interino Cordeiro treinou o time nas 6 rodadas finais e conseguiu 3 vitórias, 1 empate e 2 derrotas. Léo Condé, que conquistou o acesso para a Série B pelo Botafogo-SP será o próximo treinador do São Bento, pois o Cordeiro não tem licença.
Titanic a animação que começou errado e terminou mal (-)
Criciúma começou o ano com o Doriva que foi demitido no campeonato catarinense. Substituto foi o Gilson Kleina, treinador experiente. Criciúma foi o segundo pior visitante com 2 vitórias em 19 jogos. Waguinho foi contratado e demitido após 1 mês sem vitória e veio Roberto Cavalo, que apesar da campanha desastrosa, ainda foi melhor que os seus antecessores em 2019. Ele deve seguir no tigre para 2020.
Vila Nova começou o ano com o Umberto Louzer que foi para o Coritiba. Substituto foi o Eduardo Baptista, treinador experiente. Vila Nova foi o pior mandante, com 1 vitória em 19 jogos. Marcelo Cabo veio, trouxe jogadores ruins e foi demitido, Itamar Schülle foi a aposta final e não deu certo, o ataque é inoperante, esse time com medalhões e salários atrasados não escapou. Ariel Mamede deve ser o treinador da próxima temporada do Vila, quem é ele? Campeão da divisão de acesso goiano com o Jaraguá e já treinou nas bases do tigre.

Classificação Final

Posição Clube Pontos Vitórias Empates Derrotas Saldo de Gols
1. Bragantino 75 22 9 7 37
2. Sport 68 17 17 4 20
3. Coritiba 66 18 12 8 14
4. Atlético +1 62 15 17 6 15
5. América -1 61 17 10 11 8
6. Paraná +1 56 14 14 10 1
7. CRB -1 55 15 10 13 1
8. Cuiabá 52 13 13 12 3
9. Botafogo 50 13 11 14 0
10. Operário 50 13 11 14 -9
11. Ponte Preta +3 47 11 14 13 2
12. Vitória -1 45 11 12 15 -6
13. Guarani -1 44 12 8 18 -10
14. Brasil de Pelotas -1 44 11 11 16 -16
15. Oeste 41 8 17 13 -8
16. Figueirense 41 7 20 11 -7
17. Londrina 39 11 6 21 -16
18. São Bento 39 10 9 19 -8
19. Criciúma 39 8 15 15 -8
20. Vila Nova 39 7 18 13 -13

Artilharia

Jogadores Gols
Guilherme (Sport) 17
Fábio (Oeste) 15
Hernane (Sport) 14
Léo Ceará (CRB) 14
Zé Roberto (São Bento) 14
Roger (Ponte Preta) 14
Rodrigão (Coritiba) 13
Ytalo (Bragantino) 13
Mike (Atlético) 12
Léo Gamalho (Criciúma) 12
Claudinho (Bragantino) 10
Murilo Henrique (Botafogo) 9
Jenison (Paraná) 9
Pedro Raul (Atlético) 8
Robson (Coritiba) 8
Não tem próxima rodada!
Agradeço para quem acompanhou isso, o sub agora já está mais ativo do que quando eu comecei isso meses atrás e nem tem mais ponto de continuar fazendo essas revisões.
Rodadas: 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10, 11, 12, 13, 14, 15, 16, 17, 18, 19, 20, 21, 22, 23, 24, 25, 26, 27, 28, 29, 30, 31, 32, 33, 34, 35, 36, 37
Rodada 8 foi a última antes da parada da Copa América
Rodada 13 o Oeste completou 100 empates
Rodada 19 foi a revisão do primeiro turno
Rodada 22 tem alguma coisa sobre Náutico, Sampaio Corrêa, Juventude e Confiança
Rodada 24 tem a rotatividade dos treinadores da Série B
Rodada 36 tem mais Bragantino e Guarani
submitted by Stalin_bae to futebol [link] [comments]


2019.09.16 20:31 fidjudisomada [Pre-Match Thread] UEFA CL 2019/20, #1: SL Benfica vs. RB Leipzig

Conferência de imprensa de Bruno Lage

Lista de Convocados

  • Guarda-redes: Ivan Zlobin e Odysseas;
  • Defesas: Jardel, Ferro, André Almeida, Rúben Dias, Grimaldo, Nuno Tavares e Tomás Tavares;
  • Médios: Fejsa, Samaris, Pizzi, Caio, Taarabt, Rafa, Cervi e David Tavares;
  • Avançados: Jota, Seferovic e Raul de Tomas.

Boletim Clínico

  • Chiquinho: desinserção do tendão médio adutor, à esquerda;
  • Conti: lesão muscular na região anterior da coxa direita;
  • Gedson: fratura na base do quinto metatarso do pé direito. Já faz treino parcial;
  • Gabriel: entorse do joelho direito, com lesão do ligamento lateral externo;
  • Vinícius: lesão muscular na região posterior da coxa esquerda;
  • Florentino: lesão no menisco interno do joelho direito.

Retrospectiva

O Leipzig está apenas pela segunda vez na fase de grupos da UEFA Champions League e, tal como na estreia em 2017/18, vai ter de medir forças com uma experiente equipa portuguesa, viajando até Lisboa para defrontar o Benfica.
A equipa alemã conquistou a sua primeira vitória europeia frente ao Porto, rival do Benfica, na terceira jornada há dois anos e quer ter início positivo no primeiro duelo de sempre com o clube que está a iniciar a décima campanha consecutiva na UEFA Champions League.
Embora este seja o primeiro encontro oficial entre as duas equipas equipas, ambas defrontaram-se num jogo particular no Verão de 2017, em que o Leipzig ganhou por 2-0 em Londres. Marcel Halstenberg apontou um dos golos.

Guia de forma

Benfica
  • Campeão português pela 37ª vez na época passada, alargando o seu próprio recorde, o Benfica está na fase de grupos pela 15ª vez, embora só tenha passado aos oitavos-de-final em cinco dessas 14 campanhas. Os encarnados alcançaram os quartos-de-final em 1994/95.
  • Em 2018/19, o Benfica ficou no terceiro lugar do Grupo E com sete pontos, atrás de Bayern e Ajax, tendo passado para a UEFA Europa League. Depois de afastar Galatasaray (2-1 no total) e Dínamo Zagreb (3-1 no total), foi eliminado pelo Eintracht Frankfurt, devido aos golos marcados fora, nos quartos-de-final (4-2 c, 0-2 f).
  • Na primeira mão ante o Eintracht, o Benfica marcou pela primeira vez mais de um golo no tempo regulamentar em 15 jogos europeus em Lisboa, apontando um total de apenas 11 nessa sequência.
  • O clube da Luz perdeu apenas um dos últimos oito jogos europeus em casa (4V 3E), embora essa derrota tenha ocorrido frente a um rival alemão na primeira jornada da época passada, quando o Bayern venceu por 2-0.
  • O Benfica tem vasta experiência de duelos com adversários alemães, somando 14 vitórias, 14 empates e 20 derrotas em 48 jogos da UEFA. Sofreu apenas três desaires nos 23 jogos disputados em casa (12V 8E).
  • As "águias" chegaram a sete finais da Taça dos Clubes Campeões Europeus, tendo conquistado o troféu em 1961 e 1962.
Leipzig
  • Terceiro na Bundesliga e finalista da Taça da Alemanha na época passada, o Leipzig está a realizar a terceira campanha europeia e este será apenas o seu 25º jogo. Foi o primeiro clube a fazer a estreia europeia na fase de grupos da UEFA Champions League, em 2017/18, quando somou sete pontos e ficou em terceiro lugar num grupo em que também estavam Beşiktaş, Porto e Mónaco. Os alemães chegaram até aos quartos-de-final da UEFA Europa League, mas foram eliminados pelo Marselha.
  • Há dois anos, o Leipzig perdeu em casa do Beşiktaş (0-2) e no Porto, mas foi vencer por 4-1 ao Mónaco, conquistando a sua primeira vitória fora de casa na Europa.
  • Em 2018/19, o clube alemão ultrapassou três pré-eliminatórias e atingiu a fase de grupos da UEFA Europa League, mas foi eliminado da prova depois de somar sete pontos, terminando atrás de Salzburgo e Celtic.
  • O Leipzig venceu apenas três dos 12 jogos fora de casa na Europa (4E 5D).
  • Uma dessas cinco derrotas fora de casa aconteceu na única visita anterior a Portugal, com o Porto a ganhar por 3-1 na quarta jornada da UEFA Champions League de 2017/18, com Timo Werner a marcar o único golo dos visitantes. Willi Orban e Emil Forsberg tinham marcado no triunfo em casa, por 3-2, duas semanas antes, por sinal a primeira vitória europeia do Leipzig.

Ligações e curiosidades

  • O guarda-redes do Benfica, Odisseas Vlachodimos, nasceu na Alemanha e começou a carreira no Estugarda, cidade onde nasceu. Foi membro não utilizado na selecção da Alemanha que venceu o Campeonato da Europa de Sub-21 de 2017.
  • O avançado do Benfica, Haris Seferović, jogou três épocas no Eintracht Frankfurt, marcando 16 golos na Bundesliga, antes de se mudar para Lisboa em 2017. Fazia parte da equipa que perdeu por 3-0 contra o Leipzig em Janeiro de 2017, quando Werner marcou o segundo golo, enquanto Marcel Sabitzer e Yussuf Poulsen marcaram no empate a dois golos entre Leipzig e Eintracht, em Maio desse ano.
  • Forsberg marcou o único golo no triunfo da Suécia sobre a Suíça, que contou com Seferović como suplente utilizado na segunda parre, nos oitavos-de-final do Campeonato do Mundo de 2018.
  • Hannes Wolf fazia parte da equipa do Salzburgo que venceu o Benfica por 2-1 e conquistou a final da UEFA Youth League de 2017. Rúben Dias, Florentino Luís, Gedson Fernandes e Jota jogaram pela equipa portuguesa.

Notícias mais recentes

Benfica
  • Transferências de Verão. Entradas: Jhonder Cádiz (Vitória FC), Caio Lucas (al-Ain), Chiquinho (Moreirense), Raúl de Tomás (Real Madrid), Carlos Vinícius (Nápoles)
  • Transferências de Verão. Saídas: Raúl Jiménez (Wolves), Bruno Varela (Ajax, empréstimo), Diogo Gonçalves (Famalicão, empréstimo), João Félix (Atlético Madrid), Filip Krovinović (West Brom, empréstimo), Alfa Semedo (Nottingham Forest, empréstimo), Yuri Ribeiro (Nottingham Forest), Cristian Lema (Newell's Old Boys), Eduardo Salvio (Boca Juniors), Chris Willock (West Brom, empréstimo)
  • O Benfica conquistou a Supertaça portuguesa no dia 4 de Agosto, ao golear o rival lisboeta Sporting, por 5-0.
  • O conjunto encarnado iniciou a defesa do seu título de campeão português com outro triunfo por 5-0, desta feita na recepção ao Paços de Ferreira, antes de vencer fora o Belenenses, por 2-0. Contudo, a sua série de 11 vitórias consecutivas em jogos do campeonato foi quebrada a 24 de Agosto, altura em que o FC Porto foi ao Estádio da Luz triunfar por 2-0.
  • Esse foi o primeiro desaire caseiro do Benfica desde 2 de Novembro de 2018, quando o Moreirense se superiorizou por 3-1; o seu registo desde então era de 18 vitórias e três empates. No passado sábado as "águias" voltaram aos triunfos caseiros ao baterem o Gil Vicente por 2-0.
  • O Benfica marcou 39 golos nos seus 11 últimos jogos do campeonato.
  • Adel Taarabt alinhou nos dois amigáveis que Marrocos disputou durante a pausa para as selecções, naquelas que foram as suas duas primeiras internacionalizações desde Março de 2014. O médio renovou o seu contrato com o Benfica até 2022.
  • Gabriel tem estado afastado dos relvados desde 4 de Agosto, devido a uma lesão no joelho, ao passo que Chiquinho saiu a coxear do encontro ante o Porto, com um problema numa coxa. Vinícius (coxa), Gedson (pé), Germán Conti (coxa) e David Tavares (joelho) estão todos lesionados.
  • Em Agosto, Odisseas Vlachodimos, Haris Seferović e Tomás Tavares renovaram os respectivos contratos até 2024.
Leipzig
  • Transferências de Verão. Entradas: Hannes Wolf (Salzburgo), Luan Cândido (Palmeiras), Christopher Nkunku (Paris), Ethan Ampadu (Chelsea, empréstimo), Ademola Lookman (Everton), Philipp Tschauner (Hannover), Patrik Schick (Roma, empréstimo)
  • Transferências de Verão. Saídas: Bruma (PSV Eindhoven), Julian Krahl (Köln), Marius Müller (Luzern), Jean-Kévin Augustin (Mónaco, empréstimo)
  • O Leipzig bateu por 3-2 o VfL Osnabrück, clube da segunda divisão, na primeira eliminatória da Taça da Alemanha, a 11 de Agosto, numa partida onde Marcel Sabitzer bisou. O sorteio da segunda ronda ditou uma visita ao reduto do Wolfsburgo, em Outubro.
  • O Leipzig protagonizou um arranque perfeito na Bundesliga, sendo a única equipa que conta por vitórias as três jornadas já disputadas. Goleou (4-0) fora o Union Berlin a 18 de Agosto, uma semana antes de derrotar o Eintracht Frankfurt, por 2-1. A ronda mais recente do campeonato germânico rendeu uma vitória, por 3-1, no reduto do Borussia Mönchengladbach, a 30 de Agosto.
  • O Leipzig viu o seu arranque 100 por cento vitorioso na Bundesliga chegar ao fim no sábado, com um empate 1-1 na recepção ao campeão Bayern.
  • Timo Werner marcou os três golos em Gladbach e já contabiliza cinco nos quatro primeiros compromissos na Bundesliga.
  • Christopher Nkunku assinalou a sua estreia frente ao Union Berlin com a obtenção de um golo, isto depois de ter sido lançado no decurso do jogo.
  • Sabitzer e Konrad Laimer facturaram pela Áustria num triunfo (6-0) sobre a Letónia na Qualificação Europeia para o UEFA EURO 2020, a 6 de Setembro; Patrik Schick marcou, no dia seguinte, pela República Checa numa derrota (2-1) no Kosovo.
  • Emil Forsberg marcou o golo que valeu à Suécia um empate (1-1) ante a Noruega, a 8 de Setembro, enquanto Marcel Halstenberg deu à Alemanha a liderança no marcador durante o triunfo (2-0) na Irlanda do Norte, a 9 de Setembro, naquele que foi o seu primeiro golo ao serviço da selecção germânica.
  • Tyler Adams não joga desde o início de Agosto, devido a uma lesão no metatarso.
  • A 17 de Junho, Hannes Wolf marcou pela Áustria contra a Sérvia no seu primeiro jogo do Campeonato da Europa de Sub-21, isto antes de sofrer uma fractura no tornozelo direito.

Talking Points

Preparámos uma lista de temas para conversas sobre este jogo, mas estejam à vontade para passar por cima dela, ou pegar num ou alguns, e apresentar as tuas observações e expressar opiniões:
  1. Estreia na UEFA Champions League 19/20! Qual é a tua previsão sobre o resultado final e os marcadores?
  2. Qual é o teu onze inicial, estrutura e dinâmicas preferidos para este jogo?
  3. Que jogador ou aspeto do jogo do adversário constitui-se como a maior ameaça para o SL Benfica?
  4. Que jogador terá que fazer acontecer, superar-se a si próprio e embalar a equipa para a vitória?
submitted by fidjudisomada to benfica [link] [comments]


2019.07.31 00:06 MajesticUnicorn28 O que fariam na minha situação?

Boas pessoal em primeiro lugar quero dizer que por razões óbvias é uma throwaway account.
Estou numa situação no mínimo fodida, existem uma grande história à volta disto mas vou tentar resumir de forma a não maçar muito a quem lê.
Tenho 22 anos, faço 23 antes de acabar o ano e vivo em Lisboa.
Estou neste momento em vias de me inscrever no 3º ano de um CTESP de Programação e Sistemas de Informação e ando meio perdido. O CTESP tinha a duração de apenas 2 anos e posso dizer que de 15 cadeiras + estágio ainda só conclui 5.
Previamente fiz um curso profissional de Gestão Desportiva(incentivo dos meus pais basicamente).
Na altura estagiei e dei aulas de Educação Física a todo o tipo de pessoas(algumas com mais de 25 inclusive e eu com os meus 18).
Ou seja mudei de Desporto para Informática que nada tem a ver.
Escusado será dizer que de matemática tenho 0 bases e que apesar de assistir às aulas e ter uma explicadora mesmo assim é lixado.
Agora aqui é que a situação fica lixada.
Basicamente nasci num culto e isto está-me a arruinar a vida lentamente.
Os meus pais são Testemunhas de Jeová e já o eram quando eu nasci.
Cresci na religião mas nunca liguei muito(sou ateu desde que me lembro), no entanto e apesar de ter falado com os meus pais sobre a minha posição, aos 17 anos fui obrigado a me matizar ou seja a tornar me uma testemunha de Jeová oficial, ou era isso ou era a opção de fazer 18 anos e porem-me no olho da rua(sim estou a falar a sério).
Escusado será dizer que não tenho uma boa relação com os meus pais e já sai de casa duas vezes, uma aos 17 e outra aos 19 e prometi a mim mesmo que á terceira era para não voltar.
Ora devido à merda do culto que é nunca foi opção fazer amigos que não são Jeovás por isso basicamente não tenho ninguém neste mundo que me safe nem família nem nada.
Apesar disto consigo socializar sem problemas e até dar o primeiro passo para fazer amigos. O problema vem depois que não posso continuar a fazer as coisas normais que amigos fazem como ir sair e assim e acabo por nunca conseguir criar amizade com ninguém.
Já tive 2 namoradas e infelizmente há pouco tempo a minha namorada acabou comigo devido ao stress que eu inadvertidamente colocava nela através da pressão que os meus pais colocam em mim.(Ainda me estou a recuperar disto).
Para vos dar um exemplo eles não sabiam da existência dela nem podem saber. Isto porque os Jeovás só podem namorar e casar com Jeovás. Sexo é proibido apesar de já o ter tido regularmente sem problemas.
Sair à noite como já disse é um não e sempre que ia sair com a namorada para algum lado tinha medo de alguém me conhecer e ter sérios problemas, já para não falar que não podia atender o telefone em certas situações ou até mesmo tinha de ter cuidado a mandar mensagens.
Além disto redes sociais é um grande não. Fotos ou algo do género que gostaria de tirar com a minha namorada e talvez partilhar com o mundo é outro problema.
Mais o meu maior problema é sem dúvida a falta de fundos ou dinheiro.
Sei que o que tenho que fazer é sair de casa mas neste momento tenho apenas 800 euros na conta. Inicialmente fui para a área da Informática porque gostava de computadores e tal mas o maior motivador foi o dinheiro tenho de ser sincero.
Toda a gente com quem falava e falo ainda hoje em dia diz que informática dá dinheiro. Ora dinheiro é precisamente aquilo que eu preciso de forma a poder me sustentar neste pais com rendas absurdas, onde mesmo quartos que são divididos por 5 pessoas custam 200 euros...E não sou esquisito com ir morar para áreas menos "conceituadas" como Amadora, Odivelas ou afins...
Já fui a um psicólogo há pouco tempo e o conselho dele foi acabar o curso que me iria dar o dinheiro que ia precisar para ir à minha vida mas a verdade é que já estou há dois anos no curso e ainda só um terço está feito.
Não sou mau programador, tenho uma lógica boa mas mal me sento para estudar fico logo sem vontade e cada vez mais sinto que quero é ir trabalhar, além de que não me dá absolutamente gosto nenhum programar algo, compilar e ver o resultado. Isto é outro problema pois não sei em que sou bom nem qual é a área que quero seguir(provavelmente porque nunca me foi permitido desenvolver as minhas capacidades e experimentar coisas, era culto e mais culto para cima)
A família mais uma vez desempenha um papel nisto. Basicamente sem ser nas aulas não consigo estudar. Televisão aos altos berros e sou constantemente incomodado com as mais variadas merdinhas inclusive da religião já para não falar do tempo que gasto em ter de assistir às reuniões e ter de ir bater às portas(algo que odeio imenso).
Isto tudo não ajuda à minha motivação quando tenho N trabalhos e projectos para fazer e não consigo ter paz.
Ora o problema é mesmo que não quero acabar com 45 anos e a servir às mesas ou algo do género. Gostava apenas de uma carreira com mais estabilidade a todos os níveis.
De várias pessoas com quem já falei dizem todas que não tenho problemas em me relacionar com as pessoas de forma social. Começar e continuar uma conversa não é problema para mim.
Já trabalhei em vários sítios e tenho boa postura e apresentação.
Neste momento trabalho a part-time.
Portanto não sei o que fazer...
Na vossa opinião o que fariam na minha situação?
Iriam trabalhar ou continuavam a estudar para ter um trabalho melhor mesmo que a área não seja aquilo que gostam?
Sabem de alguma instituição que me possa ajudar ou algo do género?
Estou mesmo a chegar a um ponto de rotura e evitei durante muito tempo pedir ajuda mas não tenho ou conheço mais ninguém a quem o fazer.
Ah e já agora um detalhe importante, sim tenho carta e carro que foi onde gastei o dinheiro que ganhei no meu trabalho anterior.
Desde já agradeço qualquer comentário e qualquer pergunta estão à vontade que tentarei responder o melhor que consigo.
TLDR:
Nasci num culto. Não sei o que fazer da vida. Não tenho dinheiro nem trabalho que me permita viver sozinho. Preciso de conselhos do que fazer.
submitted by MajesticUnicorn28 to portugal [link] [comments]


2019.06.03 19:48 Amanda3exceler Intercâmbio em Bournemouth

Estude na cidade dos balões e do Hotel de Chocolate

Para o estudante que pretende fazer o Intercâmbio em Bornemouth com a Mundial Intercâmbio e conhecer uma cidade pequena, com lindas paisagens litorâneas, possibilidade de voar de balão, comer muito chocolate e ainda por cima aprimorar o inglês, esta é a melhor opção de Intercâmbio em Bournemouth.
Esta pequena cidade pertence a uma agradabilíssima região litorânea no sul da Inglaterra, banhada pelo Canal da Mancha e com clima quente, o que atrai diversos turistas que desejam curtir uma boa praia em solo britânico.
Com uma população de aproximadamente 185 mil habitantes, a cidade reúne grandes roteiros para entreter os mais diversos estilos, sem perder pontos de sua originalidade e tradições culturais.
Para o intercambista que procura por mais algumas informações interessantes sobre o lugar, vale ressaltar o estilo de vida bem jovial dos moradores, trazendo a descontração necessária para o estudante se sentir confortável para aproveitar melhor o seu programa.

Proximidade com o centro da Inglaterra

Em uma viagem de aproximadamente duas horas e meia, é possível chegar à capital da terra da rainha. Mas nem de longe Bournemouth lembra Londres. Apesar de ser estudantil, é muito pacata durante o dia.
É muito comum ver pessoas da terceira idade tomando sol à tarde. Entretanto, existem interessantes opções de baladas e bares para todo o tipo de paladar e em cada dia da semana há uma programação diferente a se fazer.
Por exemplo, nos finais de semana, é muito comum as escolas realizarem excursões para cidades vizinhas, como Bath, Cambridge, Brighton e Oxford.
No verão então a programação é muito mais intensa. Suas praias ficam lotadas e as festas duram horas, chegando a virar a noite, na época que os moradores mais velhos saem em viagem e a cidade fica dominada por jovens.

Possibilidade de voar de balão

Se você sempre sonhou em voar pelos ares através de um balão, poderá realizar este desejo ao fazer Intercâmbio em Bournemouth. No parque Lower Gardens está o Bournemouth Eye, um balão que flutua acima da cidade e permite uma vista panorâmica de praias e arredores da cidade.
E para quem tem medo de altura não se preocupe! O balão está preso a uma corda e você poderá experimentar esta fascinante aventura com mais confiança.

Hotel de chocolate

É isso mesmo! Existe um hotel temático de chocolate em Bournemouth, uma das poucas cidades que contemplam este tipo atração no mundo e a única do Reino Unido.
O The Chocolate Boutique Hotel possui 15 quartos e todos tem o chocolate como principal tema. Além da cor marrom, em absolutamente todas as dependências do hotel, o hóspede pode desfrutar de chocolate belga à vontade.
O bar do hotel, obviamente, oferece deliciosos drinks a base de chocolate. A hospedagem também oferece cursos, workshops e oficinas com o tema chocolate para os hóspedes.
Viu só? Tenho certeza que depois desta descrição, esta cidade entrou em seu coração! Vem com a Mundial Intercâmbio e faça Intercâmbio em Bournemouth.

Entre em contato e saiba mais: https://www.mundialintercambio.com.br
submitted by Amanda3exceler to u/Amanda3exceler [link] [comments]


2019.05.15 01:42 meucat O politicamente correto vai afundar a agricultura mundial com a multa da Bayer

Agora por terceira vez, um júri da Califórnia (USA) botou uma multa de 2 BI de dólares contra a Bayer, alegando que o Roundup provocou câncer em dois trabalhadores. Tem alguns juízes pelo mundo afora que ficam assistindo aqueles vídeos paranoicos tipo Rolando Lero de Carvalho e os fetos da Pepsi Cola, e logo movidos por uma obsessão mórbida, aplicam sumas espantosas de dinheiro às empresas "para que aprendam a não mais nos converter em zumbis".
Nestes vídeos, a gente observa como a Coca Cola derrete um troço de carne ou um cano de ferro enquanto uma voz profunda sussurra "veja o que a coca cola pode fazer no seu organismo", ou assistimos como os OGM (organismos geneticamente modificados) produzem câncer e monte de outras baboseiras gratuitamente.
Como não podia faltar nestas historias fantásticas, as empresas tipo "Umbrella Corporation" (que no caso seria a Monsanto depois comprada pela Bayer) são alvos perfeitos para teorias conspiratórias. Elas tentam se apropriar das nossas mentes e converter todos nos em mortos vivos através de defensivos agrícolas como o Glifosato, que tem o nome comercial de "Roundup". E fazem isto movidos pela enorme sede de poder e de dinheiro
Ou seja, bem no gosto de historias do tipo "apocalipse maia", "o planeta hercolubus", "o planeta x" e outros grandes perigos à espreita para acabar com a raça humana, e que circulam livremente pelo YouTube explicados por garotos de 15 a 20 anos "entendidos" no assunto.

Como funciona o esquema do glifosato? é na base dos OMG - organismos geneticamente modificados.
Anteriormente os agricultores deviam usar monte de agrotóxicos diferentes em quantidade industrial para matar as ervas daninhas. Isto encarecia as colheitas e tinham muitos efeitos colaterais danosos contra a saúde humana. Todos os defensivos agrícolas tem algum efeito colateral, incluso o glifosato, mas nos temos que escolher algum para usar, ou senão a agricultura fica inviável.
O que fez a Monsanto na sua época? criou um único defensivo chamado "Glyphosato" que mata todas as ervas daninhas usando um mecanismo biológico que impede seu desenvolvimento, e ao mesmo tempo alterou geneticamente as sementes de soja, milho e outros vegetais, de maneira que estas plantas sejam "invisíveis" ao glifosato.
É uma ideia prática e simples. Com isto o custo da agricultura diminui um bocado, os preços ficaram mais baratos e conseguimos alimentar 7 bilhões de otários que so querem comer cada vez mais e melhor, porem ficam choramingando no Youtube por causa do Roundup.
Tenho certeza que muitos destes juízes e youtubers logo de suas "ações pioneiras" não perdem tempo em ir devorar um suculento espeto corrido por ali perto, sem pensar que a carne é boa e barata porque o gado é alimentado com soja cultivada na base do roundup.
O Roundup é aprovado por todos os organismos de controle alimentar no mundo, incluindo a Embrapa brasileira, e nunca se conseguiu provar uma ligação direta entre o Roundup e o cancer. Quase todas as lavouras de soja no mundo hoje são baseadas na tecnologia OMG, tanto nos USA, Europa, Brasil, Argentina, Paraguai e onde mais existir.
Segundo os estudos, o Roundup tem o rótulo de "provável" cancerígeno, mas para isto a pessoa teria que engulir 100 litros de roundup por dia durante muitos anos. O rotulo "provável" é o mesmo aplicado a outros produtos como óleo de cozinha reciclado dos restaurantes, pinturas e derivados etc. que quando usados ou ingeridos de forma estratosférica "provavelmente" podem produzir câncer.
No caso da Califórnia (e nos outros dois anteriores), é muito mais provável que os caras tenham adquirido o câncer apenas por uma causa normal genética (ao chegar a velhos somos mais propensos ao câncer), por ter inalado muita fumaça das queimas de lavouras, por ter consumido muito óleo reciclado.... como saber qual a verdadeira causa?
Mas um júri decidiu "é o roundup", e la se foram 2 bi de multa.
A pergunta é: o que a gente vai comer se não tiver defensivos agrícolas? a agricultura "orgânica" destrói o meio ambiente muitíssimo mais que os produtos com agrotóxicos, são muito mais caros (lógico, só tem pragas destruindo elas a cada momento) e são inviáveis para alimentar a quantidade monumental de gente que está chegando.
Por isto digo, somos 7 bilhões de otários querendo viver do bom e do melhor, boas churrascarias e vegetais na mesa, gostosas sopas e tudo mais. E por acaso isto vem de graça na Terra?. Como dizia um dono de restaurante "o dilema se resume em comer com agrotóxicos ou não comer".
submitted by meucat to brasilivre [link] [comments]


2019.04.15 20:43 Vladmirsilveira Os contratos na perspectiva humanista do Direito: o nascimento de uma nova teoria geral dos contratos

Centro Universitário de Maringá
Programa de Pós Graduação em Direito.
Revista Jurídica Cesumar – Mestrado
Autor: Vladmir Silveira

Introdução

O presente trabalho procura trazer um estudo, assim como propor uma reflexão, acerca da influência dos direitos humanos nas relações contratuais, partindo da perspectiva clássica da força obrigatória dos contratos, designadamente pelo princípio do pacta sunt servanda, evoluindo para o reconhecimento da necessidade da presença da boa-fé na exteriorização da vontade que motiva a relação contratual, passando pela Revolução Industrial e conseqüente fortalecimento o capitalismo liberal e do individualismo, até se alcançar a perspectiva social e solidária dos contratos e o reconhecimento de novo modelo de contrato, firmado principalmente pela necessidade humana de consumo, o que levou à massificação das relações contratuais, assim como ao dirigismo Estatal para tutela dos interesses da parte mais fraca da relação.
Nessa perspectiva procuramos desenvolver tanto o conceito de contrato tradicional e suas conseqüências jurídicas, especialmente no que tange aos vícios da vontade; assim como buscamos apresentar a idéia de contrato contemporâneo e o novo conceito de contrato pela ótica do solidarismo Constitucional.
Pretendemos levantar o debate de temas atuais relacionados aos contratos, mas sem a pretensão de esgotá-los, como a crise dos contratos; o princípio da autonomia da vontade e seu confronto com o princípio da autonomia privada; e o diálogo das fontes.
Por fim, será abordada a chamada nova teoria geral dos contratos no que tange à releitura do princípio da boa-fé, hoje definido como boa-fé objetiva; assim como o princípio da função social e solidária dos contratos como limite da liberdade contratual.

2. Formação histórica e pressupostos ideológicos dos contratos

A reconhecida interdisciplinaridade dos estudos jurídicos com outras ciências humanas, especialmente a Social, a Política e a Economia, assim como a evolução histórica dos direitos humanos, a partir do que se concebeu uma nova perspectiva à dignidade da pessoa humana pelo processo da dinamogenesis[1][2], conferiu ao contrato uma nova roupagem, pela superação da idéia de que a igualdade formal dos indivíduos asseguraria o equilíbrio entre os contratantes, fosse qual fosse sua condição social.
Nessa perspectiva, destacamos primeiramente o conceito de contrato conforme ensinamento da Escola de Pandectas, que adota o modelo codificado, pela qual contrato é uma categoria geral e abstrata que, segundo as regras da lógica formal, pode ser reduzido à unidade no sistema conceitual. Tal sistema assemelha-se a uma pirâmide, que no topo contém um conceito geral ao qual se reduzem os demais conceitos abaixo subseqüentes, como subtipos daquele conceito generalístico.[3]
Segundo Puchta[4], é tarefa do jurista a conexão lógica dos conceitos, que formará a consciência sistemática pela percepção do sentido ascendente dos conceitos identificados por intermédio dos termos médios que integram sua formação.
Na escala da genealogia dos conceitos, o conceito de contrato sobe ao negócio jurídico, e daí para o fato jurídico, formando uma pirâmide.
Nessa perspectiva, contrato seria negócio jurídico bilateral ou plurilateral[5] que por conter todas as características do negócio jurídico formaria um conceito derivado, possuindo todas as características gerais do negócio jurídico e outros elementos especializantes.
Em que pese a contribuição da concepção de contrato acima exposta, outras correntes de pensamento também influenciaram na criação de seu conceito atual, dentre as quais se destacam: (i) a corrente de pensamento dos canonistas e (ii) a Escola do Direito Natural.
A corrente de pensamento canonista ficou marcada pela substancial relevância atribuída ao consenso e à fé jurada na formação do contrato e obrigações dele decorrentes. Importa destacar que a corrente canonista significou um marco, pois foi a partir daí que se abriu caminho para os princípios da autonomia da vontade e do consensualismo[6]. Sob tal ótica, para a criação da obrigação, necessária e suficiente seria a declaração da vontade, desde que aliada ao dever de veracidade, valorizando-se com isso a palavra dada e reconhecendo-se sua respectiva aptidão para criar o vínculo obrigacional, assim como a necessidade de seu cumprimento.
Nesse contexto, independente da forma do pacto, caberia ao direito assegurar a força obrigatória dos contratos como mecanismo jurídico de tutela dos valores envolvidos na relação contratual sempre que verificada a vontade livre e a fé jurada.
Por outro lado, para a Escola do Direito Natural – racionalista e individualista –, o fundamento do nascimento das obrigações se encontra na vontade livre dos contratantes.
Portanto, da mesma forma que a corrente de pensamento dos canonistas, a Escola do Direito Natural valorizava o consenso e o dever de veracidade, que é de direito natural.
O diferencial está na forte carga individualista desta linha de pensamento, fruto da ideologia dominante na época de sua cristalização, revelada pela influência do regime capitalista de produção nos planos econômico, político e social, marcando o jusnaturalismo pelo individualismo, ou seja, pela superestimação do papel do indivíduo.
Nesse sentido, com a acentuação do capitalismo, que tem sua base filosófica em Locke, maior importância se deu ao individualismo como reflexo da Revolução Industrial, acarretando a concentração de riquezas nas mãos do poder econômico privado, sendo, a partir daí, o direito de propriedade considerado um direito natural, protegido contra as forças do Estado como forma de garantir o abuso do poder político.
De fato, o capitalismo funda-se nas liberdades individuais – liberdades negativas de primeira dimensão – em especial a propriedade privada. Por outro lado, reconhecendo-se no capitalismo um direito humano, qual seja o direito de propriedade, abre-se margem à interpretação do capitalismo na perspectiva humanista dos direitos, em todas as suas dimensões.
É nesse sentido que se fala atualmente em capitalismo humanista, conforme defende o Professor da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, Ricardo Hasson Sayeg, afirmando que “o espírito capitalista e o espírito de fraternidade são convergentes na medida em que não existe capitalismo sem que se reconheçam os direitos humanos. E conclui dizendo que “o que é certo é que os direitos humanos com todas as suas dimensões configuram um feixe indissociável, não cabendo se reconhecer uns e excluir outros.[7]
Dentro desta perspectiva, ensina Willis Santiago Guerra Filho:
[…] Mais importante, é que os direitos gestados em uma geração, quando aparecem em uma ordem jurídica que já traz direitos de geração sucessiva, assumem outra dimensão, pois os direitos da geração mais recente tornam-se um pressuposto para entendê-los de forma mais adequada – e, conseqüentemente, também para melhor realizá-los. Assim, por exemplo, o direito individual da propriedade, num contexto em que e reconhece a segunda dimensão dos direitos fundamentais, só pode ser exercido observando-se sua função social, e com o aparecimento da terceira dimensão, observando-se, igualmente, a função ambiental.[8]
A compatibilização do capitalismo com as necessidades humanas de segunda geração e de terceira geração, ou seja, o interesse social solidário em equilíbrio com o direito de propriedade, deu origem ao reconhecimento legal dos direitos supra-individuais, como os direitos difusos e coletivos, especialmente quando se verifica no contrato a vulnerabilidade de uma das partes, como é o caso do consumidor, havendo neste caso interesse social na atribuição de força jurídica à parte mais fraca para que ela possa enfrentar com maior equilíbrio o poder econômico do empresário.
Não é por outro motivo que o direito passou gradativamente a reconhecer os direitos naturais do homem – direitos fundamentais no âmbito interno, e direitos humanos na seara internacional – como garantias de ordem pública cuja eficácia deve ser verificada tanto interna como externamente nas relações obrigacionais, designadamente nos contratos, independentemente se tratar de contrato tradicional ou contrato contemporâneo, como os contratos de adesão, onde a vontade é mitigada pela imposição de cláusulas padrão, devendo a partir daí tais direitos conviverem em harmonia, preservando-se com isso as liberdades negativas[9], as liberdades positivas[10] e os direitos de solidariedade humana[11] a um só tempo.[12]
Nesse contexto, retomando-se os paradigmas da liberdade versus solidariedade, é possível se afirmar que a idéia liberal de igualdade entre todos, e de livre mercado sem a intervenção do Estado para garantir o interesse comum da coletividade, escravisa muito mais do que liberta na medida em que a necessidade humana de manter relações econômicas, adquirindo bens e serviços, sem a proteção do vulnerável, acarreta a exploração e a conseqüente exclusão do mais fraco pelo mais forte.
Nas palavras de Orlando Gomes:
O liberalismo econômico, a idéia basilar de que todos são iguais perante a lei e devem ser igualmente tratados, e a concepção de que o mercado de capitais e o mercado de trabalho devem funcionar livremente em condições, todavia, que favorecem a dominação de uma classe sobre uma economia considerada em seu conjunto, permitiram fazer-se do contrato um instrumento jurídico por excelência da vida econômica.[13]
Não é por outro motivo que o capitalismo humanista e suas idéias integracionistas de harmonização dos direitos de primeira, segunda e terceira dimensão, representado pelas liberdades individuais negativas, liberdades sociais positivas e pelos direitos de solidariedade, ganham importância em tempos de globalização econômica e de mercado.
Observa-se, assim, que o contrato, na sua concepção clássica de acordo bilateral ou plurilateral de vontades livres e conscientes, capaz de gerar, extinguir ou modificar direitos e obrigações de conteúdo patrimonial, continua sendo plenamente válido e aplicável no século XXI, desde que a relação jurídica obrigacional envolva partes jurídica e materialmente iguais.
Por outro lado, quando se tratar de relação obrigacional entre partes em posição de desigualdade, ou seja, quando num pólo da relação estiver um vulnerável e no outro pólo um dominante, em regra teremos a figura do chamado contrato de massa ou contrato padronizado, ou ainda contrato de adesão, em que não há abertura para que discussão das cláusulas do contrato, que é imposto pelo pólo dominante, limitando-se o vulnerável a assinar o contrato, aderindo aos seus termos.[14]
Nesse caso de contrato de adesão, clama-se pela intervenção do Estado na relação jurídica, chamado dirigismo contratual, a fim de conferir à parte mais fraca força jurídica para enfrentar o poder econômico do empresário, conforme acima estudado. Destarte, percebe-se o capitalismo humanista como realidade em nossos tempos, onde o papel do Estado diante de uma relação econômica desequilibrada é fornecer os elementos necessários à harmonia da relação contratual.[15]
  1. Conceito de Contrato
O Código Civil brasileiro em vigor não define contrato, apenas estabelecendo as diretrizes para sua formação, nos seguintes dispositivos:
Art. 421. A liberdade de contratar será exercida em razão e nos limites da função social do contrato.
Art. 422. Os contratantes são obrigados a guardar, assim na conclusão do contrato, como em sua execução, os princípios de probidade e boa-fé.
Art. 423. Quando houver no contrato de adesão cláusulas ambíguas ou contraditórias, dever-se-á adotar a interpretação mais favorável ao aderente.
Art. 424. Nos contratos de adesão, são nulas as cláusulas que estipulem a renúncia antecipada do aderente a direito resultante da natureza do negócio.
Art. 425. É lícito às partes estipular contratos atípicos, observadas as normas gerais fixadas neste Código.
Art. 426. Não pode ser objeto de contrato a herança de pessoa viva.
Para estudarmos o tema contratos e alcançarmos seu atual conceito é necessário, em primeiro lugar, compreender que a liberdade de contratar pressupõe a igualdade econômica e jurídica dos contratantes.
Nestes termos, o contrato nos moldes clássicos empresta maior significação às normas sobre o acordo de vontades. Portanto, o contrato da teoria geral dos contratos detém especial atenção à vontade e seus vícios[16], capazes de anulá-la, limitando-se a proteção legal à reparação desses vícios que contaminam os pressupostos de vontade livre e consciente que conferem validade aos contratos.
Por outro lado, conforme ensinam Erik Jayme[17] e Cláudia Lima Marques, a nova teoria geral dos contratos trouxe o chamado diálogo das fontes, imprescindível para a compreensão harmônica do sistema jurídico, o que implica na aproximação principiológica do Código Civil e do Código de Defesa do Consumidor, especialmente no que concerne à repressão jurídica do abuso de direito.[18]
Nesse sentido é que se compreende os contratos de massa, ou contratos de adesão, também chamados contratos contemporâneos, com a preocupação de tutela dos aderentes mediante normas legais que proíbam cláusulas abusivas, até mesmo porque as regras sobre a declaração da vontade e os vícios do consentimento quase não se lhe aplicam.
Feitas estas considerações preliminares, podemos dizer, em termos abrangentes, que contrato clássico é todo negócio jurídico que se forma pelo concurso de vontades, ou seja, é o acordo de vontades capaz de produzir efeitos obrigacionais de conteúdo patrimonial.
Doutrinariamente há quem utilize o termo convenção para designar um negócio jurídico mais abrangente, que abarca não só os negócios bilaterais e plurilaterais destinados a criar obrigações, mas também a modificar ou extinguir obrigações preexistentes; enquanto o contrato seria idôneo exclusivamente à criação de obrigações. Todavia, utiliza-se mais comumente o termo contrato para designar todo acordo de vontade livre e consciente firmado entre duas ou mais pessoas e capaz de criar, extinguir ou modificar direitos de conteúdo patrimonial.
Cumpre destacar que não é a forma escrita que cria o contrato, mas o consenso, ou seja, o encontro de duas declarações convergentes de vontades no sentido de criar vínculo obrigacional de conteúdo patrimonial.

2.1 Natureza Jurídica dos Contratos

No tocante à natureza jurídica dos contratos, duas concepções antagônicas dividem os juristas, uma é a concepção subjetiva, outra é a objetiva. Nesse sentido, pela concepção subjetiva, o conteúdo do contrato é composto pelos direitos e obrigações das partes; já pela concepção objetiva o conteúdo do contrato é composto de preceitos, o que o torna fonte de normas jurídicas, ao lado da lei e da sentença.
Kelsen[19], ao analisar especificamente o contrato do ponto de vista da teoria pura do direito, observa que ao celebrar um contrato as partes não se limitariam a aplicar o direito abstrato que o rege, mas estariam também criando normas individuais que geram obrigações e direitos concretos não existentes antes de sua celebração. Trata-se do pacta sunt servada, princípio pelo qual o contrato faz lei entre as partes. Tal princípio tem sua origem no Direito Romano e foi herdado pelo nosso ordenamento jurídico, de origem precipuamente romana.
Por outra banda, os opositores desta teoria argumentam dizendo que, uma vez que se conceitue norma jurídica como regra geral e abstrata, é manifesto que as cláusulas de um contrato não são normas, pois sua aplicação é restrita às partes contratantes.
Ademais, encontramos o posicionamento de Frederico de Castro, no sentido de que a idéia de que o contrato faz lei entre as partes está a serviço do capitalismo liberal, porque racionaliza a dominação dos privilegiados pelo emprego de um instrumento jurídico de inspiração liberal, afastando princípios como a boa-fé e a condenação ao abuso de direito, na medida em que objetiva tornar o contrato norma autônoma desligada das partes que o adotaram, como se verifica mais agressivamente no contrato de adesão.[20]
Não comungamos de tal pensamento, pois, como já estudado alhures, o reconhecimento jurídico de novas dimensões do direito tende a superar as desigualdades verificadas nos contratos de adesão pelo dirigismo contratual, ou seja, pela atuação do Estado em favor do mais fraco. Ademais, a autonomia da vontade encontra limites na ordem pública e nos bons costumes, conforme passaremos a estudar.

2.2 Princípio da Autonomia da Vontade

A autonomia da vontade, como direito subjetivo de liberdade, ou seja, como direito do homem reconhecido na qualidade interna da vontade individual que se expressa por um querer ou não querer partilhado por todos, independentemente da posição que o sujeito ocupa na sociedade, de seu status político[21], tem sua origem no livre arbítrio pregado pelo cristianismo.
No campo do direito das obrigações, o princípio da autonomia da vontade representa a liberdade de contratar, pelo que a vontade das partes tem o condão de suscitar os efeitos pretendidos dentre aqueles reconhecidos e tutelados pela ordem jurídica.
Há que se destacar que a valorização da autonomia da vontade como elemento capaz de formar o negócio jurídico e vincular as partes sofreu forte inspiração ideológica do Estado liberal, cuja característica maior consistia na preservação da liberdade individual o mais ampla possível diante do Estado. Essa excessiva valorização do voluntarismo acabou por transformar o negócio jurídico num ato de autonomia privada, pelo que a declaração da vontade constituiria o próprio negócio jurídico, e respectivos feitos dele decorrentes, em nome da livre movimentação de riquezas na sociedade.
Todavia, o surgimento de problemas sociais revelou a necessidade de intervenção do Estado nas relações privadas como solução para a crise da teoria contratual clássica, especialmente diante da industrialização e massificação das relações contratuais, pós Revolução Industrial.
Assim, a força obrigatória dos contratos, corolário da autonomia da vontade, passou a sofrer notável mitigação pela intervenção do Estado na economia, como decorrência do reconhecimento da necessidade de harmonização dos direitos humanos em todas as suas dimensões, pelo que a liberdade dos indivíduos passou a ser conformada com o interesse público e depois com a solidariedade contratual.[22]
É o que se percebe partir do século XX, quando a tradicional concepção de autonomia da vontade não mais corresponde à realidade socioeconômica, donde se verifica a necessidade da imposição de limites à autonomia da vontade.
Assim, com a superação do sistema individualista passa-se à valorização do interesse público em nome da dignidade da pessoa humana e, ao contrário do que se possa imaginar, também em nome da verdadeira vontade das partes contratantes pela tutela da confiança, da boa-fé objetiva e, em última análise, da funcionalização do contrato.

2.3 Princípio da Autonomia Privada

Atualmente fala-se em princípio da autonomia privada em substituição ao princípio da autonomia da vontade sob os seguintes argumentos. Em primeiro lugar, alega-se que a autonomia não é da vontade, mas da pessoa humana.[23] Todavia, não vemos relevância no argumento supra, tendo vem vista que a pessoa humana é o sujeito da relação jurídica obrigacional, que se forma por força das vontades convergentes para atender aos interesses particulares de cada uma das partes. Sendo assim, a relação é interssubjetiva e se forma da vontade, a qual deve ser livre de vícios e pautada na boa-fé subjetiva, ou seja, a vontade deve corresponder ao verdadeiro desejo ou intenção das partes[24], assim como na boa-fé objetiva, ou dever de boa conduta, conforme estudaremos mais adiante.
Sustentam ainda os defensores da nova terminologia que muitas vezes o conteúdo do contrato é imposto pela lei ou pelo Estado, o que mitiga a vontade.
Da mesma forma tal argumento não deve prosperar, pois, conforme tivemos oportunidade de estudar, o dirigismo contratual corresponde a uma evolução do direito contratual a fim de tutelar o interesse do vulnerável e garantir a harmonia da relação jurídica, conformando a liberdade com a igualdade e solidariedade.
Na defesa da substituição terminológica afirmam ainda que prevalecem na prática os contratos de adesão, estando a vontade em crise. Ora, conforme tivemos oportunidade de ver, os contratos contemporâneos são, em regra, firmados em massa, o que particulariza esse tipo de contrato e invoca o diálogo das fontes para aproximar os princípios do Código Civil e do Código de Defesa do Consumidor a fim de equilibrar a relação e trazer harmonia à relação contratual, o que não anula a existência dos contratos tradicionais, firmados por partes materialmente iguais, como ocorre em alguns contratos internacionais, e até nacionais, onde as cláusulas do contrato em regra são cuidadosamente discutidas pelas partes, o que não exime esse tipo de contrato da obrigação de observância das normas cogentes, decorrentes da funcionalização dos contratos, como a boa-fé e a confiança.
Em suma, os contratos devem ser analisados sob a perspectiva da evolução dos direitos, especialmente em face da solidariedade, que atualmente concretiza a dignidade da pessoa humana, e demais princípios de ordem pública, o que não desnatura o contrato, apenas traz um novo paradigma a fim de se diferenciar os contratos firmados entre partes iguais e aqueles firmados entre uma parte forte ou dominante e outra vulnerável, o que indubitavelmente deve chamar maior atenção do Estado a fim de que, por intermédio do dirigismo contratual, seja garantido o equilíbrio e a harmonia esperada de todos os contratos que, sem exceção, devem refletir não apenas a vontade, mas também os princípios anexos da conduta[25], assim como o atual estágio dos direitos humanos fundamentais.
  1. Conceito Pós-Moderno de Contrato
Conforme pudemos observar, o conceito tradicional de contrato passou por uma longa evolução, partindo da jurisprudência dos conceitos, passando pelo direito canônico e pelo jusnaturalismo, até chegar ao individualismo liberal, para o qual contrato é um negócio jurídico bilateral ou plurilateral que visa a criação, a modificação ou a extinção de direitos e deveres, com conteúdo patrimonial.
Todavia, encontramos atualmente o conceito pós-moderno[26] de contrato pelo qual o contrato é uma relação intersubjetiva baseada no solidarismo constitucional e que produz efeitos patrimoniais e existenciais tanto em relação às partes contratantes como perante terceiros.[27]
Percebe-se da análise desse novo conceito de contrato a nítida influência da evolução dos direitos humanos, especialmente os direitos de terceira dimensão ou direitos da solidariedade constitucionalmente reconhecidos na Constituição Federal.[28]
Firmando o posicionamento da influência do constitucionalismo solidário no Direito Civil, os informativos 531 e 550 do STF prestigiam a Convenção Americana sobre Direito Humanos, ou Pacto de São José da Costa Rica, ao considerar ilegal a prisão civil do depositário infiel.
Vale destacar que com a Emenda Constitucional 45, os tratados sobre direitos humanos ingressam no ordenamento jurídico pátrio com força constitucional, quando aprovado pelo Congresso Nacional pelo procedimento adotado nas Emendas Constitucionais[29] e, ainda que não aprovado por tal procedimento, por sua natureza humanitária e respectivo reconhecimento de sua força vinculante pela comunidade internacional, terá força supralegal, ou seja, abaixo da Constituição Federal, mas acima da lei, não podendo, assim, ser revogada por lei ordinária e prevalecendo sobre ela.
Ainda na perspectiva dos direitos de terceira dimensão, o Enunciado 23 do Conselho de Justiça Federal do Supremo Tribunal Federal prestigia o princípio da dignidade da pessoa humana ao estabelecer que “a função social do contrato, prevista no artigo 421 do novo Código Civil, não elimina o princípio da autonomia contratual, mas atenua ou reduz o alcance desse princípio quando presentes interesses metaindividuais ou interesse individual relativo à dignidade da pessoa humana”. Exemplificativamente, é nula de pleno direito a cláusula não incomum de não engravidar inserida no contrato de uma executiva por violar a dignidade da pessoa humana.
  1. Nova Teoria Geral dos Contratos
A chamada nova teoria geral dos contratos faz uma releitura dos princípios informadores dos contratos, especialmente para estabelecer uma relação de aproximação principiológica entre o Código Civil de 2002 e o Código de Defesa do Consumir, o que se denominou diálogo das fontes, uma vez que ambos são incorporadores de novos princípios sociais e solidários contratuais.[30]
Nesse sentido, são princípios da chamada nova teoria geral dos contratos: (i) princípio da função social do contrato; e (ii) princípio da boa-fé objetiva. Senão vejamos:

4.1 Princípio da Função Social do Contrato

Trata-se de princípio de ordem pública pelo qual o contrato deve necessariamente ser interpretado e visualizado de acordo com o contexto social em que se insere.
Nesse sentido, dispõe o parágrafo único do artigo 2.035 do Código Civil de 2002 que “nenhuma convenção prevalecerá se contrariar preceito de ordem pública, tais como os estabelecidos por este Código para assegurar a função social da propriedade e dos contratos”.
São efeitos da função social do contrato tanto a mitigação de sua força obrigatória, como sua eficácia perante terceiros, como tem entendido o STJ, por exemplo, no caso da vítima de acidente de trânsito, que pode ingressar diretamente com ação contra a seguradora do culpado, mesmo não havendo uma relação contratual de fato entre elas.[31]
Entende-se que a função social do contrato tem tanto eficácia interna, ou seja, entre as partes, como eficácia externa, ou para além das partes.

4.1.1 Aspectos da Eficácia Interna do Contrato

Primeiramente, podemos apontar a proteção dos vulneráveis contratuais como um dos aspectos da eficácia interna do contrato. Tal constatação se revela especialmente em dois artigos do novo Código Civil ao tratar do estado de perigo e da lesão.
Assim, a lei determina que, quando houver no contrato de adesão cláusulas ambíguas ou contraditórias, dever-se-á adotar a interpretação mais favorável ao aderente.[32]
Já no caso de cláusulas inseridas em contratos de adesão que impliquem na renúncia antecipada do aderente a direito resultante da natureza do negócio, tal cláusula é considerada nula de pleno direito, como ocorre no caso dos tickets de estacionamento com mensagem eximindo o estabelecimento de qualquer responsabilidade pelos objetos e pertences que se encontrarem no interior do veículo.[33
Também se destaca como aspecto da eficácia interna do contrato o princípio da dignidade da pessoa humana, como decorrência da evolução dos direitos humanos, conforme tivemos oportunidade de ver.
Temos ainda nesse contexto da vedação da onerosidade excessiva ou desequilíbrio contratual, que pode levar à anulação,[34] à revisão,[35] ou à resolução do contrato.[36]
No mesmo sentido temos a nulidade de cláusulas anti-sociais tidas como abusivas como, por exemplo, a nulidade de cláusula em plano de saúde que limite o tempo de internação.[37] Por fim, também representa eficácia interna do contrato o princípio da sua continuação, ou seja, a extinção do contrato deve ser a última medida ou ultima ratio.

4.1.2 Aspectos da Eficácia Externa do Contrato

Dois são os aspectos da eficácia externa do contrato, quais sejam, a proteção dos direitos difusos e coletivos, em nome do princípio da solidariedade; e a eficácia do contrato perante terceiros, que pela nova teoria geral dos contratos têm legitimidade para invocar o contrato sempre que reflexamente seus termos os tocarem ou atingirem.

4.2 Princípio da Boa-Fé Objetiva

Trata-se da evolução do conceito de boa-fé trazido pelo Direito Canônico, ou seja, exige-se mais do que a correspondência dos termos do contrato com a intenção do agente, que é de plano subjetivo, mas inclusive a boa conduta do contratante, que está no plano objetivo.
Segundo Karl Larenz a boa-fé objetiva é relacionada aos deveres anexos ou laterais da conduta, inerentes a qualquer contrato, sem necessidade de previsão no instrumento.
São apontados como deveres anexos da conduta os deveres de cuidado; respeito; de informar; de colaborar; de lealdade; transparência; confiança etc. A observância desses deveres assegura o bom contrato, e cumpre com o dever de boa conduta que se espera de toda pessoa, sendo que sua desobediência pode ter como conseqüência a anulação, a revisão ou mesmo a resolução do contrato.
O Enunciado 24 CJF/STJ prescreve que a quebra dos deveres anexos da conduta gera a violação positiva do contrato, nova modalidade de inadimplemento em que a responsabilidade é objetiva.

Considerações Finais

Ao longo do presente estudo procuramos analisar a evolução dos direitos humanos e seus reflexos nas relações jurídicas privadas, designadamente nos contratos.
Assim, pudemos perceber que há atualmente o reconhecimento da necessidade de compatibilização do capitalismo com as necessidades humanas de segunda geração e de terceira geração, a fim de se alcançar o verdadeiro equilíbrio dos contratos pelo reconhecimento legal dos direitos supra-individuais, como os direitos difusos e coletivos, especialmente quando se verifica no contrato a vulnerabilidade de uma das partes.
Nesse contexto, é possível se afirmar que o solidarismo constitucional exerce forte influência na força obrigatória dos contratos, corolário da autonomia da vontade, a qual passou a sofrer notável mitigação pela intervenção do Estado na economia, como decorrência do reconhecimento da necessidade de harmonização dos direitos humanos, em todas as suas dimensões, pelo que a liberdade dos indivíduos passou a ser limitada em nome do interesse público.
Nesse sentido que nasce a nova teoria geral dos contratos, para afirmar o valor de princípios de ordem público e sua influência direta nos contratos, como é o caso do princípio da função social do contrato e da boa-fé objetiva, inclusive sob a nova perspectiva da conduta e seus deveres anexos, como o dever de lealdade, transparência e confiança, deveres inerentes a todos os contratos, cuja inobservância acarreta inclusive a responsabilidade objetiva da parte.
Conclui-se que é esse espírito de solidariedade que deve inspirar a leitura das relações jurídicas obrigacionais, seja na interpretação dos contratos tradicionais, mas especialmente nos contratos contemporâneos onde uma das partes é vulnerável e o dirigismo contratual fazer-se necessário para preservar a harmonia da relação jurídica.

Referencial Bibliográfico

AMARAL, Francisco. Comentários sobre o Projeto do Código Civil Brasileiro. Série Cadernos do CEJ. Conselho de Justiça Federal. Brasília: Centro de Estudos Judiciários, 2002.
GOMES, Orlando Gomes. Contratos. 24ª Ed. Rio de Janeiro: Forense, 2001.
GUERRA FILHO, Willis Santiago. Processo constitucional e direitos fundamentais. 4 ed., São Paulo: RCS, 2005.
JAYME, Erik. “Identité culturelle et intégration: le droit international privé postmoderne”, in Recaueil des Cours, vol. 251, 1995.
KELSEN, Hans. Trad. GARCIA, Eduardo. El Contrato y el Tratado. Colofón, 2002.
LARENZ, Karl. Derecho das Obligaciones. Madri: Editorial Revista de Derecho Privado, 1958. T. 1.
____________. Metodologia da Ciência do Direito. 3ª ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian,
MARQUES, C. L. (Org.) .A nova crise do contrato – Estudos sobre a nova teoria contratual. São Paulo-SP: RT – Revista dos Tribunais. 2007.
NALIN, Paulo. Do contrato conceito pós-moderno: em busca de sua formulação na perspectiva Civil-Constitucional. Curitiba: Juruá, 2006.
SAYEG, Ricardo Hasson. Doutrina Humanista do Direito Econômico. Tese de Doutorado, 2006.
SILVEIRA, Vladmir Oliveira da. O Direito ao Desenvolvimento na Doutrina Humanista do Direito Econômico. São Paulo: PUC Tese de Doutorado, 2006.
submitted by Vladmirsilveira to u/Vladmirsilveira [link] [comments]


2019.03.11 19:24 liaminns Depressão - Estado físico e emocional.

Olá pessoal.. eu tenho 22 anos e durante uns anos tenho sofrido de depressão cada vez mais profunda. Eu atualmente tenho ido a psicólogo em busca de um socorro. Cheguei a passar 2 meses sem ir nas consultas e tive apenas 2 sessões, a terceira será essa semana. A Dr. disse que as chances de eu conseguir melhorar desse karma sao muitos difíceis até porque atualmente eu nao saio nem da cama mais, nao tenho força fisica o suficiente para levantar. Eu perdi muito peso por conta de nao conseguir comer nada. Eu tenho asma, entao naturalmente ja tenho dificuldades para respirar em certas condições e acredito que a depressão esteja piorando também nesse critério. Eu tento livrar minha mente dos pensamentos pesados fazendo atividades simples que sempre pratiquei como desenhar e jogar, mas tem sido muito dificil eu pegar um lápis e um papel por vontade própria. Eu fico pensando: aonde isso vai dar e até onde isso pode chegar? Eu to num estado que nem a automutilaçao está tendo mais efeito para mim e que as tentativas falhas de atentar contra a vida perderam totalmente o sentido, virou um tanto faz atualmente. Desde nova eu tenho sofrido com esse problema e eu sei que demorei muito pra buscar ajuda, mas ajuda veio por base de suporte de um colega de faculdade, que pediu ajuda a uma professora dele na área de Medicina, mas.. nao sei vocês, sabe quando você acha que também nao vai adiantar? Porque ir falar com alguem que vai te observar e questionar você e pedir para retornar de novo e de novo repetidas vezes e você sentindo que nao ta tendo solução? É como me sinto. Por mais que eu vá, consulte, eu volto para casa sem respostas, do que vai acontecer comigo, se tem algo que ela VAI falar que VAI me AJUDAR de verdade e que 'algo' é esse... é como se eu desse de cara na porta toda vez e o chão vira um buraco negro de questionamentos em vão.
É um desabafo de quem anda sofrendo a cada dia que passa, e sem respostas.
submitted by liaminns to brasil [link] [comments]


2018.07.17 20:59 Botanyka No Man's Sky NEXT - Update 1.5

Sean Murray postou algumas das novidades que irão chegar com NEXT:
Multiplayer
Revisão Visual
Bases
Cargueiros
submitted by Botanyka to NoMansSkyBrasil [link] [comments]


2018.06.09 05:05 sagurgel A Quinta Vala - A divina tragédia da traição premiada.

A QUINTA VALA.
A divina tragédia da traição premiada.
A traição jamais obteve tanto espaço nos noticiários quanto nos últimos anos. Contudo, esse ato humano execrável, que pela história da humanidade foi responsável por desencadear crimes passionais, guerras e outras reações extremas, já não desperta mais tantas paixões, e às vezes chega a ser motivadora de reivindicação de prêmios.
Por todo o planeta encontramos infindáveis termos para fazer menção aos que possuem o desvio de caráter que conduz à infidelidade. Na riquíssima língua portuguesa, as variantes superam aquelas vistas em qualquer outra, seja pelas tradicionais expressões contidas no vernáculo, como traidor, traiçoeiro, delator, alcaguete, informante, seja pela linguagem coloquial, a exemplo de traíra, dedo-duro, linguarudo, X-9 etc. Nos países estrangeiros também encontramos termos com o mesmo teor pejorativo, como rat (Estados Unidos da América), sneak (Inglaterra), un homme commère (França), Zinker e 31er (Alemanha). Creio ser arriscado demais tentar fazer uma tradução precisa, sabendo o que dizem os italianos:* “traduttore, traditor*e.".
A origem da traição coincide com o mito da criação do homem. De acordo com os textos bíblicos, Caim, impelido por ciúmes, realiza uma emboscada para ceifar a vida de seu irmão Abel. Todavia, está no Novo Testamento a sua máxima expressão, quando Judas Iscariotes procura as autoridades para delatar Jesus de Nazaré, acarretando a crucificação de um acusado considerado inocente, à luz do Direito Romano. Na concepção cristã, pode-se assegurar que, diante de tantos pecados, nenhum outro veio a ser considerado tão repulsivo quanto esse.
Dante Alighieri, por exemplo, nos versos que compõem A Divina Comédia, representa o mapa do inferno, escalonando-o em diversos pavimentos (círculos) rumo ao núcleo da Terra. Dependendo da iniquidade, os condenados são colocados em um ambiente mais profundo. No nono e último círculo, intitulado Lago Cócite, encontram-se os que se entregaram à traição. Essa instância sombria, por sua vez, é subdividida em quatro valas: a primeira, chamada Caína (alusão à Caim) para aqueles que se voltaram contra os próprios parentes; a segunda, batizada de Antenora, reservada aos traidores da pátria; a terceira, Ptolomeia, para abranger os que insurgiram contra os seus hóspedes e, por fim, a quarta e mais terrível, cujo nome é Judeca (nítida referência ao apóstolo), onde os traidores dos benfeitores expiam por seus pecados na companhia de Lúcifer. Das tre facce do Anticristo, uma separa Judas de Brutus e Cassius. Não seria mera especulação afirmar que, pelos escritos do poeta florentino, consolidava-se a antítese dos ideais de Santo Agostinho sobre o que seria a Cidade de Deus.
Saindo da órbita do cristianismo, a temática se repete em todas as outras religiões. No judaísmo, assim como ocorre no islamismo, a deslealdade repercute severamente no espírito humano. E não haveria como se admitir uma doutrina de fé construída em desacordo com os preceitos éticos das civilizações aos quais aderiram. Até mesmo quando nos aventuramos ao estudo da Mitologia Grega, constatamos que a ira dos deuses normalmente é provocada por uma questão central: a traição.
No estudo da História, mesmo quando orientado pela dialética marxista, percebe-se um enorme destaque às personagens que sucumbiram à vilania da falta de palavra para com os seus confidentes. Talvez o assunto gere certo desconforto aos pesquisadores em geral, por representar tudo aquilo que repudiam no semelhante e em si mesmo.
Durante a segunda etapa de Revolução Francesa, os jacobinos acusaram vários dos seus correligionários de estarem conspirando contra os comitês em troca de privilégios ofertados pela alta burguesia. A insegurança política que conduzia os parisienses à construção de um verdadeiro Estado policial acarretou a execução do corrupto Danton, entre outros ícones do processo revolucionário, como Camile Desmoulins. Pouco tempo depois, a histeria das delações fez os próprios algozes subirem ao cadafalso para terem suas cabeças decepadas. Foi nesse contexto que Charlotte Corday protagonizou o episódio mais emblemático do período, retribuindo ao líder Jean-Paul Marat o terror que havia sido colocado na ordem do dia em reunião extraordinária da Convenção.
Outros fatos históricos da mesma grandeza, que gravitam em torno do tema em tela, marcaram ou mancharam, significativamente, a linha do tempo. Impossível deixar de citar o costumeiro pacto de não agressão, articulado por Joachim von Ribbentrop (Ministro do III Reich condenado à morte pelo Tribunal de Nuremberg), que antecedia a invasão da Wehrmacht ao indefeso país signatário, bem como o escândalo de Watergate, em que um Deep Throat colocava Richard Nixon no dilema entre a renúncia e o Impeachment.
O estudo da evolução política brasileira também esbarra em uma série de inconfidências, ganhando maior notoriedade a que ocorrera em Minas Gerais sob a liderança de Tiradentes. Punido com a estranha e cruel pena capital da “morte para sempre”, contemplada pelas Ordenações Filipinas, o mártir da independência após ser enforcado, teve a sua cabeça arrancada e exposta, espalhando-se os fragmentos do seu corpo esquartejado pelos logradouros públicos. Em contrapartida, o delator Joaquim Silvério dos Reis recebia honrarias de Dom João, sem imaginar que seu nome seria amaldiçoado pela eternidade por seus conterrâneos (desonra para sempre), não obstante tivesse revelado os planos de um homem visto como criminoso pela legislação em vigor naquele período.
Apesar da ideia do óbito em caráter permanente ter sido extirpada do Direito Pátrio com o advento do Código Criminal de 1831, a traição nele permaneceu e perdura até a presente data. Além de configurar uma circunstância agravante genérica, prevista no art. 61 do Código Penal, o vil comportamento se faz presente na Parte Especial entre as qualificadoras do crime de homicídio (art. 121, § 2.º, III) e também como núcleo do tipo penal que leva a rubrica marginal de Patrocínio Infiel (art. 355). Porém, quando interpretada em sentido amplo, a odiosa prática que atinge tanto o particular quanto o Estado, pode ser identificada em trinta e oito delitos inseridos no mesmo diploma legal, como no caso do induzimento, instigação ou auxílio ao suicídio praticado por motivo egoístico (art. 122, p.ú., I), em que o agente, por exemplo, inculca na vítima o desejo de autodestruição para se beneficiar da herança. Na mesma esteira cabe mencionar diferentes preceitos que indicam mau-caratismo similar, como o Perigo de Contágio Venéreo (art. 130); Violação de Segredo Profissional (art. 154); Bigamia (art. 235); Peculato Mediante Erro de Outrem (art. 313); Fraude Processual (art. 347), entre tantos outros da lei maior em matéria penal e da legislação extravagante. Aliás, por falar em lei especial, é importante assinalar que no Código Penal Militar, no livro que trata Dos Crimes Militares Em Tempo de Guerra, há um capítulo que leva o título Da Traição, no qual para todos os delitos o legislador comina a pena de morte, que no caso brasileiro, de acordo com o art. 56, se cumpre mediante fuzilamento.
Apenas em relação à infidelidade conjugal, a legislação não reage com tanto rigor. No ano de 2005, o adultério foi objeto de abolitio criminis, deixando o mundo do Direito Penal para receber o tratamento do Direito Civil, que, por sua vez, se mostra bastante flexível nesse aspecto. Não há mais o que falar em divórcio por culpa do cônjuge adúltero e, como se não bastasse, as indenizações por danos morais fixadas em valores quase insignificantes vêm perdendo o caráter retributivo e preventivo. Não havendo bens, nem filhos, a dissolução da sociedade conjugal se efetivará em questão de minutos, na frieza dos polos que congela o recinto cartorial. O preço também não representará qualquer empecilho e, certamente, sairá muito mais barato do que trinta moedas de prata. Não seria exagero dizer que estará consumada mais uma traição promovida com um beijo. Aliás, diga-se de passagem, em um mundo onde todos os valores são relativizados, e o dinheiro é reverenciado como deus único, o que dizer da cumplicidade entre marido e mulher, fruto do amor verdadeiro?
O instituto da delação premiada, que vem sendo utilizado como ferramenta estatal no enfrentamento do crime organizado desde o advento da Lei 8.072/90 (Crimes Hediondos) - estendendo-se mais tarde para outras leis específicas, como a Lei 7.492/1986 (Crimes Contra o Sistema Financeiro Nacional), Lei 8.137/1990 (Crimes Contra a Ordem Tributária, Econômica e Relações de Consumo), Lei 9.613/1998 (Lavagem de Dinheiro), Lei 9.807/1999 (Proteção às Testemunhas); Lei 11.343/2006 (Drogas), Lei 12.850/2013 (Organização Criminosa) - entra em uma fase de frequentes ataques na mesma proporção das defesas apaixonadas. Há de se convir que não é tarefa das mais fáceis compreender que, em nosso ordenamento jurídico, a traição pode matar, passar desapercebida ou até ser homenageada.
Para uma corrente doutrinária, o que decidiram chamar de colaboração premiada na última lei acima referida, não passa de um incentivo por parte da administração pública ao nefasto gesto de trair, o que se mostra totalmente incompatível com os Princípios Gerais do Direito. A lei deve possuir conteúdo didático e apresentar princípios cívicos decentes, e não ensinar que o cafajestismo pode ser vantajoso. Se o crime não compensa, a delação não pode recompensar. Além do mais, de todos os integrantes que compõem o grupo de delinquentes, o pior deles é, sem dúvida alguma, aquele que entrega os comparsas à justiça para aliviar a sua própria pele. Trata-se de torpeza repudiada até para quem se aventura às ações delituosas, não havendo espaço para traidores nem mesmo nas penitenciárias onde estão agregados os piores malfeitores. É o estranho, porém notório, código moral do mundo do crime. Vale lembrar o que ocorreu com o mafioso Tommaso Buscetta, que teve dez de seus familiares assassinados em represália ao auxílio prestado à justiça italiana.
Em contrapartida, há quem procure justificar a atitude do traidor com base no finalismo aristotélico, pois se o fim é bom, ou seja, viabilizar o desmantelamento de uma organização criminosa e a cessação de suas atividades com a aplicação de pena aos seus membros, então o meio da delação também o será. Se para o Direito nem a vida tem caráter absoluto, por que o sigilo o teria? Ainda mais quando o evento envolve criminosos... Para esses juristas, o sacrifício da organização, mesmo por intermédio de uma prática execrável, estaria a serviço do bem comum. Advertem que determinados grupos dedicados às atividades ilícitas, que se desenvolvem com requinte empresarial, se não ruírem por dentro, jamais poderão ser detidos por intermédio de práticas repressivas ordinárias. Usam como ilustração a tradição norte-americana de, inclusive, pagar somas em dinheiro ao colaborador por suas preciosas informações. É o modelo de justiça criminal que vem dos remotos tempos da Marcha para o Oeste, quando o governo do Estado Unidos se viu obrigado a delegar aos condados a tarefa de instituírem a sua própria estrutura punitiva para os crimes locais. Daí veio o Wanted Dead Or Live que, de forma mais civilizada, perdura até hoje.
Difícil se chegar a alguma conclusão quando dois argumentos contrapostos estão repletos de razão. Ocorre que para efeito de valoração do ato de dedurar, nenhum deles mostra-se útil. Isso se deve ao fato de não atentarem para o ponto central, ou seja, o que motivou o indivíduo a revelar toda a trama delituosa e a identidade dos concorrentes. Se decide fazer mea culpa pela consciência de ter agido em desacordo com os interesses da coletividade à qual pertence, imbuído da intenção de reparar o dano e amenizar a dor moral que o afeta, a sua responsabilidade não desaparece, mas a mudança de postura justifica a atenuação das reprimendas. Se a lei chamará as benesses aplicáveis de prêmio, a opção semântica não escapa da lógica em nosso ordenamento jurídico de flexibilizar a resposta penal em decorrência do arrependimento posterior. Tal medida há muito tempo é disciplinada nos arts. 16 e 65 do Código Penal, entre outros de caráter excepcional, como ocorre, por exemplo, nos casos de estelionato mediante cheque sem fundo, quando o agente efetua o pagamento da dívida antes do recebimento da denúncia (Súmula 554 do STF).
Entretanto, há casos em que o agente utiliza o instituto da colaboração premiada para se vingar de seus inimigos, imputando-lhes algumas verdades embrulhadas a um punhado de mentiras, que, muitas vezes, nenhuma relação tem com o objeto da investigação. E assim, atingem não apenas a honra objetiva e subjetiva da vítima da infâmia, mas também a própria administração pública, em especial, administração da justiça, fazendo-o incidir no crime de denunciação caluniosa (art. 339 do CP).
Outrosssim, considerando que estamos discorrendo sobre um grave problema enfrentado no Brasil, o que não falta é exemplo pitoresco sobre qualquer tema de natureza jurídica. Já houve, diga-se de passagem, quem se valesse da delação para ganhar muito dinheiro, não como contrapartida do Estado pelas informações prestadas, mas sim de forma indireta, pela qual o indivíduo se beneficia da previsível instabilidade gerada ao mercado financeiro, capaz de favorecer práticas especulativas de toda ordem. Casos como esse, em que o traidor da organização criminosa engana a nação inteira com a sua delação é que provoca a reflexão sobre o lugar onde Dante o colocaria em seu imaginário, ou se nele não haveria espaço para aqueles que traem a própria natureza humana no que diz respeito à capacidade de ser justo e dotado de um mínimo de vergonha.
Sergio Ricardo do Amaral Gurgel é sócio em AMARAL GURGEL Advogados; autor da Editora Impetus; professor de Direito Penal e Direito Processual Penal; e-mail: [email protected]
submitted by sagurgel to u/sagurgel [link] [comments]


2017.10.21 14:59 Taurusan A ameaça de uma Teocracia Evangélica no Brasil: uma análise introdutória

Edit: Talvez o termo mais adequado seja "teocracia informal ou tácita", no sentido de que não é plenamente institucionalizada, mas é praticada.
Nesse texto, pretendo expor de forma introdutória como há uma ameaça real e já em curso de formação de um Estado Teocrático no Brasil em que o executivo, legislativo e o judiciário (a nível municipal, estadual e federal) ficariam sob controle de pastores ou membros de igrejas evangélicas e que suas decisões seriam fundamentas a partir de uma lógica religiosa e submetidas às diretrizes de suas respectivas igrejas. O texto se subdivide em:
  1. "A Intenção", onde demonstro que os evangélicos (particularmente a Igreja Universal) têm um plano de tomada de poder com tendência antidemocrática;
  2. "Os Meios", que expõe as ferramentas que esses grupos religiosos dispõem para a tomada desse poder;
  3. "As Estratégias" para isso, focando na dimensão política apenas.
Antes de expor a análise, é necessário esclarecer que por se falar em "evangélico" aqui se entende principalmente denominações pentecostais (como a Assembleia de Deus) e neopentecostais (Universal do Edir Macedo, Mundial do Valdemiro Santiago etc.). Evangélicos de missão (ou históricos) como luteranos, presbiterianos, entre outros são relativamente distintos em termos de doutrinas, perfil sociocultural e relação com a política quando comparados com neo/pentecostais (embora tenha ocorrido uma "pentecostalização" dessas denominações nas últimas décadas. Nota-se isso principalmente entre batistas).

A INTENÇÃO

Começamos a exposição pela Igreja Universal do Reino de Deus (IURD), do Edir Macedo, porque ela é a principal personagem dessa história. É a que tem as intenções mais claras de tomada de poder, é uma das mais organizadas politicamente (a que iniciou uma atuação evangélica mais estruturada na década de 1990), com maior poder econômico e midiático, além de ser o grupo neopentecostal com mais fiéis no país.
Em 2008, Edir Macedo (em coautoria com Carlos Oliveira) publicou o livro "Plano de poder – Deus, os cristãos e a política". No livro, Macedo afirma que Deus tem um plano político para os fiéis da IURD e para os evangélicos que sejam seus aliados: governar o Brasil.
Macedo diz que a “obra não se propõe à incitação de um regime teocrático. Até porque o Estado brasileiro é laico e a liberdade de crença é assegurada constitucionalmente”. Porém, nesses últimos quase 10 anos desde a publicação do livro, o que não falta são exemplos de violações à laicidade do Estado por parte de políticos evangélicos e, entre eles, de políticos ligados à Universal. Da mesma forma, a liberdade de crença assegurada constitucionalmente parece não existir nos discursos e ações de pastores da Universal quando se trata de religiões afro-brasileiras, de espíritas, ateus etc. Portanto, esta afirmação de Macedo não condiz com a realidade e é de se esperar que a obra seja sim uma incitação a um regime teocrático.
Além disso, na própria obra há diversos trechos que deixam isso claro. Macedo afirma que os cristãos devem participar do “projeto de nação idealizado por Deus para o Seu povo”. “[A Bíblia] não se restringe apenas à orientação da fé religiosa, mas também é um livro que sugere resistência, tomada e estabelecimento do poder político ou de governo […]". Usando de um discurso maniqueísta bastante comum no meio neopentecostal (quem não está conosco está com o diabo), Macedo diz que “Existem os agentes do mal, que são aqueles que fazem oposição acirrada em vários sentidos — inclusive, ou principalmente, na política — aos representantes do bem”. Também afirma que "A potencialidade numérica dos evangélicos como eleitores pode decidir qualquer pleito eletivo, tanto no Legislativo, quanto no Executivo, em qualquer que seja o escalão, municipal, estadual ou federal".
Quanto a outras denominações evangélicas, mesmo que não tenham - pelo menos, não de forma tão clara e organizada - um plano de poder como o da Universal, não escondem a intenção de estabelecerem uma nação regida pela moral cristã evangélica. Contudo, como essas outras igrejas (principalmente a Assembleia de Deus, maior denominação evangélica do país) tomam a Universal como modelo político a ser seguido, não é de se estranhar que outras denominações ou lideranças façam algo semelhante no futuro.
Algumas fontes dessa seção: 1, 2, 3.
Algo próximo a isso foi o artigo de opinião - publicado na Folha de São Paulo, em 2014 - intitulado "Antes pedintes, hoje negociadores", do pastor Robson Rodovalho, fundador da Igreja Sara Nossa Terra e ex-deputado federal. Falando em nome dos evangélicos de forma geral e fazendo referência à candidatura à presidência do Pastor Everaldo, mas também como intenção futura dos evangélicos na política, ele menciona a "clara mudança de posição do segmento evangélico como ‘player’ do jogo político", possuindo, agora, influência e controle para dar as cartas, definir as regras do jogo.
Uma última coisa a se mencionar é que essa intenção de domínio dos evangélicos num caráter antidemocrático, que vise impor a moral cristã ao Brasil está além de textos panfletários. Essa intenção está visível numa dimensão mais popular e abrangente, já inculcada na mentalidade dos fiéis e que pode ser melhor entendida a partir de uma expressão comum no universo evangélico: "O Brasil é do Senhor Jesus Cristo" (e suas variantes "tal cidade/estado é do Senhor Jesus", "Feliz é a nação cujo o Deus é o Senhor", sendo esta última um salmo). Essa expressão de “posse” de um território a determinada divindade e, consequentemente, a determinada religião, se sustenta, em parte, em uma característica inerente ao cristianismo e que tem sido uma das principais motivações para quase toda investida teocrática na história: o imperativo de converter todos ao cristianismo.
Assim, vemos tal expressão ser dita por lideranças, como Silas Malafaia, nesse twitter, nesse, ou nesse vídeo do Instagram.
No banner do Twitter do Marco Feliciano.
Há até um ministério evangélico que traz esse termo: Ministério o Brasil é de Jesus.
Há também o caso das várias placas, totens, outdoors espalhados pelo país e que já geraram muita polêmica e disputa judicial. Por exemplo, em 2006, a prefeitura de Sorocaba instalou um totem com esses dizeres na entrada da cidade a pedido do então vereador e pastor Carlos Cézar da Silva, da Igreja do Evangelho Quadrangular.
Outro exemplo, na cidade de Leme/SP.
Já teve até prefeito que publicou decreto entregando a "chave da cidade ao Senhor Jesus Cristo".
Até na música essa ideia está visível. O termo "O Brasil é do Senhor Jesus" intitula a canção de dois artistas gospel populares, Mattos Nascimento e a banda Voz da Verdade. Por sua vez, do músico Sérgio Pessoa, há "Desta Cidade Jesus Cristo é o Senhor”. Na canção de Mattos Nascimento, ele diz querer "Ver o presidente, o governador Se curvando à Deus, o nosso senhor". Na da Voz da Verdade, é dito que "Jesus comanda este país de terra e mar" e proclama "Jesus Cristo na nossa bandeira".

OS MEIOS

Os meios, as ferramentas para a instalação de uma teocracia evangélica no Brasil partem, particularmente, dos vastos poderes religioso, político, econômico e midiático dessas denominações.
  • Poder religioso / abrangência demográfica
Segundo o censo de 2010, 22,2% da população brasileira se declara evangélica. Um censo mais recente do Datafolha, de 2013, mostra que esse número já cresceu para 29%, sendo que 22% são neo/pentecostais. Portanto, há cerca 60 milhões de neo/pentecostais no Brasil.
Análises do perfil socioeconômico também mostram que estes milhões se encontram nas camadas mais pobres e menos escolarizadas do país, geralmente em contextos em que o poder público está totalmente ausente de suas vizinhanças e vidas. Somando-se a isso o fato de que uma estratégia de conversão comum no universo neo/pentecostal é atrair pessoas em situações de crise emocional, financeira, de saúde etc., o evangélico típico é um indivíduo de perfil manipulável e mais propenso a ser radicalizado. E considerando a participação política desses indivíduos, sabe-se que "eleitores evangélicos votam em seus pares, seus irmãos e pastores”.
Portanto, dezenas de milhões de brasileiros abertos à manipulação e radicalização prontos para votarem e apoiarem o que seus pastores sugerirem.
  • Poder econômico
Não é necessário se estender muito aqui, o poder econômico dessas igrejas é bem reconhecido. As principais lideranças religiosas neo/pentecostais são milionários e bilionários. Talvez, o que deixe mais claro, de forma sucinta, a dimensão desse poder é justamente o valor das riquezas das principais lideranças evangélicas do país divulgadas pela Forbes.
Vale ressaltar que Edir Macedo, por meio do grupo Record, também é dono de 49% de um banco, o Banco Renner.
  • Poder midiático
Mais uma vez, essa é outra dimensão de poder dessas igrejas bastante conhecida para qualquer brasileiro. E, também aqui, é a Universal que se destaca. Ela é dona da Rede Record, a segunda maior emissora no Brasil; o canal de notícias Record News; o jornal Folha Universal (circulação de mais de 2,5 milhões); a Rádio Record de São Paulo (que comanda um pool de outras 30 emissoras de rádio), a Rede Aleluia que possui 68 emissoras próprias; selos musicais. A Igreja Internacional da Graça de Deus, de R.R. Soares, ocupa o horário nobre da rede Bandeirantes, todas as noites, e conta também com uma concessão de televisão, a RIT (Rede Internacional de Televisão), que conta com 8 emissoras e mais de 170 retransmissoras. A Igreja Mundial do Poder de Deus, de Valdemiro Santiago, é dona da emissora Rede Mundial. A Igreja Apostólica Renascer em Cristo, de Estevan e Sônia Hernandes, opera várias emissoras de rádio em São Paulo e um canal de televisão, a Rede Gospel. Seria possível mencionar muitas outras igrejas, mas ficaremos apenas nessas.
Porém, a influência midiática das lideranças evangélicas tem ido além das tradicionais rádio e TV. Silas Malafaia, do ministério Vitória em Cristo, ligado à Assembleia de Deus, por exemplo, possui mais de 1 milhão e 300 mil seguidores no Twitter, além de 300 mil seguidores em seu canal no YouTube. Marco Feliciano, também ligado à Assembleia, tem meio milhão de seguidores no Twitter.
Fonte: 1
  • Poder político
Os evangélicos adentram a política nos anos 1980 e, desde então, só crescem em números e influência. Nos governos do PT, eles passam a ganhar papel de destaque nacionalmente e, no governo Temer, uma República Evangélica começa a ganhar seus contornos.
A força desse grupo se encontra particularmente no legislativo (municipal, estadual e federal), contudo, a tomada de cargos do executivo está em ascensão e é uma de suas estratégias políticas recentes, como será visto adiante. Em nível federal, a representação legislativa mais evidente deste grupo é a Frente Parlamentar Evangélica, conhecida popularmente como Bancada Evangélica. São 198 deputados e 4 senadores¹. Portanto, quase 40% dos deputados federais no Brasil pertencem à bancada Evangélica.
Lista de alguns prefeitos evangélicos mais significantes: Marcelo Crivella (Rio de Janeiro/RJ), Anderson Ferreira (Jaboatão dos Guararapes/PE), Dr. João (São João do Meriti/RJ), Edinho Araújo (São José do Rio Preto/SP), Fabiano Horta (Maricá/RJ), Marquinho Mendes (Cabo Frio/RJ), Max Filho (Vila Velha/ES), Washington Reis (Duque de Caxias/RJ).
Ministros da República evangélicos: Ronaldo Nogueira de Oliveira (M. do Trabalho), Marcos Antônio Pereira (M. da Indústria, Comércio Exterior e Serviços), homem de confiança de Edir Macedo. Vale ressaltar que a Secretária de Políticas para as Mulheres, órgão subordinado ao Ministério da Justiça, é uma Evangélica, a Fátima Pelaes (ela já disse que, por conta de suas convicções religiosas, é contra o aborto mesmo em casos de estupro).
Em termos partidários, destaca-se o Partido Republicano Brasileiro (PRB), porque ele é o braço político da Igreja Universal. O Ministro Marcos Pereira e o prefeito Crivella são desse partido. No entanto, a Assembleia de Deus (ou, pelo menos, algumas alas dessa denominação com muitas ramificações) também pretende criar seu partido, o Partido Republicano Cristão (PRC), que já tem mais de 300 mil assinaturas coletadas e pretende concorrer já às eleições 2018. O coordenador político da convenção das Assembleias de Deus, pastor Lélis Marinhos, diz que a principal bandeira da nova sigla será a família, "Aquela chamada tradicional, com o princípio básico bíblico da família hétero".
¹ Alguns desses parlamentares renunciaram por terem sido eleitos prefeitos em 2016 ou estão afastados para exercerem cargos públicos. Há parlamentares que não são evangélicos, mas católicos. Há também aqueles que apesar do apoio de igrejas evangélicas, não são vinculados a elas.
Fontes: 1, 2
  • Adendo: Poder de coerção
Essa teocracia vem sendo gradualmente instalada no país por meio de atuação política e pressão popular, contudo, a possibilidade de criação de organizações evangélicas policialescas, paramilitares ou similares é possível, embora – por enquanto – ainda pareça pouco provável. Alguns indícios:
Gladiadores do Altar
“Em frente ao Templo de Salomão, jovens fardados e alinhados batem continência em sincronia. Embora carreguem consigo a disciplina de militares, trata-se de outro tipo de soldado: aqueles que lutam em nome da Palavra de Deus. Eles fazem parte do projeto chamado “Gladiadores do Altar”, que surgiu no final de ano passado e tem como objetivo preparar integrantes do grupo Força Jovem Universal (FJU) para colaborar no futuro como pastores.” Fonte
E o vídeo que viralizou há um tempo.
Considerando que esse projeto/organização vem da Universal, a com a intenção e meios mais claros, é preocupante.
“Traficantes evangélicos”
É, contudo, entre os traficantes do Rio de Janeiro que a possibilidade de uma milícia evangélica parece mais real. Isso ocorre porque há indícios de que criminosos estejam atuando com base na orientação de lideranças religiosas com o objetivo de aumentar a influência sobre comunidades carentes. Vídeos que circularam este ano mostram a ação de alguns desses traficantes (que teriam se convertido ao neopentecostalismo quando cumpriam pena em presídios) obrigando sacerdotes de religiões afro-brasileiras a destruírem seus próprios templos:
Vídeo 1, vídeo 2.
Fontes: 1, 2, 3, 4

AS ESTRATÉGIAS

A professora da UFF, Christina Vital, que se dedica às relações entre evangélicos e política, em entrevista para a Folha de São Paulo, expõe algumas estratégias políticas recentes dos evangélicos no intuito de estabelecer seu poder sobre o país:
  1. Uma estratégia eleitoral de ocultação da identidade evangélica dos candidatos,
  2. assumir cargos do executivo, com foco na presidência,
  3. e assumindo a presidência, chegar ao Supremo Tribunal Federal.
Quanto à primeira estratégia, ela diz: "[...] eles adotaram um jogo de visibilidade e ocultação da identidade evangélica dos candidatos. Crivella não se registrou na Justiça como bispo Crivella, diferente do que fez o pastor Everaldo [candidato presidencial do PSC em 2014]".
Quanto às segunda e terceira, ela afirma “[...] desde pelo menos 2014, há um investimento de importantes lideranças evangélicas em torno de unidade para ocupação dos Executivos”.
"No nosso livro que será lançado, o pastor Everaldo falou claramente na estratégia de assumir a 'cabeça', falou exatamente a palavra 'cabeça', em uma referência à importância da ocupação da Presidência, que é por onde passa a indicação para o Supremo Tribunal Federal. A gente acompanha o crescimento de mobilização de juízes evangélicos ou sensíveis à causa evangélica na Associação de Juristas Evangélicos".
“[...] conseguir chegar à Presidência da República é importante para eles como estratégia para barrar no Supremo Tribunal Federal temas de minorias -como a pauta gay- que travam embate com esses religiosos”(Folha).
E nessa estratégia de chegar à presidência é que entra Jair Messias Bolsonaro:
Os evangélicos já ensaiaram a candidatura própria para presidente em 2014 com o Pastor Everaldo, no entanto, não teve muito sucesso. Isso está para mudar com o novo candidato dos evangélicos para 2018: Bolsonaro.
Bolsonaro, apesar de católico, é membro da Bancada Evangélica (há outros católicos também), assim como seu filho, o deputado Eduardo Bolsonaro. Porém, ano passado, Bolsonaro-pai foi batizado por ninguém menos que o Pastor Everaldo nas águas do Rio Jordão. Uma demonstração simbólica de aproximação com o eleitorado evangélico e com a alta cúpula (na época) dos políticos evangélicos.
Retomando a Christina Vital, ela diz que "A possível candidatura presidencial de 2018 em torno do Bolsonaro é talvez mais representativa de um movimento de unidade de diferentes denominações". Essa unidade está um pouco abalada hoje em dia, já que Bolsonaro saiu do Partido Social Cristão (PSC), partido dominado por lideranças da Assembleia de Deus. Outros grupos político-religiosos já demonstraram interesse em tê-lo, um deles, o PRB da Universal, que o sondou no início do ano. Contudo, ele parece querer ir a um partido evangélico em que tenha mais comando político. Porém, apesar dessa unidade abalada, ele ainda é visto como candidato dos evangélicos e com chances concretas de ganhar.
E há uma declaração de Bolsonaro que deixa muito claro qual é sua opinião sobre a relação Estado/religião e quais suas intenções caso seja eleito Presidente da República. No início deste ano, ele disse:

– Deus acima de tudo. Não tem essa historinha de estado laico não. O estado é cristão e a minoria que for contra, que se mude. As minorias têm que se curvar para as maiorias.

A eleição de Bolsonaro seria a “cereja do bolo” nesse longo sonho de controle político da nação por parte dos evangélicos mais fundamentalistas, de se tornarem players do jogo político no país. Essa frase deixa clara a possibilidade da implementação de uma teocracia no país, apoiada por milhões de brasileiros radicalizados e um grupo cheio de poder político, econômico e midiático.
Algumas considerações finais
Mesmo que Jair Bolsonaro não ganhe as eleições presidenciais de 2018, a ameaça teocrática não acaba por aí, virá outro candidato em 2022, assim como em 2020, mais prefeitos (e vereadores) evangélicos fundamentalistas serão eleitos. Esse projeto de poder vai muito além de Bolsonaro, embora ele seja no momento uma peça essencial para concretizá-lo.
Por último, umas semanas atrás, vi aqui no sub alguém comentar isso: "Pessoal se preocupa (ainda que tenha uma ponta de razão) com a possível ditadura militar enquanto a teocracia evangélica está em curso, com um plano de poder muito melhor organizado, e ninguém combate por medo ou receio de perder muitos votos nas periferias" (mtgr19877).
Isso é verdade. Se você se preocupa, acha possível uma ditadura militar no Brasil, uma teocracia evangélica é muito mais provável, porque ela já está em curso, é abertamente declarada e a cada ano se torna mais e mais real. É uma bomba prestes a explodir e destruir o que há de liberdades civis, políticas no Brasil... em nome de Deus! Essa é a maior ameaça antidemocrática nesse país.
Edit: a convite do blog/portal de notícias Aventar, de Portugal, esse texto foi publicado também.
submitted by Taurusan to brasil [link] [comments]


2017.07.18 23:01 dudewhosayni Um noia tentou assaltar eu e meu amigo na madrugada e robamos a bike dele

Era mais uma sexta feira como qualquer outra, a rapaziada já preparando seus trapos e sua bebedeiras, maioria dos meus brothers iam para outra pira, uma desses aniversários que são comemorados em bar de burgues (chamem uns troxas ai pra entrar e ganhe uma vodka pra dale,) falei que não ia dale, já que um dos requisitos era que todos os 10 selecionados deveriam chegar antes das 10 e meia e só assim você ganharia uma garrafa de vodka. Não tava na pira de gastar a grana da entrada nem em refrigerante caro, então marcamos de nos encontrar na praça alternativa da cidade e tomar um gole antes.
Comprei um dreier de 12 pila, era suficiente pra deixar 9 cabeças muito loucas, e como todos meus amigos são fodidos que nem eu, foi uma excelente escolha e prosegui para o parque já era 19 e 30, fui de bike, no caminho perdi meu beckzin, eu só tinha dois, já fiquei meio triste, era um sinal pra volta pra casa, mas continuei mesmo assim, sei que no parque sempre rola uma beckzada e isso não seria problema, quando cheguei o lugar já tava fervilhando de doido, mas não tive problema pra encontrar meus broderes, que já estavam fumando um, tirei o gole da mochila e ficamos ali trocando umas ideias e falando merda, o tempo passou e a carona deles chegaram, ficou eu o gole e um cara chamado jesus. Jesus me chamou pra sua galera já que eu estava solo, humildemente aceitei, cheguei com o conhaque de gengibre com a nova rapaziada, que já acho que eu tava muito doido por tá tomando aquela merda, tirei uma garrafa de água da mochila e compartilhei com a rapaziada que estavam todos com a boca seca da droga e da cachaça, ganhei a confiança da galera e fui aceito no grupo e continuamos a falar merda.
Depois de um tempo a galera logo começou uma movimentação pra vazar que eles iam para uma pira, uma boate alternativa da cidade e que lá tinha uma promoção que quem faz aniversario na semana não paga entrada, como era meu aniversário naquela semana, aproveitei essa brecha no sistema, já conhecia o local dose de ypioca a 5 pila, o 20tão da entrada dava pra dale 4 doses era suficiente pra deixar um cavalo debochando, fiz a cabeça que iria pra frente com essa rapaziada, e nisso um outro brother meu me manda whatss me convidado pra ir para esse local, contei que já iria pra lá, tudo encaixou como uma luva, e combinamos que depois do trampo dele partiriamos, já era 11 horas ele saia meia noite, a turma de jesus já tinha partido, fiquei só por um tempo quando encontrei um grupo de andarilhos que já são meio nativos do parque e já tenho uma certa intimidade e me sentei com eles, compartilhei meu dreier que foi muito bem vindo, ficamos ali um tempo trocando ideias e alguns sentados outros fazendo malabaris, e discutindo como é a introdução deles no sinal, tirei boas risadas com eles e apesar deles morarem na rua, são todos bem educados e gente fina, logo começaram a fumar um beckzão que mais parecia uma braço de um bebê e a conversa foi fluindo e grupo deles foi se desmanchando já que era noite de sexta feira e as ruas estavam cheias, eles foram fazer um trocados ficou eu e mais alguns. Conversa vai e vem e fiquei de fazer o editorial de um livro de poesias para dois doidos, minha hora bateu e o dreier morreu, me despedi deles e fui pra casa do meu brother.
Guardei minha bike lá, e fomos direto no posto, já que aniversariante não gasta entrada no local e seu convidado também não com a grana da entrada do meu brother passamos no posto compramos, digo ele comprou um gole de limão aleatório e um cigarro e fomos tomando até a boate andando, tomamos metade da garrafa e escondemos ela no caminho, num pico bem mocado, botei a mão no bolso pra acender meu ultimo cigarrinho do diabo e cade ele? perdi meus bases, mandei um RIP e entramos no lugar a 1 da manhã, no entrar meu brother que é gay, mas pega geral falou pra gente competir pra ver quem pegava mais, ao entrar ele já escorou o primeiro ponto com um doido que tava do lado da porta... mesmo com toda a cachaça no sangue, não tenho esse molejo pra sair pegando geral, queria ter, mas não tenho.... fique com aquela cara de garoto assustado quando entra no putero vendo aquela loucurada toda, gente alternativa com suas roupas ousadas e seus modelos de allstars, mas pelo menos a musica era meneira, homenage ao dia do roque, tava tocando altos clássicos do guitar hero, tinha uma galera no segundo andar fazendo karaoke que ia dos beetles ao raça negra, tomei um gole de ypioca pra tentar sair do zero, tomei aquela porra e fui pro abraço, quando encontrei um brother que curte uns HC fudido (hardcore estilo musical, só pra esclarecer), fiquei ali trocando uma ideia com ele e tals até que ele me confessou que tinha acabado de sofrer um estrupo reverso de uma mina que trampava com ele, perguntei se ele tinha gostado, ele mandou um sabe como é.... não tava afim mas é foda.... falei pra ele que quando ele ver a mina no trampo vai dar um reboliço estranho neles, nesse momento ele viu o professor de matemática dele e a essa altura o sentido já não existe mais... ele estava acompanhado da namorada dele que meu brother conhecia muito bem (não sei como), o professor dele era parecido com o Daniel Furlan, na hora já achei o cara gente boa, e comecei a trocar um papo intenso com ele, na verdade tirei o cara pra psicologo, e falei das tretas da empresa que tenho e to tentando manter e que ta foda e tals, ai ele se identifico com o perfil de empresario fudido também e o papo rolou, não lembro da conversa geral, mas ele falou uma coisa muito profunda pra mim que não consigo lembrar o que é exatamente, mas é algo mais ou menos assim: Olha eu deixei a vida levar e ela foi se encaixando, mas ele falou com uma tranquilidade que aquilo me acalmou profundamente, acho que já estava perdendo pro meu brother de uns 16 a 0, mas fodasse sabia que não iria ganhar e se conseguisse escorar 1 já ia ficar feliz, nisso aparece meu brother falando que o pico aqui já ta morto e que iriamos pra um bar punk
Saimos da boate alternativa e pegamos nosso gole de limão que ainda estava mocadinho, e fomos tomando até o bar punk, não lembro a hora pois deixei meu celular na casa dele levei só uns trocados e o cartão pra pira, chegamos na frente desse bar e lá sempre tem varios coqueiros em busca de raios, ficamos ali tomando o nosso gole e falando merda, entramos tomamos um breja 3 por 10, pagado no sofrimento, meu brother parecia conhecer todo mundo ali, tomamos nossas brejas e partimos com a terceira breja.... se você está se perguntado aonde entra o titulo nesse textão, é agora estávamos bem extaltados da cachaça a rua neste horário e mel pra drap, passamos tranquilamente por alguns draps que só foram judiado pelo mundo até demos um gole da nossa breja para alguns mas bem perto da casa dele, encontramos dois noias que pediram um gole da breja, demos a breja pra ele na humildade, tinha um de apé e um numa bicicleta tropical, (barra forte, barra circular, sei lá) quando o cara que tava com a cerveja me segurou e começou a dar uma introdução que aquilo era um assalto ou roubo.....Só tem um problema já dizia dadinho (cidade de deus) que é quando um bicho solto encontra um bicho mais solto que ele, e nesse dia meu brother tava muito solto, antes mesmo de ele terminar sua introdução de assalto ou roubo sei lá, meu brother deu uma porrada na mão do drapzeira que a cerveja voou uns 3,5m de distancia o drap ficou sem reação, nisso ele falo pros cara, NÃO VEM METE O LOCO! SE TU QUER METER O LOCO NOIS VAI METE O LOCO TAMBÉM!! o noia que estava apé fico sem reação muito assustado com a situação e o outro noia largou a bike e saiu fora, o noia que me segurou foi saindo pelo outro lado e eles abandonaram a ruazinha um por cada lado sem falar nada, a bike ficou lá parada com a gente, mas como disse estávamos muito alterados e pensamos o que fazer com a bike e montamos nela e fomos de bike pra casa, no meio do caminho pensamos que a bike poderia ser roubada, a consciência pesou decidimos fazer o melhor com a bike e fomos até o parque alternativo os andarilhos estavam antes, ainda tinha um lá tomando seu gole, explicamos a situação pra ele e demos a bike pra ele, pra ele encontrar o dono e se não achar ficar com ele, partimos de apé pra casa dele, demos uma laricada num rango nervoso que ele tinha trazido do trampo, ele trampa em cozinha de um restaurante burgues que era um bolo meio rocombole de banana com doce de leite e um creme de vitamina de banana que ele mesmo tinha feito todos os item, até o docê de leite onde ele me explicou o quão tenso é fazer docê de leite na pressão, que na verdade doce de leite é so leite condensado fervido na pressão, algo assim. e assim a noite acabou.
OBS: Fiz esse texticulo no trampo e vou pra casa agora fazer uma correção de leitura dele em casa, então se tiver umas partes muito fodas de enteder deixa no comentário ai, que deu meu horario e vou pra casa ai arrumo
submitted by dudewhosayni to brasil [link] [comments]


Como achar a base dos bandidos no jailbreak roblox Como fazer suporte com garras caseiro(terceira mão)! - YouTube Ragnarok NovaRO Como pegar terceira classe em menos de uma ... Como Achar um ilha no Subnautica How to get to Grom'gol Base Camp: WoW Classic COMO CHEGAR NA ILHA TODA HORA E FICAR RICO NO BUILD A BOAT ... DECK SIMPLES PARA CHEGAR NA ARENA 8 VÍDEO #3 Rise Of The Tomb Raider #6 - Base Soviética (Missões) Everest Campo Base: Guia de Equipamentos e Como se ... Como encontrar a segunda base criminosa do jailbreak (Roblox)

Como ir de Base Aérea das Lajes para Angra do Heroísmo de ...

  1. Como achar a base dos bandidos no jailbreak roblox
  2. Como fazer suporte com garras caseiro(terceira mão)! - YouTube
  3. Ragnarok NovaRO Como pegar terceira classe em menos de uma ...
  4. Como Achar um ilha no Subnautica
  5. How to get to Grom'gol Base Camp: WoW Classic
  6. COMO CHEGAR NA ILHA TODA HORA E FICAR RICO NO BUILD A BOAT ...
  7. DECK SIMPLES PARA CHEGAR NA ARENA 8 VÍDEO #3
  8. Rise Of The Tomb Raider #6 - Base Soviética (Missões)
  9. Everest Campo Base: Guia de Equipamentos e Como se ...
  10. Como encontrar a segunda base criminosa do jailbreak (Roblox)

como instalar e jogar Subnautica como instalar Subnautica ... Subnautica SE02 - Base no Void. Cercado por Ghost Leviathans! - Ep 24 - Duration: 20:00. Flavio Machado 137,704 views. No vídeo de hoje estou trazendo a terceira parte dos videos DECK SIMPLES PARA CHEGAR NA ARENA 7 REAL, com uma batalha contra um LEVEL 10 humilhando ele sem deixar ele encostar na minha torre ... O vídeo de hoje traz um dos trekkings mais famosos do mundo. Trata-se do Trekking ao Acampamento Base do Everest, no Nepal. Trekking dos sonhos não é mesmo ?... Fala galera hoje irei mostrar como encontrar a segunda base criminosa do jailbreak roblox Link do jailbreak:https://www.roblox.com/games/60684962... Olá geniais criadores de gambiarras! Soldar pequenos componentes eletrônicos pode se tornar uma grande dor de cabeça se você não tem a ferramenta certa para ... Rise of the Tomb Raider 100% - 09 Base sovietica (prima visita) - parte 5 - Duration: 44:21. X-Solution 25,043 views. 44:21. Galera no vídeo de hoje eu trago meu primeiro guia do ragnarok novaRO, eu não sei porque a gravação ficou assim é alguma configuração no novaRO que eu não ar... 📌 Vídeos todos os dias as ⏰ 11:15 ⏰ 💗 ROBLOX 💗 Todas as séries do canal - https://www.youtube.com/channel/UCVa0qpt9iw4Lg4pyJFLm6PQ/playlists # ... Como achar a base dos bandidos no jailbreak roblox. Grom'Gol Base Camp is an orc camp built in Stranglethorn Vale, to the north of Booty Bay. It is fortified against the jungle trolls, naga, and the Alliance who arrive from Booty Bay and Duskwood ...